Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

Entrada de capital estrangeiro pode melhorar ao longo do ano, segundo especialista

Publicado 29.02.2024, 19:14
Atualizado 29.02.2024, 19:14
© Reuters

Investing.com – Apesar da saída de capital estrangeiro da bolsa brasileira neste ano, as perspectivas podem se inverter nos próximos meses com uma tendência de entrada natural de capital estrangeiro aos mercados emergentes em momentos de cortes de juros nos Estados Unidos, o que abriria oportunidades para o Brasil, que se destacaria frente aos pares, envolvidos em conflitos.

De acordo com dados da B3 (BVMF:B3SA3), até o dia 23 de fevereiro, o saldo líquido dos investimentos estrangeiros na bolsa de valores brasileira é negativo em R$ 18,2 bilhões. Com essa movimentação, o montante reverte cerca de um terço de toda a entrada líquida registrada no ano passado.

Os ajustes nas projeções sobre o início dos cortes nas taxas de juros de países desenvolvidos levaram investidores a procurar mercados de maior segurança. No entanto, para André Colares, CEO da Smart House Investments, com o início da flexibilização monetária nos EUA e Europa, grandes fundos devem começar a olhar com mais atenção para o mercado brasileiro devido ao seu valuation descontado.

Confira abaixo trechos da conversa:

Investing.com – Quais os principais fatores que podem impulsionar a bolsa nesse ano? Teriam um alvo estimado para o Ibovespa?

André Colares – Quando analisamos o preço sobre o lucro ou outras métricas financeiras, a bolsa ainda está barata na média histórica. É claro que pode continuar barata, depende de alguns fatores que podem acontecer. Um dos fatores que são intrinsecamente ligados ao Brasil é a queda de juros projetada para os próximos meses. Diminuindo, melhora o cálculo para definir o valuation de ação, trazendo a valor presente.

Outro fator estrutural brasileiro é a situação fiscal. Caso nosso governo sinalize nos próximos meses ou nesse ano que terá responsabilidade fiscal, diminuindo o déficit primário, a tendência é de apreciação da bolsa. Um fiscal mais descontrolado quer dizer inflação futura e juros maiores. Como os investidores, muitas vezes, tomam decisões ao analisar o fundamento de agora pra frente, esse fator deve ser levado em conta.

No cenário externo, quando há uma perspectiva de risco, os grandes fundos compram mais as ações americanas, que são em tese mais seguras. Guerras nos últimos anos e instabilidades de preços de commodities fazem com que o capital busque mais segurança, para mercados desenvolvidos, principalmente os Estados Unidos. O recurso sai um pouco dos países emergentes, que possuem mais potencial de ganho, mas também maior risco associado. Então, se o externo estiver mais controlado, com menos risco, isso corrobora com o aumento da bolsa.

Se houver algum desalinhamento geopolítico, escalada de tensões, se os juros nos mercados americanos e europeus não tenderem a uma queda, podemos ter maior pressão local na bolsa. Mas, considerando essa conjuntura, avalio que temos uma leve tendência de apreciação da bolsa porque, olhando os fundamentos históricos, a bolsa ainda está bem barata.

Acho que é difícil cravar um alvo quando se tem tantos fatores que podem se modificar. Tivemos nos últimos anos antes da pandemia questões da bolsa mais ligadas ao mercado interno. Com a pandemia e pós-pandemia, houve muita oscilação de acordo com o mercado externo, e não houve muito o que fazer. O investimento em bolsa é importante, mas a gente tem que ser bem cauteloso para ser uma parte só do portfólio, pois existem riscos.

Inv.com – Como estão avaliando nesse começo o fluxo dos investidores internacionais, acha que essa procura pode aumentar ao longo do ano? Por quais motivos?

Colares – Eu acho que o Brasil ele está, de certa maneira, ganhando de W.O. porque os grandes fundos tendem a sempre investir uma parte pequena do capital em países emergentes. Nos países emergentes, temos a Rússia, bloqueada para investimentos devido à guerra.

A China teve uma escalada muito grande de tensão nos últimos tempos com os Estados Unidos e com outros países. A China também está com alguns problemas estruturais que apareceram no setor imobiliário, um esgotamento do modelo econômico chinês e, assim, o capital também está saindo de lá. Como tem a Rússia está em uma situação muito complicada e a China também, avalio que o Brasil é o destino natural de uma parte importante desses recursos, então o país tende a ganhar com isso.

