Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Atualize já

Últimas Notícias

Bolsonaro aposta em confronto com Lula em debate na Globo para arrancada final

Gastos reais com funcionalismo caem para menor nível desde 2008

Economia 15.08.2022 08:09
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Agência Brasil - A ausência de reajustes salariais, a falta de concursos públicos e o adiamento de precatórios contribuíram para derrubar os gastos com o funcionalismo em 2022. As despesas reais com os servidores públicos federais ativos e inativos encerrou o primeiro semestre no menor nível em 14 anos.

Os dados foram compilados pela Agência Brasil com base nas estatísticas do Tesouro Nacional. De janeiro a junho, o Poder Executivo Federal desembolsou R$ 157,477 bilhões para pagar salários, aposentadorias e sentenças judiciais do funcionalismo, em valores atualizados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O montante é o mais baixo para o primeiro semestre desde 2008, quando estava em R$ 139,733 bilhões, também em valores corrigidos pela inflação.

Ao atualizar os gastos pelo IPCA, o recorde nos gastos com o funcionalismo no primeiro semestre foi registrado em 2019, quando as despesas atingiram R$ 186,213 bilhões. De lá para cá, os gastos recuaram 15,43% em termos reais (descontada a inflação).

Congelamento

Diversos fatores contribuíram para a queda no gasto com o funcionalismo. O principal foi o congelamento do salário do funcionalismo que vigorou entre junho de 2020 e dezembro de 2021. A medida foi aprovada pelo Congresso Nacional em troca do pacote de ajuda a estados e municípios afetados pela pandemia de covid-19.

Apesar de promessas e de greves de diversas categorias do funcionalismo, o governo não concedeu reajustes em 2022. Originalmente, o Orçamento de 2022 tinha destinado R$ 1,7 bilhão para reajuste a forças federais de segurança e agentes de saúde. No fim de abril, a equipe econômica informou que estudava um aumento linear de 5% para todo o funcionalismo.

No entanto, no início de junho, o ministro da Economia, Paulo Guedes, descartou a concessão de reajustes em 2022. Por causa das restrições da lei eleitoral, o governo poderia conceder reajustes acima da inflação até 2 de abril, seis meses antes das eleições.

A Lei de Responsabilidade Fiscal autoriza a reposição da inflação até o fim de junho. No entanto, o projeto de lei deveria ter sido enviado até meados de maio para ser votado a tempo pelo Congresso.

Governo eletrônico

A não realização de concursos públicos para repor os servidores que se aposentaram ou morreram também contribuiu para a queda do gasto com o funcionalismo federal. O número de servidores na ativa caiu de 630,7 mil em dezembro de 2018 para 570,3 mil em julho deste ano, segundo o Painel Estatístico de Pessoal do Ministério da Economia.

A Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia informa que a ampliação da oferta eletrônica de serviços no Portal Gov.br compensou a queda do quadro funcional. Segundo o órgão, a ferramenta, que oferece quase 4,9 mil serviços públicos pela internet, permitiu o deslocamento de servidores de funções operacionais e burocráticas para atividades relacionadas à gestão ou à fiscalização, o que dispensa a reposição de cargos de nível médio ou que se tornaram obsoletos.

Precatórios

Além do congelamento salarial num cenário de inflação alta e da ausência de concursos públicos, outro fator passou a ajudar a reduzir o gasto com o funcionalismo. A emenda constitucional que permitiu o parcelamento de precatórios de grande valor transferiu para outros anos gastos que seriam executados em 2022.

Dívidas do governo reconhecidas em caráter definitivo pela Justiça, os precatórios acima de 60 salários mínimos, passaram a ser parcelados até 2026. O mesmo ocorreu com as dívidas do antigo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), que passaram a ser pagas em três parcelas, uma a cada ano.

Segundo o Tesouro Nacional, a emenda constitucional reduziu em R$ 9,82 bilhões as despesas da União com precatórios no primeiro semestre. Em valores corrigidos pela inflação, a queda chega a R$ 11,22 bilhões. Desse total, R$ 7,4 bilhões corresponderam a precatórios relativos ao funcionalismo público federal.

