Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Últimas Notícias

Taxas do Tesouro Direto disparam com perspectiva de rompimento do teto de gastos

Petróleo e Ouro – Resumo e a agenda do mercado de commodities para a semana

Commodities01.09.2019 14:19
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Por Barani Krishnan

Investing.com - O petróleo vai devagar para os touros. Ou melhor, para os ursos.

Abrindo a semana com queda 1%, os futuros do petróleo bruto entraram em fenômeno não visto ultimamente - três dias seguidos de ganhos de cerca de 2% ou mais. Então, com o fim de semana chegando, o mercado se comportou mais como nos últimos tempos - caindo quase 3%. O resultado final: um ganho de quase 2% na semana e uma queda de 6% no mês, o pior desempenho mensal desde maio.

A volatilidade chegou para ficar no petróleo. E pode piorar à medida que os preços mudam de direção com indicadores surpreendentemente contrastantes que incluem volumes de estoque bruto épicos que sugerem melhoras nas relações EUA-China e a admissão da Rússia de que estava trapaceando e não cumprindo as metas de cortes da Opep+. Acrescente a isso um petroleiro iraniano em fuga com 2 milhões de barris e constantemente manipulando suas informações de rastreamento para enganar o governo Trump, e a história do petróleo vai de trágica para cômica.

Mas voltando às oscilações do mercado. Embora essas variações que estão provocando novas ondas no Índice de Volatilidade do Petróleo Bruto da CBOE possam ser ótimas para o chamado vol-player, elas também podem esmagar o investidor do dia movendo-se com agilidade e pequenas margens. Daí a necessidade de cautela, independentemente da posição.

E o petróleo poderá sofrer reviravoltas mais rápidas nesta semana curta, que começa com o feriado nos EUA na segunda-feira - o Dia do Trabalho - que marca oficialmente o fim do período de pico do verão no país e termina com a divulgação do números de empregos para agosto nos EUA na sexta-feira, o Payroll.

Mas pode ser uma história diferente para ouro, que vive de más notícias. E há muito espaço para notícias decepcionantes pela frente, desde a guerra comercial em andamento até o potencial para dados sombrios sobre a indústria ou vendas no varejo na Europa. Isso ainda não levando em conta as novas as tarifas americanas sobre os produtos chineses que entram em vigor a partir de hoje: 1º de setembro: 91,6% do vestuário, 68,4% dos têxteis para o lar e 52,5% das importações de calçados serão atingidas com a tarifa de 15%.

Para o registro, o ouro subiu para uma nova máxima de seis anos nesta semana, embora tenha caído em três sessões consecutivas.

Resumo de energia

O ministro do petróleo da Rússia, Alexander Novak, admitiu na sexta-feira que os cortes na produção de Moscou não cumprirão o que foi prometido à Organização dos Países Exportadores de Petróleo, lançando uma bomba que praticamente destruiu o rali desta semana em petróleo.

Até a revelação da Novak, tanto o petróleo bruto negociado em Nova York West Texas Intermediate como o Brent, a referência global para petróleo fora dos EUA, vinham tendo um impressionante ganho diário de cerca de 2 % ou mais, ajudado por enormes 10 milhões de barris e mais uma retirada semanal de petróleo bruto americano e a ideia que o sentimento comercial EUA-China pode estar mudando para melhor.

Para piorar, a admissão russa de culpa ocorreu quando uma pesquisa da Reuters mostrou que a produção de petróleo da Opep aumentou em agosto pela primeira vez em 2019. Essa pesquisa, no entanto, citou apenas uma oferta mais alta do Iraque e da Nigéria, uma vez que a Rússia continua sendo um mero aliado da Opep, não membro. O cartel aumentou 29,61 milhões de barris por dia este mês, um aumento de 80 mil barris por dia em relação a julho, segundo a pesquisa.

Com o feriado do Dia do Trabalho de segunda-feira, o tão aguardado pico da demanda de verão para o petróleo chegará ao fim, abrindo o caminho para reduções semanais menores nos estoques de petróleo bruto enquanto o nova estação acena. A questão, porém, é a rapidez com que essa transição ocorrerá. Enquanto os ursos de petróleo esperam que os volumes praticamente caíam do penhasco a partir da primeira semana de setembro, dados históricos sugerem que a forte demanda pode se sustentar por mais algumas semanas, pelo menos.

No ano passado, durante a penúltima semana de agosto, a Administração de Informação de Energia dos EUA relatou um rebaixamento bruto de 5,8 milhões de barris. Nas quatro semanas seguintes, os estoques de petróleo bruto continuaram vendo declínios, perdendo 14,2 milhões de barris acumulados.

Em 2017, os contratos de petróleo bruto cessaram abruptamente na última semana de agosto, antes de três semanas seguidas de construções que adicionaram quase 15 milhões de barris aos estoques. Mas quase tudo isso foi resolvido nas quatro semanas sucessivas, quando os estoques caíram sem pausa.

A ressalva dessa tendência desta vez é, obviamente, a inflexível produção de petróleo bruto. De acordo com o EIA, a produção bruta atingiu outro recorde de 12,5 milhões de barris por dia na semana passada. Mas as exportações de petróleo dos EUa também têm sido fortes por meses seguidos, permanecendo frequentemente acima de 2,5 milhões de bpd e atingindo 3,0 milhões na semana passada. E o petróleo bruto também está sendo testado como substituto do petróleo iraniano na Coreia do Sul, informou a Reuters nesta semana.

O WTI aumentou 21% no ano. Mas no acordo de sexta-feira de US$ 55,10 por barril, também caiu cerca de 20% em relação ao pico de abril de US$ 66,60.

Na reta final, a demanda por petróleo será medida contra os medos da recessão global e a guerra comercial, que se intensificará com as tarifas em 1º de setembro. Se nada mudar, os medos da desaceleração venceram até agora.

Calendário de energia para a semana que vem

Segunda-feira, 2 de setembro

Feriado do Dia do Trabalho

Terça-feira, 3 de setembro

Estoques de petróleo bruto da Genscape Cushing (dados privados)

Quarta-feira, 4 de setembro

O Instituto Americano de Petróleo deverá publicar seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Quinta-feira, 5 de setembro

Relatório semanal do EIA sobre os estoques de petróleo.

Relatório semanal de gás natural da EIA

Sexta-feira, 6 de setembro

Dados semanais da Baker Hughes sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.

Resumo de Metais Preciosos

Os futuros de ouro subiam 6,4% em agosto. Embora isso tenha ficado aquém do salto de 7,8% de junho, é um fechamento incrível, no entanto, por longos períodos no metal precioso que os EUA e a China intensificou sua guerra tarifária ao longo de agosto. Somente na semana final as retaliações e retóricas de ambos os lados diminuíram. As autoridades chinesas disseram na sexta-feira que os negociadores de ambos os lados estavam "mantendo uma comunicação eficaz", mesmo quando o governo Trump se preparava para acumular novas tarifas sobre as importações chinesas no domingo.

O ouro também atingiu uma máxima de seis anos em US$ 1.564,95 nesta semana e está a US$ 350 em atingir um novo recorde, o pico de US$ 1.911,60 em 2011. Embora não haja certeza de que atingirá uma alta histórica antes do final do ano, a guerra comercial e uma série de outras tensões, principalmente o conflito EUA-Irã, mantêm vivas as esperanças dos investidores do ouro por um grande ano de 2019. O metal amarelo subiu 16,5% desde janeiro.

Enquanto isso, os mercados continuam a apostar em um corte adicional de 25 pontos base nas taxas na próxima decisão política do Federal Reserve, prevista para 17 e 18 de setembro. As taxas de juros mais baixas tendem a apoiar o ouro, reduzindo o rendimento dos títulos, que competem pelo capital de investidores avessos ao risco.

O presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, o presidente do Fed de Nova York John Williams e o presidente do Fed de Chicago Evans falam em eventos na quarta-feira que podem lançar luz sobre a direção do banco central para as taxas.

Calendário de metais preciosos da semana que vem

Segunda-feira, 2 de setembro

Feriado do Dia do Trabalhador nos EUA

PMIs Industrial da Zona do Euro (agosto)

PPI da zona euro (julho)

Terça-feira, 3 de setembro

PMI Industrial nos EUA (agosto)

Quarta-feira, 4 de setembro

Membro do FOMC Rosengren faz discurso

Índice Markit Composite da zona do euro

Vendas do varejo na zona euro

Balança Comercial dos EUA (julho)

Membro do FOMC Williams faz discurso

Membro do FOMC Kashkari fala

Presidente do Fed de Chicago, Evans faz discurso

Quinta-feira, 5 de setembro

Média de solicitações de seguro-desemprego de 4 semanas

ISM PMI não industrial dos EUA (agosto)

Pedidos de bens duráveis dos EUA (mensal)

Pedidos de mercadorias de fábrica nos EUA (julho)

Sexta-feira, 6 de setembro

Folhas de pagamento não agrícolas dos EUA (agosto)

Global de Emprego na Zona Euro (2T)

Petróleo e Ouro – Resumo e a agenda do mercado de commodities para a semana
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (4)
Ronaldo Cajares
Ronaldo Cajares 02.09.2019 6:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
De fato, os dados e a credibilidade já abaladas da OPEP ficaram ainda mais expostos e quase ou disfuncionais se apresentam para quantificar a crise ou desaceleração internacional. Isso, por conta da trapaça Russa. É bom identificar isso, pois é um indicador impreciso. O Irã já dificultava o rastreio do produto. Entretanto, o mesmo ser feito por um membro de carteira da OPEP? Óbvio que o preço do petróleo não é tudo para determinar o grau da crise internacional. Dito isso, há outros e diversos indicadores de comércio, produção industrial, vendas, PIB e outros. É bom que isso ocorra pois para o teatro do G7 e G20 faltava a OPEP. Não me admira se outros teatros montados para camuflar dados reais da crise aparecerem. Olho vivo nas notícias e no mercado.
Magno Azevedo
Magno Azevedo 01.09.2019 22:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
ótimo relatório.
Deyvide Ferreira
Deyvide Ferreira 01.09.2019 18:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
pares de moedas
Deyvide Ferreira
Deyvide Ferreira 01.09.2019 18:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
pares de moedas
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail