Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Mercado tem IPCA hoje e Fed amanhã

Publicado 11.06.2024, 09:04
USD/BRL
-
BVSP
-
DCIOU4
-

O Ibovespa não alcançou o fundo do poço. Ainda. A esperança é de que o fim da queda da bolsa brasileira esteja próximo. A depender do sinal negativo vindo de Nova York e do tombo do minério de ferro, não será hoje. Ontem, o índice acionário ficou de lado ontem, mas seguiu em território negativo. No ano, as perdas são de 10%.

Já o dólar renovou o maior nível em um ano e meio, indo além de R$ 5,35. Enquanto isso, os títulos públicos cravaram taxas históricas. O papel atrelado à inflação com vencimento em cinco anos, o IPCA 2029, ofereceu 6,32% de retorno real pela primeira vez, sendo o mais atrativo na modalidade. Nos prefixados, o Tesouro Selic 2031 pagou o recorde de 12,19%.

A prova dos noves - ou do pudim - será tirada hoje, dia de divulgação do IPCA. Afinal, qualquer sobremesa pode ser bonita ou feia, mas só se sabe provando se está saborosa. A ver então se o resultado oficial (9h) do índice de preços ao consumidor brasileiro em maio condiz com a previsão trazida no Boletim Focus de taxas de inflação e de juros maiores nos próximos anos. Aliás, semana após semana o mercado financeiro está cada vez mais pessimista.

IPCA: presente e futuro

Por isso, o IPCA de maio é tão aguardado. A previsão é de aceleração na leitura mensal, passando de +0,38% para +0,42%, com a taxa acumulada em 12 meses indo a 3,9%, de 3,7% no período anterior. Os alimentos devem ter ficado mais “salgados”, refletindo o impacto da tragédia do Sul nos preços, enquanto a inflação de serviços segue elevada.

Seja como for, o que desagrada o mercado doméstico não é a inflação corrente, mas as expectativas inflacionárias. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, voltou a afirmar ontem que o processo de desinflação no Brasil em direção à meta segue em curso. Porém, há um desalinhamento das previsões quando se olha para frente.

Ou seja, ou os números da inflação começam a mostrar uma estagnação no processo de queda - e até mesmo um repique - ou será preciso haver uma “reancoragem” das expectativas. Do jeito que está, a conta não fecha. Como já dito, o IPCA e o IPCA+ estão fora da ordem.

IPCA abre caminho para Fed

Mas a agenda desta terça-feira (11) serve apenas de aquecimento para o destaque da semana, amanhã. A depender da previsão do Federal Reserve para o total de cortes na taxa de juros dos Estados Unidos ainda em 2024, os investidores devem ajustar suas expectativas - inclusive para a inflação e a Selic no Brasil.

Vale lembrar que no começo do ano, quando os mais otimistas previam até sete cortes por parte do Fed (com o primeiro em março), o mercado aqui defendia um dígito para o juro básico e falava em dólar abaixo de R$ 5. Assim, não é a aversão ao risco Brasil que piorou, é a inação do Fed até agora que provoca ajustes contínuos, afetando mais os emergentes.

Apesar do que se ventila por aí, o pânico fiscal é exagerado. Em algum momento, essas expectativas mais pessimistas vão bater de frente com a realidade de juros mais baixos nos EUA - e não serão poucos os que irão dizer que era melhor o BC ter cortado mais a Selic. Aliás, serão os mesmos que hoje dizem não haver mais espaço para novos cortes.

Publicação Original

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.