Garanta 40% de desconto
🚨 Os mercados estão em baixa. Descubra ações subvalorizadasDescubra ações agora mesmo

Guerra tecnológica EUA x China: 8 empresas expostas e 1 potencial ganhadora

Publicado 05.10.2023, 12:29
Atualizado 02.09.2020, 03:05
  • A guerra tecnológica entre os Estados Unidos e a China, com a participação dos Países Baixos e do Japão, está prestes a se intensificar ainda mais;

  • Vamos determinar quais são as oito empresas listadas no S&P 500 que serão mais impactadas por terem uma exposição maior de seus resultados à China.

  • Para a surpresa de muitos, a Intel é uma das companhias que podem se beneficiar desse conflito.

Não há dúvidas de que estamos vivendo uma disputa no setor de tecnologia que coloca em lados opostos os Estados Unidos e a China. Essa disputa se estende ao universo dos microchips de ponta, dada a sua extrema importância estratégica em diversas áreas.

Ao longo do tempo, os Estados Unidos assumiram a liderança na indústria de semicondutores, mas é crucial destacar que quase 90% dos chips avançados fabricados pela NVIDIA (NASDAQ:NVDA) e Broadcom (NASDAQ:AVGO) têm origem em Taiwan, um território que a China reivindica.

Tudo isso aumenta a complexidade do conflito, que vai além da simples rivalidade tecnológica. Do ponto de vista chinês, isso tem duas interpretações distintas:

  1. É uma tentativa de impedir que os Estados Unidos prejudiquem a supremacia tecnológica da potência asiática.

  2. Funciona como um golpe na soberania que a China reivindica.

Por enquanto, todas as atenções estão voltadas para as eleições de 13 de janeiro de 2024 em Taiwan. A possibilidade de uma resolução pacífica do impasse entre a nação insular e o continente chinês depende do resultado dessas eleições.

Embora os americanos possam ter acreditado que detinham um controle firme sobre a situação, eventos recentes mostraram o contrário. Em meados do ano, a Huawei lançou um smartphone com um chip notavelmente avançado, destacando a persistente ameaça do país asiático aos Estados Unidos.

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Esse evento pode levar a um acirramento das medidas da Casa Branca, inclusive mais restrições de exportação, o que inevitavelmente exerceria pressão sobre os lucros das empresas do setor e aumentaria ainda mais as chagas desse conflito.

Embora seja verdade que os embargos americanos visam dificultar a produção de chips avançados pela China, o país respondeu anunciando planos para construir quatro novas instalações, efetivamente triplicando sua capacidade de fabricação.

O objetivo geral dos Estados Unidos é impedir que a China seja capaz de produzir circuitos integrados no curto e médio prazo, devido à imensa importância desses produtos na área militar e de inteligência artificial. Além disso, não podemos nos esquecer de que chips baseados em tecnologias de integração desatualizadas têm papéis vitais em automóveis, eletrodomésticos e dispositivos cotidianos.

A China não está enfrentando apenas medidas dos Estados Unidos, também os Países Baixos impuseram restrições à venda de máquinas críticas usadas na fabricação de semicondutores para o país asiático. Isso tem um peso significativo, na medida em que os Países Baixos abrigam a ASML (NASDAQ:ASML), maior fabricante mundial desse tipo de máquinas. O Japão também entrou na briga, instituindo uma proibição de exportação de semicondutores na tentativa de conter o avanço tecnológico da China.

Sem dúvida, esse conflito enviará ondas de choque para outros setores.

Curiosamente, o México se tornou uma rota valiosa para empresas dos Estados Unidos que buscam reduzir sua dependência à China por meio da produção próxima. A mais recente gigante a seguir esse caminho é a Tesla (NASDAQ:TSLA).

Anúncio de terceiros. Não é uma oferta ou recomendação do Investing.com. Leia as nossas diretrizes aqui ou remova os anúncios .

Quais ações são as mais vulneráveis nesse conflito?

Dentro deste contexto, vamos avaliar quais empresas listadas no S&P 500 têm maior risco de sofrer as consequências desta guerra tecnológica e quais poderiam até mesmo aproveitar dela.

Muitos acreditam que a Apple (NASDAQ:AAPL) seria a mais afetada, mas na realidade isso não é o caso, já que suas receitas provenientes da China representam apenas 18,8% do total, uma porcentagem muito menor em comparação com outras empresas de tecnologia, especialmente aquelas do setor de semicondutores.

A seguir, está a lista de empresas listadas no S&P 500 que possuem maior exposição à China, juntamente com a porcentagem de seus resultados advindos do gigante asiático:

  • Qualcomm (NASDAQ:QCOM): 63,5%.

  • Monolithic Power (NASDAQ:MPWR) Systems: 52%

  • Texas Instruments (NASDAQ:TXN): 49%

  • NXP Semiconductors (NASDAQ:NXPI)

  • Broadcom: 35%

  • Viatris (NASDAQ:VTRS): 33%

  • Albemarle (NYSE:ALB): 33%

  • Corning (NYSE:GLW): 30%

E quem poderia sair ganhando nessa história?

Por outro lado, a Intel Corporation (NASDAQ:INTC) surge como uma empresa pode acabar se beneficiando dessa guerra tecnológica no longo prazo, à medida que fortalece seu compromisso de estabelecer uma presença mais robusta em instalações de fabricação de chips nos Estados Unidos, com expansões em andamento.

Intel

A INTC divulgará resultados trimestrais em 26 de outubro. Nos últimos 12 meses, suas ações subiram aproximadamente 30%, e nos últimos 3 meses, registraram um aumento de 5,85%.

***

Aviso: o autor não possui posições em nenhum dos instrumentos mencionados neste artigo.

Últimos comentários

quem será o primeiro a lançar a Skynet?
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.