Garanta 40% de desconto
🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Cobre: recuperação lenta da China exige mais paciência dos compradores

Publicado 19.09.2023, 11:21
GS
-
USD/CNY
-
HG
-
CL
-
3333
-
MCU
-
  • Principais metais comuns continuam sensíveis às oscilações do mercado imobiliário da China;
  • O cobre precisa de um fechamento semanal acima de US$ 4/libra para sustentar um rompimento técnico;
  • A perda de US$ 3,70 pode fazê-lo buscar US$ 3,20.
  • A China divulgou na sexta-feira um dado positivo, no momento em que precisa desesperadamente de boas notícias econômicas: sua produção industrial aumentou 4,5% em agosto em relação ao ano anterior, superando a estimativa de 3,9%. As vendas no varejo cresceram 4,6%, superando o aumento esperado de 3%.

    O petróleo, que subiu pela terceira semana seguida, valorizou-se quase 4% na semana passada em resposta aos números do maior importador mundial dessa commodity. O cobre, que depende muito da China em sua forma refinada, também se destacou, subindo 2,3% na semana.

    No entanto, aí termina a semelhança entre os dois casos.

    O rali do petróleo continuou sem grandes interrupções nesta semana, em condições extraordinárias para qualquer commodity, dada a pressão excepcional na oferta de petróleo imposta pelos sauditas e russos.

    Cobre diário

    Todos os gráficos são de SKCharting.com, com dados do Investing.com

    O cobre, por outro lado, reverteu mais da metade do rali da semana anterior em apenas um dia, sendo a China, o mesmo país que os compradores usaram como base para o aumento anterior, o motivo para essa queda.

    Enquanto antes as boas notícias sobre a produção industrial e as vendas no varejo eram as razões, desta vez, as preocupações renovadas se voltaram para a saúde do setor imobiliário chinês, que é grande demais para o seu próprio bem.

    O mercado imobiliário da China enfrenta um novo teste nesta semana, com mais pagamentos de títulos da empresa Country Garden Holdings, que está em dificuldades. As autoridades chinesas também prenderam funcionários da unidade de gestão de patrimônio do grupo China Evergrande (HK:3333), gerando preocupações sobre um novo escrutínio governamental sobre o setor imobiliário.

    O Banco Popular da China deve manter suas taxas de juros prime em níveis recordes nesta quarta-feira, enquanto busca fortalecer o crescimento econômico. No entanto, apesar das medidas de estímulo, a perspectiva para o mercado imobiliário chinês, que é um fator-chave para a demanda por cobre, continua predominantemente nebulosa.

    A relação entre o cobre e o mercado imobiliário da China

    Antes do segundo corte modesto no capital mínimo que os bancos chineses eram obrigados a manter em reserva na semana passada - um plano que liberaria cerca de 500 bilhões de iuanes para empréstimos - qualquer estímulo elaborado por Pequim mal produzia resultados desejáveis.  O resultado era uma economia que não conseguia se recuperar da pandemia, mesmo quando o resto do mundo avançava.

    Alguns economistas afirmam que as oscilações de curto prazo nos dados chineses, como a produção industrial e as vendas no varejo, apenas escondem os desafios estruturais do país. Estes incluem demografia em deterioração, desaceleração no crescimento da produtividade e uma economia excessivamente dependente do mercado imobiliário.

    Um exemplo disso é o aumento de 31% nas importações de petróleo pela China no mês passado e uma produção recorde de 64,69 milhões de toneladas métricas em refinarias. Ambos, analistas afirmam, foram resultado da temporada de viagens de verão no Hemisfério Norte.

    Portanto, a pergunta que quase todos fora do Partido Comunista Chinês estão fazendo é se a mais recente medida de estímulo será suficiente para fortalecer a economia diante de seu pior desafio em décadas. Se tiverem sorte, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China irá superar os 5% este ano, em comparação com o crescimento recorde de 11,8% em 2020.

    Nate DiCamillo, autor de artigos e opiniões sobre a China para o quartz.com, destaca que o setor imobiliário está no centro da crise do país, representando uma parte desproporcional de um terço do PIB.

    De acordo com o especialista:

    “A China não só construiu demais no setor habitacional, mas os consumidores chineses também estão sobrecarregados com enormes quantidades de dívida hipotecária, contraída inicialmente sob a premissa de que o setor imobiliário nunca pararia de crescer.”

    “Se a China pudesse eleger um novo governo, teria mais controle sobre políticas que favorecem o setor imobiliário e poderia direcionar recursos para áreas com perspectivas de produtividade mais promissoras, como a saúde.”

    No entanto, DiCamillo ressalta que a China parece estar comprometida com a visão de Xi Jinping de que evitar estímulos fiscais quebrou o hábito do país de investir no setor imobiliário.

    “A redistribuição de riqueza na China também ameaçaria a posição do Partido Comunista Chinês, pois daria mais poder aos cidadãos chineses, potencialmente levando a mais agitação social.”

    Dennis Unkovic, que acompanha a China desde 1985 sob uma perspectiva legal e socioeconômica e escreveu 12 livros, três deles sobre o país, concorda:

    “A questão fundamental é que a economia chinesa está em um estado tão grave neste momento que eu acredito que exigiria uma série de medidas adicionais por parte do governo chinês, além das que já foram tomadas. Por exemplo, trinta por cento da economia chinesa depende do setor imobiliário.”

    Cobre: análise técnica e dos fundamentos

    Os metais básicos recuaram desde a máxima em janeiro, à medida que a economia perdeu vigor, impactando as margens dos fundidores e fabricantes. A queda na lucratividade no primeiro semestre representa o pior desempenho em mais de uma década.  Os dados de lucro industrial de julho, a serem divulgados no domingo, provavelmente mostrarão mais dificuldades no setor.

    A queda nas margens dos fabricantes, especialmente para o alumínio, é resultado de uma competição acirrada e de uma guerra de preços em alguns segmentos, de acordo com Wang Rong, analista da Guotai Junan Futures Co.

    Ao mesmo tempo, os estoques de cobre e alumínio, metais básicos mais amplamente utilizados, diminuíram, com os estoques de cobre atingindo níveis críticos, de acordo com o Goldman Sachs (NYSE:GS). Com os principais consumidores estagnados, o ANZ Group Holdings Ltd. observou em uma nota neste mês que “novas fontes de crescimento nos setores de energia limpa têm sustentado a demanda por metais.”

    Cobre semanal

    Goste ou não, a relação entre o cobre e a China é simbiótica. O mais importante metal industrial do mundo depende do seu maior país consumidor, que vem se construindo tijolo por tijolo.

    Quem consome a maior parte do consumo de metais da China é o setor de construção civil, que responde por cerca de 30% do uso final total do cobre.

    Dessa forma, quando a economia chinesa se expande, os preços do cobre sobem. E quando ela desacelera, podemos esperar o oposto, ou pelo menos os tipos de oscilações de preço que temos visto desde janeiro - quando o metal básico teve seu maior rali de 11% para este ano.

    Desde a perda do suporte do importante nível psicológico de US$ 4 por libra, os operadores comprados no cobre futuro negociado na Comex de Nova York tentam encontrar uma direção para o “metal vermelho”.

    Ninguém está falando por enquanto sobre o recorde de US$ 5 de março do ano passado. Mas mesmo ultrapassar os US$4, o que o cobre não faz desde agosto, pode ser mais desafiador do que se imaginava, caso a economia chinesa não recupere seu ímpeto.

    Cobre mensal

    Sunil Kumar Dixit, o estrategista técnico do SKCharting.com, observou que o “Dr. Cobre”, termo utilizado por analistas para diagnosticar o estado da economia com base no comportamento do metal, não demonstrou uma tendência de alta desde o período de novembro a janeiro, quando registrou um aumento de 25%.

    Dixit disse ainda:

    "A ação do preço parece estar presa e aguardando fortes gatilhos para romper a faixa limitada pela Média Móvel Simples (MMS) de 100 semanas, que se encontra em US$ 4,00, atuando como resistência ativa. Por outro lado, temos suporte na MMS de 200 semanas, estabelecida em 3,70, que tem se mostrado um piso resistente."

    Dixit afirma que um fechamento semanal acima de 4,00 prolongaria o ímpeto do cobre em direção às próximas metas imediatas de 4,35, 4,58 e 5,00.

    "Um rompimento decisivo abaixo de 3,70 visaria 3,25, com suporte importante na MMS de 200 meses de 3,20."

    (Tradução de Julio Alves)

    ***

    Aviso: O conteúdo deste artigo é puramente informativo e não representa qualquer recomendação de compra ou venda de qualquer ativo tratado. O autor Barani Krishnan não possui posições nas commodities ou investimentos sobre os quais escreve. Ele geralmente utiliza uma variedade de visões além da sua para promover a diversidade da análise de qualquer mercado. A bem da neutralidade, ele por vezes apresenta visões e variáveis de mercado contrárias.

     

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.