Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Desconfiança Fiscal Leva Investidor a Ignorar Fundamentos Positivos dos FIIs

Publicado 09.11.2021, 16:17
Atualizado 09.07.2023, 07:32

Outubro marcou o terceiro mês consecutivo de queda para o IFIX, que fechou o período na menor pontuação no fechamento mensal desde maio de 2020 – apenas como constatação estatística, o IFIX nunca em sua série histórica apresentou desvalorização por 4 meses consecutivos. O Ibovespa, por sua vez, desvalorizou -6,74% no mês, maior queda mensal desde março do ano passado, e esse foi o 4º mês seguido de queda do principal índice de ações da B3 (SA:B3SA3). Ainda como reflexo da alta dos juros futuros, aumento das expectativas de inflação e do descontrole fiscal e aversão ao risco dos mercados locais, o dólar se valorizou 3,74% contra o real e o IMA-B 5+ desvalorizou -1,24%. 

Variações

 

Nos mercados internacionais, os dados divulgados pelas principais economias do mundo ao longo do mês foram ambíguos. A China apresentou sinais de desaceleração mais acentuada, principalmente pela expectativa da atividade industrial, o que fez com que as commodities metálicas, de forma geral, tivessem uma queda de preços expressiva ao longo do mês. Porém, os dados de exportações surpreenderam positivamente, com o crescimento de 28,1% no comparativo anual. Nos Estados Unidos, a inflação continua surpreendendo para cima, com o índice CPI (similar ao IPCA) acumulando alta de 5,4% nos últimos 12 meses em setembro. Com isso, os membros do FOMC (similar ao COPOM) deram sinais que podem iniciar o processo de redução gradual dos estímulos monetários à economia, o que tranquilizou os mercados, fazendo com que os índices de ações batessem novos recordes históricos.

Por aqui, as notícias foram em sua maioria negativas ao longo do mês. O IPCA de setembro apresentou alta de 1,16%, maior alta para um mês de setembro desde 1994. No acumulado, o índice oficial de inflação apresenta alta de 6,90% no ano e 10,25% em 12 meses, bem acima da meta estipulada para o Banco Central. Com isso, a inflação parece ter alcançado seu pico, já que as expectativas para a inflação de 2022 ainda permanecem na casa de 4,00%. Porém, ao longo do mês, o governo confirmou que mudaria as regras do teto dos gastos para viabilizar o financiamento do novo programa social do Governo Federal, deixando os analistas de mercado desconfiados que mais surpresas negativas, sob a ótica fiscal, podem acontecer para o ano que vem, já que é um ano eleitoral. Desconfiança, essa é a palavra-chave, e faz com que investidores deixem de lado os fundamentos, já que os dados fiscais do ano de 2021 são surpreendentemente positivos. Além disso, empresas e imóveis estão em um ciclo positivo de resultados, sinalizando forte recuperação frente aos danos causados pela pandemia do Covid-19 aos balanços e ao investimento em certos tipos de imóveis, como shoppings e lajes corporativas.

Independentemente do mérito do novo programa social, a forma como ele foi comunicado com certeza não passou perto de ser a ideal. Além disso, até esse momento, o governo e os parlamentares pró-governo não conseguiram sinalizar, de forma clara, qual é o limite para essa “alteração” do teto. Com esse cenário nebuloso, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM), decidiu por elevar a SELIC em +1,50%, para 7,75% ao ano, e já sinalizou nova alta de mesma magnitude para a última reunião de 2021. Com isso, os analistas de mercado revisaram para baixo as projeções de crescimento da economia para o ano que vem, o que pode ajudar a ancorar novamente as expectativas de inflação, os juros futuros e os ativos de renda variável de maneira geral, desde que novas surpresas negativas e criativas deixem de aparecer. 

Últimos comentários

Não citou 1 fundamento dos FIIS, o artigo está escrito corretamente, porém não se relacionada com o título, espera-se um grau de profundidade maior.
Não citou 1 fundamento dos FIIS, o artigo está escrito corretamente, porém não se relacionada com o título, espera-se um grau de profundidade maior.
Na verdade as taxas de juros, acima de 12% no tesouro direto se tornaram muito mais atrativas ao investidor
Comparando o título do artigo com o respectivo conteúdo, nao há como deixar de afirmar: o artigo é uma PORCARIA!
É o famoso clickbait
deixa.pra quando a Selic subir a 12%, daí dá pra pensar, até lá vai continuar caindo.
Galera, a conta é simples. se vc pode ganhar 1%a.m. de juro sem risco, vc não vai correr o risco da renda variável pra ganhar menos que isto, logo os FIIs só vão parar de cair quando o juro parar de subir. então quando o juro tiver chegando no topo é hora de comprar FIIs forte. Penso que selic acima de 10%a.a. é hora de entrar comprando.
isso aí!!
Vendam seus FIIs, o máximo que puderem. Eu os compro.
Está barato, ótima oportunidade! É um velho ditado pouco conhecido: joga no lixo e fala onde que eu vou buscar rsrsrsrs.
amadorismo...
Conta simples : Meta SELIC em alta, FIIs em baixa. Óbvia e facilmente constatavel historicamente. FIIs voltarão a subir somente quando o BC sinalizar o fim do aperto monetário (em 2023???).
Foi assim no último ciclo de alta. recomendo, esperar o juro chegar nos 10%a.a e ir comprando aos poucos
vou esperar chegar a 12% hehe
Aconteceu a mesma coisa comigo. Ansioso pelo artigo, esperando que falasse dos pontos positivos dos FIIs, mas ouvi mais do mesmo de sempre. Click Bait
foi exatamente o que eu mencionei agora há pouco: o artigo é um lixo!
Aconteceu a mesma coisa comigo. Ansioso pelo artigo, esperando que falasse dos pontos positivos dos FIIs, mas ouvi mais do mesmo de sempre. Click Bait
kkk... desconfiança fiscal??? O que espanta qualquer um dos fiis são as taxas de administração e performance absurdas cobradas, além da péssima valorização dos ativos.
So comentarios igual a Globolixo
Bom dia, abri o artigo devido ao título, porém ao término noto que faltou falar dos fundamentos positivos dos FIIs (esperava mais que generalidades relacionadas a pandemia, e a constatação óbvia, para quem investe no setor, de que outubro foi o 3º mês consecutivo de queda).
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.