Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

CNseg: Indenizações no RS podem mais do que dobrar nas próximas semanas

Publicado 07.06.2024, 16:15
Atualizado 07.06.2024, 19:40
© Reuters CNseg: Indenizações no RS podem mais do que dobrar nas próximas semanas

As indenizações às perdas causadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul, já estimadas em R$ 1,6 bilhão, devem, rapidamente, mais do que dobrar, disse hoje o presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), Dyogo Oliveira.

Pelo último levantamento da associação, apresentado há duas semanas, o total de sinistros reportados já passou de 23 mil. Oliveira salientou, no entanto, que este é um balanço preliminar. "Ao longo das próximas semanas, este número deve crescer consideravelmente", disse o presidente da CNseg, lembrando que grandes indústrias foram atingidas pelas inundações.

Questionado, durante painel no fórum organizado pela Esfera no Guarujá, sobre quanto o valor dessas indenizações deve subir, Oliveira estimou que pode mais do que dobrar.

Ex-ministro do Planejamento e também ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Oliveira lembrou da tragédia climática no Rio Grande do Sul ao defender mais uma vez o seguro social de catástrofes. A proposta prevê indenização emergencial de R$ 15 mil por moradia destruída.

Para o setor de seguros, frisou, a transformação climática já aconteceu. Só últimos quatro anos, lembrou Oliveira, "tivemos duas secas e duas enchentes. Temos é que olhar para o futuro e pressionar para a redução das emissões e do consumo energético".

"Temos que olhar e aprender com o Japão. Eles têm um tsunami a cada 100 anos, mas se preparam todo ano para um evento que acontece a cada 100 anos. No Brasil temos enchentes todos os anos e não nos preparamos", criticou o presidente da CNseg.

Outro ponto destacado por Oliveira é o da resiliência - ou seja, a adaptação do País, como infraestrutura mais resistente, a eventos climáticos. "Temos que nos adaptar a essa nova realidade. Precisamos prevenir, cuidar das encostas, drenagem nas cidades e buscar mais resiliência, construir mais casas e edifícios resistentes", Oliveira.

De acordo com ele, o brasileiro não tem cultura de fazer seguros a suas casas, o que explica por que as indenizações no Rio Grande do Sul são muito menores do que os prejuízos que a população teve com as chuvas. Mas Oliveira reconhece que o setor de seguros precisa avançar muito ainda a questão de coberturas de infraestruturas.

"Temos que ter seguro de infraestrutura, ampliação de seguro residencial e empresarial. Empresas não contratam coberturas para esses eventos extremos", observou.

No painel do fórum que tratou das mudanças climáticas, o vice-presidente executivo de finanças e relações com investidores da Vale (BVMF:VALE3), Gustavo Pimenta, avaliou que o Brasil tem uma oportunidade única de promover a transição verde, levando em conta a matriz energética, já em maior parte renovável, e o solo rico em minerais "fundamentais" para as tecnologias que vão permitir a substituição dos combustíveis fósseis.

Conforme o executivo, os metais de transição se tornaram o grande foco da Vale - entre eles, o níquel, um dos metais usados nas baterias de carros elétricos. "Somos grandes produtores de níquel, que é fundamental para a transição energética", afirmou.

*os repórteres viajaram a convite da Esfera

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.