Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Despesas caem, mas risco fiscal se mantém

Economia16.09.2021 17:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Despesas caem, mas risco fiscal se mantém

A incerteza fiscal está no centro da deterioração das condições do mercado e alimentou o corte das previsões de alta do Produto Interno Bruto (PIB). No entanto, na contramão desse círculo negativo, os indicadores das contas públicas mostram uma redução das principais despesas obrigatórias nos últimos três anos, como pessoal, Previdência e subsídios.

Enquanto as previsões do Ministério da Economia mostram que o governo vai entregar uma despesa menor do que encontrou - 17,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, em comparação a 19,3% em 2018 -, o quadro atual é de alta dos juros futuros com falta de credibilidade por causa da trajetória das contas públicas e do medo do populismo no ano eleitoral.

Essa contradição do quadro recente da economia brasileira tem chamado a atenção de economistas. O maior problema, reconhecido até mesmo por integrantes da equipe econômica, é que o governo não está conseguindo coordenar as expectativas e tirar proveito dessa redução dos gastos obrigatórios, que incluem pagamento de salários e benefícios previdenciários.

Um ponto de consenso é que governo e Congresso não podem perder mais tempo e precisam resolver o quanto antes os dois principais problemas: o novo Bolsa Família e o pagamento de precatórios, dívidas que a União é obrigada a quitar depois de derrotas na Justiça.

Segundo apurou o Estadão, a costura política está sendo feita para aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O grupo político prefere apoiar a proposta do vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), que retira os precatórios do teto de gastos, a regra que impede que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação. Ramos se reuniu ontem à noite com o secretário especial de Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, para tratar o assunto.

Já o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer um acordo para uma PEC que contenha a solução "Fux-Dantas". Essa proposta estava sendo construída pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, e pelo ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU). Cria uma espécie de subteto para o pagamento dessas despesas. Ontem, Guedes fez um "pedido desesperado de socorro" a Fux, que brincou que o "filho" não era dele.

É preciso que a PEC seja aprovada até o final de outubro para o governo enviar uma mensagem modificativa do projeto de lei do Orçamento, quando se espera definir os recursos para reforço do Bolsa Família, com benefício de R$ 300. Para isso, negocia-se uma tramitação mais rápida da PEC.

Para o coordenador do Observatório Fiscal da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Manoel Pires, há muitas perguntas sem resposta e o receio de a economia passar por um período de estagflação, combinação perversa de crescimento pequeno e alta de preços. "As forças políticas precisam achar uma forma de equacionar", diz ele, que aponta as emendas parlamentares, outro ponto a ser resolvido para diminuir a incerteza.

"O governo se comunica muito mal. Tem coisa boa, sim, mas o que tem de bom é retrovisor, é passado. E o que preocupa mais é o futuro", afirma o economista-chefe e sócio da RPS Capital, Gabriel Leal de Barros. Segundo ele, o preço mais favorável das commodities (produtos básicos, como alimentos, minério de ferro e petróleo) e o aumento das receitas ajudaram o governo a melhorar o quadro da dívida e do rombo nas contas. "Mas o governo não soube capitalizar os pequenos ganhos que teve", diz.

'Moratória seletiva'

Segundo Tiago Pessoa, responsável pelas mesas de operações do Morgan Stanley (NYSE:MS) para América Latina, os precatórios estão gerando uma grande insegurança no mercado. "O Guedes falou num evento, e ele está certo, que esse barulho político deixa a curva de juros mais alta, mas muito desse barulho vem do próprio governo."

Segundo Pessoa, insistir nesse modelo de parcelamento dessa dívida, que vai ser mais cara do que pagar, abre o precedente para governos futuros criarem essa moratória seletiva de outras despesas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Despesas caem, mas risco fiscal se mantém
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail