Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Em Pausa

Por Olivia BullaResumo do Mercado26.04.2018 08:29
br.investing.com/analysis/em-pausa-200220604
Em Pausa
Por Olivia Bulla   |  26.04.2018 08:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

O mercado financeiro faz uma pausa nesta quinta-feira, com os investidores buscando um ponto de equilíbrio nos preços dos ativos, após a escalada no juro projetado do título norte-americano de 10 anos (T-Note) para além de 3% engatar uma rodada de aversão ao risco. Mas isso não significa que o vaivém nos preços dos ativos acabou.

Ao contrário. A pressão nos bônus dos Estados Unidos (Treasuries) continua, assim como no dólar, com os negócios oscilando entre altas e baixas nesta manhã, sem um rumo definido. Da mesma forma, a volatilidade nas bolsas segue elevada, com a temporada de balanços tentando estabilizar as ações, mas alguns resultados decepcionantes não ajudam.

As principais praças na Europa ensaiam ganhos, apesar da queda de quase 80% no lucro do Deutsche Bank e do sinal negativo exibido timidamente pelos índices futuros em Wall Street, após uma sessão sem direção única na Ásia. Nas commodities, o petróleo sustenta-se em alta, após o presidente Donald Trump sinalizar que deve retirar o acordo nuclear com o Irã, lançando uma nuvem sobre a geopolítica no Oriente Médio.

As atenções lá fora também se voltam para a estratégia dos bancos centrais em relação aos estímulos monetários e para o ritmo da economia norte-americana. Um dia antes da divulgação da primeira prévia do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA nos três primeiros meses de 2018, o destaque fica com a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), às 8h45, o que mantém o euro em alta.

A previsão é de que a taxa de juros na região da moeda única seja mantida em zero por algum tempo, mesmo com o fim do programa de recompra de bônus, previsto para setembro. Com isso, as atenções se voltam para a sinalização da autoridade monetária em relação aos próximos passos, o que deve vir da fala do presidente, Mario Draghi, a partir das 9h30.

Já nos EUA, os investidores querem saber se é factível manter o otimismo com a expansão econômica do país, apesar da volatilidade recente dos mercados e das ameaças ao comércio global. O problema é que, ainda que a maior economia do mundo siga crescendo em um ritmo saudável, há o temor de pressão inflacionária à frente.

O impacto da escalada dos preços das commodities industriais nos índices de inflação pode levar o Federal Reserve a ser mais firme no processo de normalização da taxa de juros, após ter promovido a primeira alta do ano em março. Por ora, as apostas de apenas mais dois aumentos seguem majoritárias, mas a chance de um total de quatro apertos é crescente.

A próxima reunião do Fed já é na semana que vem, nos dias 1 e 2 de maio, quando pode ser recalculado o plano de voo em 2018. Combinados, os receios de aumento da inflação e dos juros norte-americanos já pesam em diversos setores da atividade nos EUA, podendo atrapalhar o crescimento econômico.

Com isso, há um movimento de migração de recursos, com ativos mais seguros e com menor rendimento atraindo fluxos globais. Assim, países como o Brasil, que atravessa incertezas política e fiscal, acabam sendo mais suscetíveis ao chamado flight to quality.

A principal dúvida dos mercados domésticos é quem irá comandar o país a partir de 2019 e se o governo eleito irá tocar uma ampla agenda de reformas, com rigor fiscal. Com isso, o mercado doméstico também está à procura de um ponto de equilíbrio.

É fato que o intervalo de oscilação do dólar já mudou por aqui. Após encerrar ontem no maior valor desde junho de 2016, na quinta alta seguida, tudo indica que os R$ 3,50 viraram um novo teto, sendo que o piso estaria em torno de R$ 3,40.

O comportamento da moeda norte-americana também reflete uma política monetária mais suave (“dovish”) do Banco Central, com a taxa básica de juros (Selic) caindo, enquanto o rendimento dos títulos no exterior sobe. Assim, fica menos atrativa a diferença paga por aplicar nos bônus locais, onde o risco é maior, em relação aos títulos da dívida dos EUA e de outros países desenvolvidos, que são mais seguros.

Fica claro, então, o quão ruim tem sido a política monetária no Brasil. Afinal, o BC começou a cortar a Selic em um ritmo muito devagar, ainda nos idos de 2016, retardando a resposta da atividade, o que ajudou a esfriar a inflação, diante do baixo investimento dos empresários e do consumo das famílias e em meio a uma safra recorde de grãos.

Agora, o BC resolveu mudar a estratégia, se tornando super-suave justamente em um momento em que as condições financeiras no mundo começaram a se deteriorar, instigando uma busca por proteção. Daí então que a autoridade monetária está colhendo um crescimento pífio e um real fraco - mas ainda têm a inflação baixa.

A questão é: por quanto tempo os preços domésticos no atacado e no varejo vão resistir, especialmente se a eleição não for como o desejado? Afinal, um dólar mais forte pode pressionar os índices de inflação, que, por ora, têm ficado comportados, permitindo uma extensão do ciclo de cortes na Selic até o próximo mês, para o mínimo histórico de 6,25%.

Na agenda doméstica do dia, serão conhecidos os índices de confiança nos setores industrial e de serviços em abril, ambos às 8h, e também na construção civil (11h) em março. Às 9h, é a vez do índice de preços ao produtor no mês passado e, depois (10h30), saem dados sobre o crédito no país. Mas o destaque doméstico fica novamente com a temporada de balanços.

Antes da abertura do pregão local, serão publicados os resultados trimestrais do banco Bradesco (SA:BBDC4) e da fabricante de papel e celulose Klabin (SA:KLBN11). Depois do fechamento da sessão, destaque para a varejista Pão de Açúcar (SA:PCAR4) e a rival no setor de papel e celulose Suzano (SA:SUZB3). Já nos EUA, saem os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos no país e também as encomendas de bens duráveis em março, ambos às 9h30.

Em Pausa
 

Artigos Relacionados

Wesley Moço da Silva
Armageddon ou Retomada? Por Wesley Moço da Silva - 16.01.2022 1

Faça ou não faça, não existe tentar! - Yoda. Iniciamos um novo ciclo, um ciclo que não corresponde, em suma, uma página em branco, e, basicamente, se tratando de um país com...

Em Pausa

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail