Junte-se a +750 mil investidores que copiaram as ações das carteiras dos bilionáriosAssine grátis

Hamas diz que aceita plano de trégua em Gaza apoiado pela ONU, EUA citam "sinal de esperança"

Publicado 11.06.2024, 07:53
Atualizado 11.06.2024, 07:55
© Reuters. Antony Blinken em Tel Avivn 11/6/2024    JACK GUEZ/Pool via REUTERS
TEL/USD
-

Por Daphne Psaledakis e Nidal al-Mughrabi

TEL AVIV/CAIRO (Reuters) - O Hamas aceita uma resolução da ONU que apoia um plano para acabar com a guerra com Israel em Gaza e está pronto para negociar detalhes, disse uma autoridade de alto escalão do grupo militante palestino na terça-feira, no que o secretário de Estado norte-americano chamou de "um sinal de esperança".

As conversas sobre os planos para Gaza após o fim da guerra entre Israel e Hamas continuarão na tarde de terça-feira e nos próximos dias, disse o secretário de Estado Antony Blinken em Tel Aviv, após conversas com líderes israelenses. "É imperativo que tenhamos esses planos".

Blinken se reuniu com autoridades israelenses nesta terça-feira em um esforço para acabar com a guerra aérea e terrestre israelense de oito meses contra o Hamas que devastou Gaza, um dia depois que a proposta de trégua do presidente norte-americano, Joe Biden, foi aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU.

Antes da viagem de Blinken, Israel e o Hamas repetiram as posições linha-dura que minaram a mediação anterior para pôr fim aos combates, enquanto Israel continuou com os ataques no centro e no sul de Gaza, entre os mais sangrentos da guerra.

Nesta terça-feira, no entanto, o representante sênior do Hamas Sami Abu Zuhri, que está baseado fora de Gaza, disse que o grupo aceitou a resolução do cessar-fogo e estava pronto para negociar os detalhes. Cabe a Washington garantir que Israel cumpra a resolução, acrescentou.

Ele disse que o Hamas aceitou a fórmula que estipula a retirada das tropas israelenses de Gaza e a troca de reféns mantidos em Gaza por prisioneiros palestinos presos em Israel.

"O governo dos EUA está enfrentando um teste real para cumprir seus compromissos de obrigar a ocupação a encerrar imediatamente a guerra, implementando a resolução do Conselho de Segurança da ONU", disse Abu Zuhri à Reuters.

Blinken afirmou que a declaração do Hamas foi "um sinal de esperança", mas que ainda era necessária uma palavra definitiva da liderança do Hamas dentro da Faixa de Gaza sitiada por Israel. "Isso é o que conta, e é o que ainda não temos".

A guerra começou quando militantes palestinos liderados pelo Hamas invadiram o sul de Israel a partir de Gaza em 7 de outubro, matando mais de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, de acordo com os registros israelenses.

A blitz aérea e terrestre de retaliação de Israel em Gaza matou mais de 37.000 palestinos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, e reduziu a maior parte do estreito enclave costeiro a ruínas, com desnutrição generalizada.

A proposta de Biden prevê um cessar-fogo e a libertação de reféns em troca de palestinos presos em Israel em etapas, o que acabará levando a um fim permanente da guerra.

Israel disse que concordará apenas com pausas temporárias na guerra até que o Hamas seja derrotado, enquanto o Hamas rebateu que não aceitará um acordo que não garanta o fim da guerra.

Blinken, falando aos repórteres antes de partir para a vizinha Jordânia, também disse que suas conversas estavam abordando os planos para Gaza no dia seguinte, incluindo segurança, governança e reconstrução do enclave densamente povoado.

"Estamos fazendo isso em consulta com muitos parceiros em toda a região. Essas conversas continuarão... é imperativo que tenhamos esses planos", declarou ele.

Na Faixa de Gaza, nesta terça-feira, os palestinos reagiram com cautela à votação do Conselho de Segurança, temendo que ela pudesse ser mais uma iniciativa de cessar-fogo que se mostraria infrutífera.

© Reuters. Antony Blinken em Tel Aviv
 11/6/2024    JACK GUEZ/Pool via REUTERS

"Só acreditaremos quando virmos", disse Shaban Abdel-Raouf, 47 anos, com uma família deslocada de cinco pessoas que se abriga na cidade central de Deir Al-Balah, um alvo frequente do poder de fogo israelense.

"Quando eles nos disserem para empacotar nossos pertences e nos prepararmos para voltar à Cidade de Gaza, saberemos que é verdade", afirmou ele à Reuters por meio de um aplicativo de mensagem.

(Reportagem de Daphne Psaledakis em Tel Aviv e Nidal al-Mughrabi no Cairo)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.