Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Fintechs Negras Importam: Algoritmos Inclusivos e Justiça Racial

Por Eduardo DinizResumo do Mercado20.05.2022 09:52
br.investing.com/analysis/fintechs-negras-importam-algoritmos-inclusivos-e-justica-racial-200449609
Fintechs Negras Importam: Algoritmos Inclusivos e Justiça Racial
Por Eduardo Diniz   |  20.05.2022 09:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Os negros têm uma longa história de exclusão nos sistemas financeiros tradicionais. Os bancos dos EUA, por exemplo, rejeitam os pedidos de empréstimos de pessoas negras com muito mais frequência do que acontece com clientes brancos. Da mesma forma, um outro estudo com microempreendedores brasileiros sugere que aqueles empreendimentos negros que tiveram solicitação de crédito concedida, obtiveram valores menores e juros mais altos do que os obtidos por brancos.

De forma geral, a literatura conecta as fintechs à transformação dos serviços financeiros na direção de sua democratização, contribuindo para a inclusão financeira e, indiretamente, levando maior justiça social neste setor com largo histórico de segregação. Esta visão tende a gerar expectativas de que as barreiras raciais nos canais tradicionais de distribuição de empréstimos possam ser superadas com a chegada das fintechs ao mercado.

Entretanto, embora as fintechs possam, de fato, ampliar a base de clientes oferecendo serviços financeiros em plataformas digitais, elas não necessariamente reduzem a exclusão financeira baseada em raça. O fato de fintechs “bem-intencionadas” estarem reproduzindo desigualdades em formatos digitais e, com isso, levando taxas de juros mais altas para tomadores de empréstimos negros, se deve ao fato dos desenvolvedores dessas fintechs estarem reproduzindo modelos de score de crédito tradicionalmente usados no setor financeiro. Ao reproduzir uma lógica estabelecida, dificilmente conseguirão atingir o objetivo de inclusão financeira racial, que é um fenômeno baseado em construções multifacetadas e conceitos abstratos.

Um exemplo de como esta reprodução da lógica estabelecida acontece está no uso de CEPs e outras informações geográficas em modelos de escoragem de crédito. Nesses modelos, regiões historicamente segregadas são mal pontuadas e reduzem o acesso ao crédito de quem vive nelas. Pessoas que vivem em regiões pobres tendem a ser mal avaliadas em seu score de crédito exatamente porque moram em regiões pobres, onde fatalmente os negros são maioria. Ao usar para o desenvolvimento de seus modelos elementos preditivos construídos em torno desse tipo de informação, essas fintechs podem indiretamente discriminar com base na raça. Ferramentas digitais apenas reproduzem as desigualdades e preconceitos existentes no mundo ao seu redor.

Algoritmos são criados por pessoas e incorporam escolhas humanas que representam as respectivas experiências de vida de seus criadores, reproduzindo assim vieses implícitos. Assim como a comunidade negra está sub-representada na força de trabalho da indústria de tecnologia, o universo das fintechs é também caracterizado por uma presença muito limitada de empreendedores e profissionais negros. É difícil imaginar que um ambiente empresarial dominado por jovens brancos, como é o caso das fintechs, possa desenvolver a sensibilidade necessária para captar os elementos incorporados numa estrutura de preconceito arraigada na sociedade. Ainda que possam ter as melhores intenções, jovens brancos que nunca sofreram discriminação terão dificuldade de entender as sutilezas deste processo secularizado.

As práticas de exclusão em um ambiente só serão verdadeiramente eliminadas quando os excluídos tiverem papel protagonista neste mesmo ambiente e não por meio de qualquer comportamento paternalista por parte dos não excluídos. Em outras palavras, a construção de algoritmos que sejam inclusivos para a comunidade negra ocorrerá concomitantemente com mais negros assumindo papel de liderança no universo das fintechs.

Como qualquer outro tipo de organização, as fintechs também compreendem estruturas raciais e podem, com isso, potencializar ou diminuir a agência dos grupos raciais que a compõem. Portanto, suposições, valores e experiências dos tomadores de decisão em fintechs são elementos importantes a serem observados. Da mesma forma que a inserção de grupos específicos impactam a lógica institucional de uma empresa, a origem dos desenvolvedores influencia a materialidade dos artefatos digitais criados por eles.

Embora ainda sejam raras as evidências de como as fintechs estão trabalhando de fato para mitigar a exclusão racial, já é possível encontrar sinais de que esta situação pode estar mudando. Iniciativas da própria comunidade negra começam a se movimentar para ampliar a consciência sobre a importância de considerar a questão racial no universo financeiro, em particular no acesso a crédito. Entre essas iniciativas estão o Movimento Black Money e o Olabi, que promovem inovação social, tecnologia e diversidade para inserção e autonomia da comunidade negra na era digital.

Em paralelo a essas iniciativas originárias no próprio movimento negro, o Google (NASDAQ:GOOGL) criou o Black Founders Fund uma iniciativa de investimento em startups lideradas por empreendedores negros e negras no Brasil. Entre os diversos empreendimentos digitais apoiados nesta iniciativa, três são fintechs de protagonismo negro: Akintech, Banco Afro e Conta Black.

É só um começo, mas é um sinal de que há um caminho a ser seguido. Este caminho passa pela formação de mão de obra qualificada dentro da comunidade negra, pelo suporte técnico e financeiro para startups de protagonismo negro, particularmente fintechs, e também pela articulação dos mercados ligados ao consumo de produtos típicos da comunidade negra, que são os beneficiários da democratização racial do crédito. Essas iniciativas têm o poder de ampliar a diversidade racial no ecossistema de fintechs e irão apoiar empreendimentos negros com potencial de crescimento.

Democracia racial se faz com liberdade, mas, principalmente, com diversidade em todos os níveis do ambiente econômico e social.

Fintechs Negras Importam: Algoritmos Inclusivos e Justiça Racial
 

Artigos Relacionados

Fintechs Negras Importam: Algoritmos Inclusivos e Justiça Racial

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (8)
Wesley Silva de Souza
Wesley Silva de Souza 01.06.2022 22:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Olá Prof. Dr. Eduardo Diniz, boa noite!! Excelente artigo! Penso que lugar de fala é tudo neste assunto. A sua trajetória lhe dá autoridade para falar sobre o tema não só pela construção acadêmica, mas por ter vivido na pele, literalmente, ao longo de sua história, os dissabores da discriminação inerente à população negra. Parabéns pela abordagem técnica e embasada. Muito obrigado pela coragem de expor de forma tão leve um assunto tão pesado para todos os que vivem subjugados por ele todos os dias. Eu vi a postagem do Artigo na pagina do COPPEAD UFRJ e vim aqui lê-lo. Forte abraço!
Evandro Vilela
Evandro Vilela 23.05.2022 13:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Baboseiras… Igualdade é tratar todos iguais!
Jônatas Mota
Jônatas Mota 22.05.2022 13:29
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Será que só eu acho absurdo essa diferenciação racial que fazem? Isso só aumenta a segregação. Daqui a pouco vai ter linhas de crédito baseado em cor, non sense total
Bruno DM
Bruno DM 22.05.2022 11:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Olha eu acredito que se os negros querem melhorar esse acesso ao crédito devem fazer por onde. A questão não é racial e sim financeira, as instituições não olham sua raça, origem… e sim a sua capacidade de honrar as suas dívidas. Criar Fintechs lideradas por negros é uma boa alternativa de inclusão de lideranças negras, mas não necessariamente de inclusão de crédito para essa camada social.
Paulo Roberto Valadao
Paulo Roberto Valadao 22.05.2022 10:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
! Aff militância ate aqui!? Entao Empreste seu dinheiro pela cor de pele sem análise de credito! Existem milhoes de brancos, indios, cafusos, amarelos, que tbm pobres não conseguem financiamentos pra nada! A questão é socio economica e NAO RACIAL! Querem realmente promover igualdades e incluir as minorias? Entao parem de so falar mimimi! “Morgan Freeman” A minoria desprivilegiadas agora sao heteros brancos sem cotas pra nada! SIM existem milhoes de non-black tbm pobres q nao tem cotas nem bandeiras nem movimentos. Melhorem! tratem todos iguais realmente iguais!
Ádamo Bueno
Ádamo Bueno 22.05.2022 10:31
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Simplesmente ridículo
Davi Landim
Davi Landim 22.05.2022 10:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
que balela... A questão não é racial, é financeira. como temos mais negros com menos poder aquisitivo, claramente eles terão menos crédito vindo dos bancos. isso é pura politicagem
Rodrigo Barreto
Rodrigo Barreto 22.05.2022 10:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Que porcaria. Mais essa agora? Chega!
Diego Patrik
Diego Patrik 22.05.2022 10:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
ficou nervoso pq? Llkkkk
Rubimar Melo
Rubimar Melo 22.05.2022 10:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Passa hipoglós, bumbum ardido. Ouve falar de negro e já fica com ardência
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail