Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Petróleo avança e retorna acima de US$ 100 com relaxamento de lockdown na China

Commodities 12.04.2022 13:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Por Peter Nurse

Investing.com -- Os preços do petróleo se recuperaram com força na terça-feira, após o relaxamento das restrições na China de contenção da Covid ter aliviado as preocupações com a demanda, enquanto a OPEP alertou sobre a dificuldade em substituir o petróleo russo.

Às 13h02, os contratos futuros do petróleo WTI, negociado em Nova York e referência de preços para os EUA, eram negociados com alta de 7,18% a US$ 101,03 por barril, enquanto o contrato do Brent, cotado em Londres e referência mundial de preço, subia 6,84%, para US$ 105,25 por barril. As duas referências de preço caíram cerca de 4% na segunda-feira, após terem registrado, na semana passada, a segunda semana consecutiva de perdas.

Os futuros da gasolina RBOB dos EUA apresentavam avanço de 5,22%, a US$ 3,16 por galão.

A abordagem da China de tolerância zero contra a Covid-19 despertou receios quanto ao impacto sobre a demanda vindo do maior importador mundial de petróleo bruto, já que Xangai, seu centro financeiro, enfrentava o pior surto do país desde o surgimento do coronavírus no final de 2019, impondo um lockdown a toda a sua população de 25 milhões de habitantes.

No início da terça-feira, a OPEP reduziu as suas previsões para o crescimento da demanda mundial por petróleo em 2022 em seu relatório mensal, afirmando que a procura mundial aumentaria em 3,67 milhões de barris por dia no ano, menos que os 4,15 milhões de barris da sua previsão anterior.

No entanto, as notícias de que a importante região chinesa começou a relaxar as restrições sobre o deslocamento para alguns residentes estimularam o mercado.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo alertou que as perdas de fontes russas devido a sanções poderiam ser de sete milhões de barris por dia, acrescentando que o volume será "impossível" de substituir.

Esta situação surge na sequência de uma reunião entre oficiais da OPEP e da União Europeia (UE), sendo que o bloco europeu está discutindo atualmente a possibilidade de um embargo ao petróleo da Rússia após sua invasão da Ucrânia e as subsequentes alegações de atrocidades cometidas pelas tropas russas contra civis ucranianos.

"Uma escalada poderia levar a UE a banir o petróleo russo, o que tem o potencial de restringir consideravelmente o mercado", afirmaram os analistas do ING, em relatório. "Existem relatos não confirmados sobre o uso de armas químicas em Mariupol. Se isso for confirmado, só pressionaria ainda mais a UE para que mirasse nas importações de petróleo da Rússia".

Mesmo após o anúncio dos mais recentes dados de preços ao consumidor dos EUA, que subiram 1,2% em março, o maior avanço mensal desde setembro de 2005, não impediram a escalada de preços da commodity.

Os novos dados de inflação nos EUA praticamente cimentou um aumento de 50 pontos base nas taxas juros por parte do Federal Reserve no mês que vem, dando sustentação ao dólar.

As duas referências de preços do petróleo registraram sua segunda semana de queda na semana passada, pressionadas pela notícia de que os países membros da Agência Internacional de Energia concordaram em liberar 60 milhões de barris de petróleo de suas reservas de emergência, expandindo a liberação de 180 milhões de barris anunciada pelos EUA em março.

A OPEP atualizará suas previsões para a oferta e a demanda globais em seu relatório mensal e os EUA irão divulgar sua Perspectiva de Energia para o Curto Prazo, enquanto o American Petroleum Institute irá anunciar sua estimativa semanal para os inventários de petróleo bruto dos EUA.

Petróleo avança e retorna acima de US$ 100 com relaxamento de lockdown na China
 

Artigos Relacionados

Os Futuros de Ouro caíram durante a sessão asiática
Os Futuros de Ouro caíram durante a sessão asiática Por Investing.com - 30.06.2022

Investing.com - Os Futuros de Ouro caíram durante a sessão asiática na quinta-feira.Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros de Ouro em Agosto foram negociados...

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (4)
João Gabriel
JoãoGabriel 19.04.2022 14:15
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Bidem enganou todo mundo dizendo que venderia reservas de petróleo, mas o que se percebe é que simplesmente gerou volatilidade permitindo que as grandes multinacionais recolocassem parte de seus estoques já muito baixos. Acredito que o tiro sairá pela culatra, petróleo vendido é petróleo consumido "queimado", a reposição vai sair caro. A ação na minha visão não foi muito inteligente, principalmente se considerarmos que já já a China sai do confinamento.e consumo retoma a rota de crescimento. Se a Rússia fechar a torneirinha as cotações esplodem.
roberto gadioli
roberto gadioli 12.04.2022 15:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
enfim: esse "ICMS" chamado petróleo deixou o d0id0 do b0z0 é perdidinho perdidinho dac"silva. #governoDeM.E.R.D.A
Nilton Silva Juninho
Nilton Silva Juninho 12.04.2022 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ou seja vai ter menos petróleo no mercado o que tende a gerar um aumento de preços devido a escassez.
Nilton Silva Juninho
Nilton Silva Juninho 12.04.2022 14:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ou seja vai ter menos petróleo no mercado o que tende a gerar um aumento de preços devido a escassez.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail