📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Chocolate amargo: cacau acumula alta de +50% em 12 meses e pode subir mais

Publicado 06.09.2023, 10:27
SBUX
-
LCCc1
-
CC
-
  • O cacau entregou um retorno de 40% para os comprados neste ano;
  • O ganho composto para o rali de 12 meses já supera 55%;
  • O mercado parece estar sobrecomprado e pode corrigir para US$ 3000, mas não se pode descartar uma corrida de alta até US$ 3826.
  • Enquanto o mundo se preocupa com a alta dos preços do petróleo, uma das commodities mais negligenciadas em termos de valor está proporcionando aos seus investidores uma verdadeira “montanha-russa” de emoções.

    O cacau, ingrediente essencial na confecção de delícias que vão desde o chocolate até sorvetes e produtos de panificação, viveu uma alta constante no mercado futuro de Nova York no último ano.

    Na sessão de terça-feira da ICE Futures dos EUA, o contrato de uma tonelada de cacau com entrega em dezembro atingiu seu maior valor em 12 anos, chegando a US$ 3.697.

    Apenas neste ano, os investidores do produto nos EUA obtiveram um retorno de 40%. Em 12 meses, essa valorização gerou um retorno de 56%.
    Cacau semanal

    Todos os gráficos são de SKCharting.com, com dados do Investing.com

    Normalmente, o cacau tem preços mais elevados quando a demanda cresce antes das épocas festivas, quando os doces e produtos de panificação são mais procurados. Outro fator relevante para os preços é quando o mau tempo prejudica as plantações do fruto.

    Ambos os fatores estão acontecendo neste momento.

    Os especialistas atribuem a valorização do cacau no último ano a um aumento na demanda pós-covid por produtos de chocolate, especialmente na China.

    O fenômeno climático La Niña também trouxe um excesso de umidade e doenças aos cacaueiros.

    O prêmio expressivo acumulado por essa commodity pode resultar em um aumento no preço das guloseimas que tanto apreciamos. A Starbucks (NASDAQ:SBUX) aumentou os preços do seu cardápio em 5% durante um período de 12 meses, encerrado em dezembro de 2022.

    Sterling Smith, diretor de Pesquisa Agrícola da AgriSompo North America, sediada em Omaha, Nebraska, explicou ao Investing.com:

    “Temos uma combinação de fatores em jogo. A demanda internacional por cacau aumentou de forma rápida e expressiva. Muitos países que tradicionalmente não eram consumidores de cacau agora estão se tornando compradores, o que está elevando os preços. Também temos enfrentado problemas na safra.”

    Ele atribuiu em parte o aumento na demanda à nova preferência chinesa por chocolate, apesar da desaceleração aparente da segunda maior economia do mundo.

    “Podemos dizer que estamos presenciando um boom pós-pandemia no consumo de chocolate, e a China é um dos principais motores desse fenômeno”, afirmou Smith. “Os chineses não consumiam muito cacau nem mesmo no início dos anos 2000. Agora, com sua população, mesmo um pequeno aumento percentual tem um grande impacto na demanda por cacau.”

    Embora os dados mais recentes sobre as importações chinesas de chocolate não estejam disponíveis, as estatísticas de 2021 fornecidas pelo banco de dados de comércio OEC mostram que o país importou US$ 518 milhões em produtos de chocolate em 2021, tornando-se o 15º maior importador desse tipo de mercadoria.

    Jake Scoville, analista-chefe de safras da Price Futures Group, com sede em Chicago, revelou que os dois maiores produtores de cacau do mundo, Costa do Marfim e Gana, ambos localizados na África Ocidental, estão enfrentando uma grave escassez de grãos de cacau.

    Scoville acrescentou em um comunicado emitido na quarta-feira:

    “As perspectivas de oferta limitada persistem, com base em mais relatos de entregas reduzidas na Costa do Marfim e em Gana.”

    “Há informações de que as condições quentes e secas relatadas anteriormente na Costa do Marfim podem prejudicar a produção da safra principal, e as expectativas para essa safra não são otimistas. As perspectivas para a safra intermediária também estão em queda, com relatos de doenças nas árvores devido ao excesso de chuvas, o que pode afetar a produção da safra principal.”

    O fenômeno climático La Niña, que provoca o resfriamento das águas do Oceano Pacífico e o aumento da umidade, está afetando negativamente as plantações de cacau na África Ocidental, principal região produtora do mundo. Os países mais atingidos são Costa do Marfim e Gana, que sofrem com o apodrecimento e as doenças nos cacaueiros.

    Cacau: cenário técnico

    Cacau semanal

    O cacau apresenta sinais de sobrecompra após um ano de alta, mas ainda pode ter potencial para valorizar-se mais, conforme Sunil Kumar Dixit, estrategista técnico-chefe do site SKCharting.com.

    “Os estocásticos mensais para o cacau atingiram 96/96, indicando níveis de sobrecompra”, observou Dixit. “No entanto, ainda há espaço para uma valorização adicional a partir de US$ 3.697, em direção a um reteste em US$ 3.826.”

    Por outro lado, o cacau também pode estar sujeito a uma correção de preço natural se não conseguir manter esse movimento ascendente.

    “A menos que US$ 3.826 seja amplamente aceito com estabilidade acima da resistência e confirmado por um fechamento semanal, a forte alta poderá eventualmente ser seguida por uma correção de preço natural”, alertou Dixit.

    “No cenário de baixa, o primeiro grande alvo de queda para o médio prazo seria US$ 3.300, seguido por US$ 3.000 posteriormente, ao longo de um período prolongado.”

    (Publicado originalmente em inglês. Tradução de Julio Alves)

    ***

    Aviso: O conteúdo deste artigo é puramente educativo e não representa qualquer recomendação de compra ou venda de qualquer ativo tratado. O autor Barani Krishnan não possui posições nas commodities ou investimentos sobre os quais escreve. Ele geralmente utiliza uma variedade de visões além da sua para promover a diversidade da análise de qualquer mercado. A bem da neutralidade, ele por vezes apresenta visões e variáveis de mercado contrárias.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.