Garanta 40% de desconto
🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Sob Lula, bancos públicos expandem crédito mais que os privados

Publicado 13.04.2024, 20:45
Sob Lula, bancos públicos expandem crédito mais que os privados
BBAS3
-
BBDC4
-
ITUB4
-

Em uma política de fortalecimento de empresas estatais de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os grandes bancos públicos expandiram mais a carteira de crédito em 2023 na comparação com os privados.

Dos 6 principais bancos brasileiros, a Caixa (+10,6%), o Banco do Brasil (BVMF:BBAS3) (10,3%) e o BNDES (7,4%) foram os que mais aumentaram o estoque de crédito total em relação a 2022.

Dentre os privados, a ampliação dos empréstimos foi menor. O Santander (BVMF:SANB11) abriu a carteira em 5,6% e o Itaú, em 3,1%. No Bradesco (BVMF:BBDC4), houve retração de 1,6%.

O Poder360 levantou os dados nos balanços financeiros das companhias. Leia o detalhamento abaixo:

A carteira de crédito equivale ao somatório de todos os empréstimos realizados por um banco em um determinado período. Geralmente é dividida em crédito empresarial e pessoal.

Em termos nominais, o Itaú contou com o maior estoque de dinheiro para empréstimos em 2023. Tinha R$ 1,2 trilhão no ano. Em seguida estão a Caixa e o Banco do Brasil, ambos com R$ 1,1 trilhão cada um.

Ao somar os saldos das instituições, percebe-se que as estatais foram responsáveis por emprestar mais dinheiro ao longo do ano:

  • BNDES, BB e Caixa – concentraram R$ 2,7 trilhões (+ 9,9% em relação ao somatório do ano anterior);
  • Bradesco, Itaú e Santander – R$ 2,6 trilhões (+2,9%).

Os bancos privados seguraram as pontas em 2023 diante de um cenário de juros mais elevados. Já os públicos decidiram expandir o crédito.

A Selic (taxa básica de juros) ficou a 13,75% ao ano de janeiro a agosto de 2023. Ou seja, passou 8 meses nesse patamar alto. Depois disso, caiu gradualmente a partir de cortes de 0,5 ponto percentual pelo Banco Central. Atualmente, está em 10,75% ao ano.

As instituições privadas foram pelo caminho oposto. Retraíram os empréstimos inclusive ao observar problemas setoriais, como no caso do varejo, exemplificado pelo rombo de R$ 40 bilhões apresentado pela Americanas (BVMF:AMER3).

LUCRO

Dos 3 bancos privados analisados, só 1 apresentou expansão anual no lucro líquido recorrente. O Itaú tinha registrado R$ 30,8 bilhões em 2022 e terminou 2023 com R$ 35,6 bilhões. O aumento foi de 15,7%.

Bradesco (-21,2%) e Santander (-27,3%) tiveram encolhimento anual dos resultados. Eis os dados abaixo:

Na contramão, a maioria dos bancos públicos tiveram aumento no lucro ao fim de 2023. A exceção foi o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), com retração de 4,8%.

Mesmo com a expansão, as 3 instituições do Estado juntas tiveram um resultado nominal menor que as privadas:

  • BNDES, BB e Caixa – lucro líquido de R$ 58,1 bilhões (+8,4% em relação ao somatório do ano anterior);
  • Bradesco, Itaú e Santander – R$ 61,3 bilhões (- 14,1%).

INADIMPLÊNCIA

A variação da taxa de pagamentos atrasados acima de 90 dias se comportou de forma similar entre os bancos públicos e privados.

O índice só caiu para o Itaú e para o BNDES, cerca de 0,1 ponto percentual em ambos os casos. Leia abaixo:

O Bradesco teve a taxa mais elevada (5,1%) para os bancões e o maior aumento (0,8 p.p.) em 1 ano.

O BNDES, além de ter queda no indicador, apresentou a menor porcentagem nominal de inadimplência, de 0,01%. O estatal banco de fomento tem historicamente o índice abaixo de 1,0%.

Leia mais em Poder360

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.