Garanta 40% de desconto
🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Petróleo e dólar em alta ajudaram liberação de dividendos da Petrobras

Publicado 23.04.2024, 06:29
© Reuters.  Petróleo e dólar em alta ajudaram liberação de dividendos da Petrobras
PETR4
-

Integrantes do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) avaliam que o cenário atual está mais favorável para o pagamento dos proventos extraordinários da Petrobras (BVMF:PETR4) sem comprometer o plano de investimentos da estatal. Os principais motivos são a alta do dólar e o preço do petróleo.

Com a nova visão, a Petrobras deve pagar metade dos R$ 43,9 bilhões que poderiam ter sido pagos referentes ao lucro da estatal em 2023. Em março, o bloqueio desse valor levou a uma crise que quase culminou na demissão de Jean Paul Prates da presidência da petroleira.

Essa nova avaliação foi feita na reunião do CA (Conselho de Administração) da Petrobras, realizada na 6ª feira (19.abr). Depois do encontro, a estatal publicou fato relevante (PDF – 464 kB) que foi lido pelo mercado como um aval do colegiado ao pagamento de metade dos proventos, de quase R$ 22 bilhões.

A diretoria apresentou números aos conselheiros mostrando que, ao pagar 50% dos dividendos, a chance de realizar os investimentos programados pela empresa é de 85%. Nas reuniões anteriores do conselho, falavam em 60%.

Na reunião de 7 de março, quando foi encaminhado que a empresa não faria nenhum pagamento, o dólar estava cotado a R$ 4,93. Na 6ª feira, R$ 5,20. Já o barril do petróleo brent passou de US$ 82,96 para US$ 87,29.

Esses números convenceram os conselheiros ligados aos ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Rui Costa (Casa Civil). Ambos tinham como condição para o pagamento de dividendos extraordinários a manutenção do plano estratégico de investimentos da estatal.

O conselho da Petrobras quase inteiro foi convencido que é possível pagar metade dos dividendos. A única contra foi Rosangela Buzanelli Torres, que representa os trabalhadores da empresa. Ela é a favor de reter todo o valor.

O governo é o principal beneficiado com o pagamento dos dividendos, uma vez que é o maior acionista. O Tesouro estima, por baixo, um incremento de R$ 6 bilhões fora das receitas previstas. O ministro Fernando Haddad (Fazenda) defendia o pagamento integral dos proventos, o que renderia aos cofres públicos cerca de R$ 12 bilhões.

Decisão na 5ª feira

A AGO (Assembleia Geral Ordinária) que decidirá sobre os dividendos será na 5ª feira (25.abr). Ali será batido oficialmente o martelo. A reunião também definirá a nova formação do Conselho de Administração.

Na 2ª feira (22.abr), ao ser questionado se seriam pagos os 50% dos dividendos, o ministro Alexandre Silveira disse que essa é a “tendência“. Ele lembrou que, no passado, “teve conselheiro do governo que se absteve“. Se referia ao atual presidente, Jean Paul Prates.

Leia mais em Poder360

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.