Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Finanças Comportamentais: Os Vieses Cognitivos – Parte I

Publicado 20.02.2022, 13:45
Atualizado 29.08.2023, 23:01

Então, você se tornou um INVESTIDOR. Deixou definitivamente o daytrade, passa cada vez menos tempo olhando o homebroker e está debruçado nos conceitos do Value Investing em busca das empresas de valor das quais pretende ser sócio pelas próximas décadas.

LEIA MAIS: 2022 será o ano do Value Investing?

Resumindo, finalmente encontrou o mapa certo!

Como todo bom investidor precisa ter conhecimentos multidisciplinares, acredito que, para quem já entendeu os conceitos de PREÇO e VALOR, o próximo passo seja entender COMO SUA MENTE FUNCIONA. Nos próximos artigos vou abordar conceitos sobre Finanças Comportamentais, uma área de conhecimento que estuda como nossa mente influencia nossas tomadas de decisão e qual o impacto disso no desempenho dos nossos portfólios.

Vamos começar pelos vieses cognitivos. Para que o texto não se torne enfadonho, vou dividi-lo em três partes de forma que você possa assimilá-los com a devida importância.

Vieses cognitivos, por definição, são atalhos mentais responsáveis por julgamentos antecipados e percepções equivocadas de diversas situações. Como diria Cobb, (personagem interpretado por Leonardo DiCaprio no filme A Origem) “O vírus mais letal que existe é uma ideia: quando você a tem, é quase impossível se livrar dela”.

Começaremos pelo viés de ancoragem. A ancoragem está relacionada a uma informação, normalmente a primeira, que acaba se sobrepondo a outras. A ideia de comprar barato é um bom exemplo. Há empresas baratas na bolsa que sempre foram baratas. E em determinados momentos, a depender da conjuntura e do ciclo econômico vivido, ficam ainda mais. Porém elas não crescem, consequentemente seus preços não sobem. Isso pode ser observado em empresas mistas cuja ingerência do Estado - no país do populismo - é histórica. Mas o investidor ancorado fica cego com esse aspecto qualitativo e, quando observa o preço caindo, entende que é hora de “encher o carrinho”, já que ninguém está vendo o que só ele vê. Essa comportamento também é conhecido por “Armadilha de Valor”.

Outro exemplo de ancoragem é se basear no preço médio (ou como alguns se referem, “preço mérdio”). Você paga 10 em uma ação, vê que ela está desabando, compra por 7, 5, 3... Muitas vezes, mesmo “pegando uma faca caindo”, observar seu preço médio sendo ajustado para baixo lhe traz uma maior segurança e sensação de controle quando as mudanças nos fundamentos da empresa podem estar sendo responsáveis pela deterioração de uma tese de investimento, que iminentemente terminará em uma realização de prejuízo.

Entenda: NÃO IMPORTA  ABSOLUTAMENTE NADA, QUANTO VOCÊ PAGOU POR UMA AÇÃO. O que fará seu preço subir é a capacidade da empresa de entregar resultados: Se eles são crescentes e o preço está caindo, ótimo! Mas se estão estagnados e o cenário se tornou desfavorável, não tenha o menor problema em realizar prejuízo. Continuar comprando ou manter a posição na expectativa de uma alta, nada mais é do que VOCÊ ancorado em uma ilusão.

Pra reforçar a importância de se navegar desancorado, lembre-se que os grandes investidores nunca falam que têm X reais em XPTO3, mas que têm X ações de XPTO3. Ou seja, tanto faz o preço de tela no momento da fala, pois lucro ou prejuízo só se manifestam no ato da venda.

A única forma de se livrar das armadilhas cognitivas é a percepção sincera de como você funciona. Esse processo é lento e gradual, mas fundamental à sua curva de aprendizagem.

No próximo artigo abordarei outras armadilhas, como a Ilusão de Controle. E como sempre digo, lembre-se: Não existem atalhos.

Ótima semana!

Últimos comentários

Conciso e objetivo. Parabéns!
De novo, alicerçando argumento que apoia a sua opinião em detrimento da escolha de modo de operação em mercado dos demais, neste caso, day trade? Sejamos francos: podemos falar do modo de operação que mais nos agrada sem precisar atacar outra vertente de atuação. Não acha? Talvez, novamente, seja invocada a pesquisa que constatou na época que 95% das pessoas perdem dinheiro no day trade, mas a mesma pesquisa também demonstrou que o 4º perfil profissional que também perdia dinheiro era os dos economistas (o primeiro eram de estudantes, o segundo de médico e o terceiro de advogados). Resumo: ganhar dinheiro no mercado por day trade vai além do conhecimento em economia, passa muito mais pelo conhecimento do ser humano, e de como ele pensa e reage, do que simplesmente interpretar indicador fundamentalista. Porque se fosse o contrário, analista fundamentalista já teria em conta corrente uma boa parcela do PIB global.
"Roberto VBL" seria um pseudônimo de algum trader bem sucedido? Curioso notar que, apesar de escrever muito bem, demonstra todo seu conhecimento APENAS criticando conteúdos de autores inclinados ao value investing: mais de 115 comentários no total, sendo que nenhum deles se trata de um conteúdo original. Rapaz, um conselho: quer defender suas teses, contribua sendo um dos vários autores do Investing, portal de ampla pluralidade, ao invés de se tornar uma eterna antítese. Além de chato acaba dando impressão de que tem  dificuldade de intelecção, o que torna impossível a dialética.  "Se fosse o contrário, analista fundamentalista já teria em conta corrente boa parcela do PIB global" é o tipo de raciocínio tão absurdo que beira o malicioso. Não entrarei mais nessa. Muito menos com uma pessoa sem sobrenome e que esconde o rosto atrás de um mangá. Adeus e boa sorte.
Primeiro: não use o "rapaz", apesar de o senhor não me conhecer sou um homem de 48 anos, chefe de família e demonstro respeito pelos demais, tanto é que sempre lhe chamei de senhor e nunca de "você". Segundo: comentar em artigo de outrem não me obriga a criar um artigo para que me seja facultado o direito à expressão, sempre (e deixo frisado: sempre) de modo respeitoso. Terceiro: o viés malicioso sempre vem de sua pessoa ao tratar do tema day trade. Se sou bem sucedido nesta prática? Sim, sou em vários aspectos da vida e não somente em day trade. E sim, uso de imagem de mangá para manter a privacidade, mas não me lembro do senhor ter provado o seu ponto de vista além de usar de opinião. No mais, sugiro que cure-se de seus rancores.
Parabens, isso mesmo, só os estudiosos chegam a essa fase.
Muito bom👏👏
bom artigo
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.