Críticas

A queda no número de servidores é criticada pelas entidades que representam o funcionalismo público. Em audiência pública na Câmara dos Deputados em maio, o diretor da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) Pedro Armengol diz que o congelamento de salários e a não reposição de servidores piora a qualidade do serviço público.

"As decisões tem sido unilaterais. A pauta [de reivindicações] dos servidores públicos não é meramente corporativa. Ela reflete a preocupação dos trabalhadores e trabalhadoras do setor com as condições mínimas necessárias para atender as demandas da população e, portanto, assegurar direitos essenciais dos brasileiros”, declarou.

Entre os problemas citados pelo representante da Condsef, estão a extinção de órgãos, a precarização de salários, a não recomposição da força de trabalho, a precarização das condições e relações do trabalho e a falta de diálogo com o governo.

Gastos reais com funcionalismo caem para menor nível desde 2008
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (62)
Eduardo Muñoz
EKMunoz 15.08.2022 19:22
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
A casta do funcionalismo público chora.
Maicon Fernandes
Maicon Fernandes 15.08.2022 10:59
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Se pro funcionário público não está bom, na iniciativa privada está sobrando emprego. Venha viver a realidade do mercado de trabalho.
Maicon Fernandes
Maicon Fernandes 15.08.2022 10:59
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Se pro funcionário público não está bom, na iniciativa privada está sobrando emprego. Venha viver a realidade do mercado de trabalho.
Mantt Newmann
Mantt Newmann 15.08.2022 9:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Funcionário público não serve para Rachadinha, roubalheira e comércio de cargos e emendas. Melhor acabar com estas vagas e indicar amigos, familiares e fantasmas para estes cargos.
Mantt Newmann
Mantt Newmann 15.08.2022 9:42
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Esses vagabundos tem aversão a concurso público, aversão a meritocracia. Isso mostraria que praticamente todos os cargos comissionados e de confiança são indicações de incompetentes que atendam a roubalheira dos politicos.
raelcred raelcred
raelcred raelcred 15.08.2022 9:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Tá na hora de acabar com essa classe medonha, pois estamos na era da internet, tudo o que eles fazem pode ser resolvido com alguns clicks.
gonzaga nutricao
gonzaga nutricao 15.08.2022 9:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O mant tá desesperado kkkkPode chamar o BOLSONARO de genocida, homofóbico, desumano, pederasta, veado, estuprador….. só não consegue chama-lo de Ladrao. Agora, eu consigo LULADRAO
Dayane Petik
Dayane Petik 15.08.2022 9:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
E você acha legal isso?
PJ ROSELLO
PJ ROSELLO 15.08.2022 9:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
30 anos de rachadinhas, trafico de influencias, beneficios nao devidos e voce bota a mao no fogo por esse LADRAO? Gonzaga deve ser outro ladrao igual ele, entre abndidos se defendem.
Gabriel Alves de Lima
Gabriel Alves de Lima 15.08.2022 9:19
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
boaaaa... B22
PJ ROSELLO
PJ ROSELLO 15.08.2022 9:19
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
poupa no salario do funcionário e detona as contas dando dinheiro aos amigos e parentes.
luiz bruno
luiz bruno 15.08.2022 8:54
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Novos tempos !
Mantt Newmann
Mantt Newmann 15.08.2022 8:49
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
No desgoverno, aumento somente para os Generalecos da Rachadinha, com soldo chegando a 1 milhão e para o Bozo, ambos ganhando aumento e mordomias em plena pandemia de 2020. TB ganha aumento quem fica em casa e recebe o bolsa esmola turbinado em ano eleitoral. Para quem trabalha, aumento de trabalho para sustentar a roubalheira e populismo dos vagabundos de Brasília. Como a militancia não consegue contestar os fatos, resta o mímimi.
Josmar pereira sampaio
Josmar pereira sampaio 15.08.2022 8:39
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O gasto foi parcelado, jogado pra frente para sobrar dinheiro para os políticos neste ano eleitoral!! Não há o que comemorar!! Assim como a antecipação de receitas com os dividendos da Petrobrás, vai faltar na frente!!
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail