Garanta 40% de desconto
🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Boi gordo: fome de negócio da China

Publicado 30.03.2023, 16:48
LCc1
-
BEEF3
-
BRFS3
-
JBSS3
-
MRFG3
-
BGIc1
-
LCc2
-
LCc3
-
BGIc2
-
BGIc3
-
BBOI11
-

A notícia mais esperada do mercado do boi gordo veio (até que enfim) até mesmo antes da visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à China e com habilitação de plantas frigoríficas que antes não estavam aptas (como Rondônia, Espírito Santo e Paraná).

Por que será que isso ocorreu?

A China é uma civilização milenar, com tradições e dá peso em relação aos ritos para os acordos comerciais. 

Para explicar esse questionamento temos que dar um passo atrás. Que o caso do mal da vaca  louca detectado era atípico e não representava nenhum risco para o setor já era sabido praticamente uma semana depois do ocorrido. 

O ponto é que neste momento, a China está no contrapé da política econômica da maioria dos países, principalmente quando comparado com EUA e Europa. Enquanto os americanos e europeus estão “correndo atrás” da inflação, o que impacta o ritmo da economia, a China vive uma fase de expansão. 

Expansão esta que fez o PMI industrial daquele país (índice de atividade industrial) atingir o maior patamar dos últimos 10 anos em fevereiro. Esse indicador da “temperatura” das fábricas, serviços teve uma recuperação forte no mês anterior, deixando pra trás o impacto da covid-19 após a reabertura do país. 

Em resumo, é mais dinheiro circulando naquele país, possivelmente mais pessoas empregadas e com renda disponível para o consumo. Além disto, a China tem incentivado o turismo interno, o que reforça a tese de demanda por serviços e alimentos por lá. 

Olhando para o mercado físico no Brasil

Os preços da arroba do boi gordo ganharam tração nos últimos dias. Mais frigoríficos, principalmente os exportadores, voltaram a negociar com preços na “banda de cima”. Neste sentido, tentativas de compra entre R$295,00 e R$300,0/@, em São Paulo. 

As escalas de abate que andavam tímidas, com a indústria comprando “da mão para a boca” devido a incerteza da ponta final tiveram uma mudança relevante. Com o aumento do apetite do exportador e margens relativamente atrativas, boa parte dos frigoríficos tenta compor as escalas de abate que giram ao redor do dia 14/abril. 

Recentemente, o noticiário tem veiculado que uma nova comissão brasileira deve ir para o país asiático em 11/abril. Olhando para os dados da economia chinesa e a “fome de negócio da China” da indústria brasileira diria que depois da tempestade vem a bonança. Aliás, o tumulto desse caso atípico foi tão rápido, que chamaria mais de chuvisco ou garoa.  

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.