LEIA MAIS: Com derrocada do setor imobiliário, qual é a nova China?

Esse deve ser um ano em que o que o investidor volta a ter mais aptidão para o risco Brasil. Apesar de alguns problemas fiscais e burocráticos, o Brasil ainda é relativamente seguro juridicamente, temos uma estabilidade geopolítica, temos dimensões continentais, tem uma população ainda apta para o consumo. Como há outros emergentes com problemas mais graves de ordem geral e política, espero que venha um capital importante esse ano para o Brasil, mesmo que o país muitas vezes não faça seu dever de casa tão bem-feito em um ponto de vista fiscal, por exemplo.

Inv.com – Nesse cenário, quais setores que estão considerando mais atrativos e quais o investidor deveria ficar de fora?

Colares – Para apreciação, os setores mais atrativos hoje são aqueles mais sensíveis a juros, que estão extremamente esmagados pela curva de juros alta, de capital intensivo, como construtoras, varejistas, elas estão bem amassadas na bolsa, então há uma tendência de apreciação com a queda nos juros.

Porém, é preciso ser muito criterioso na alocação porque muitas estão com dívidas muito altas. Então tem um alto potencial de ganho, mas também há um risco associado, é preciso dosar bem na hora de investir.

Não acredito que existe um setor para ficar de fora. Além da questão setorial, é preciso analisar o balanço e as estratégias de empresa por empresa. Algumas devemos ficar de fora, mas não está relacionado ao setor, mas situações intrínsecas delas. Por exemplo, existem muitas empresas que fizeram IPO na última leva do período de pandemia, que eram empresas ainda muito pequenas, ainda sem geração de caixa, sem perspectiva clara de geração de caixa, eu acho que essas são para ficar de fora.

Inv.com – Poderia mencionar alguma?

Colares – As empresas de "fake tech" que abriram capital na bolsa. Eram, na tese, para ser de tecnologia, mas não são. Acho que são empresas que podemos ficar de fora.

Precisa de ajuda para navegar nos mercados? InvestingPro é para você!

Seja você busca conquistar orientações sobre investimentos ou procura por ferramentas que permitam escolher as ações corretas do Ibovespa por conta própria, o InvestingPro tem algo a oferecer.

Você encontrará estratégias de IA, indicadores exclusivos, dados financeiros históricos, notícias profissionais e muitos outros serviços para sempre manter uma vantagem nos mercados e saber quais ações comprar e quais evitar.

E os leitores de nossos artigos têm por tempo limitado um desconto de 10% nas assinaturas Pro e Pro+ de 1 e 2 anos, graças ao código promocional "INVESTIR" a ser inserido na página de pagamento.

Clique aqui para se inscrever, e não esqueça o código promocional "INVESTIR", válido para assinaturas Pro e Pro+ de 1 e 2 anos!

Últimos comentários

acabando com as importações... com apoio do agro fascista capitalista opressor exportador... a balança comercial melhora...
tá de zueira ou n tomou seus comprimidos?
tô de zoeira mesmo... nada nesse desgoverno tem perspectiva de melhora...
Infelizmente os erros do desgoverno Lula tomados durante 2023 vão começar a produzir efeito em 2024 e 2025. O cenário é desafiador.
Vai melhorar ao longo do ano, especialmente no segundo semestre. Mas quando capital estrangeiro tiver entrado mais fortemente os preços das ações estarão bem mais acima da cotação atual.
Continuarei esse mês de março com minha carteira que parece bizarra, a saber, BHIA3, QUAL3, MGLU3, LREN3 e DASA3, parece bizarra mas em fevereiro me deu +5,67% enquanto o ibovespa só deu +0,99% no mesmo período. E acredito que essa carteira ainda dará muito retorno nas próximas semanas e meses. Sucesso a todos!
Entrada de capital estrangeiro não faz preço na bolsa sobretudo nas small caps, basta ver 2021 em que tivemos recorde de investimento estrangeiro no Brasil e mesmo assim a bolsa caiu 12%  sendo a segunda pior do mundo naquele ano e o resto das ações também estavam desabando, bolsa é casa de apostas, os grandes fazem o que querem ignorando cenário macro, fundamentos etc.
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.