Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Heranças da Pandemia: Qual Pode Ser a Origem da Próxima Crise?

Por Ademir GutierriResumo do Mercado14.06.2021 13:03
br.investing.com/analysis/herancas-da-pandemia-qual-pode-ser-a-origem-da-proxima-crise-200442607
Heranças da Pandemia: Qual Pode Ser a Origem da Próxima Crise?
Por Ademir Gutierri   |  14.06.2021 13:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Heranças da pandemia: o mundo começa aos poucos se reerguer economicamente dos nefastos efeitos da pandemia. Mas como não poderia ser diferente, quem acompanha profundamente economia sabe que precisamos ser eternos vigilantes.

Cabe aos economistas e demais profissionais de mercado não se deixar levar pelo otimismo que tomou conta do mercado nas últimas semanas e fazer uma análise objetiva sobre nosso momento.

Precisamos entender exatamente para onde estamos indo ao sair dessa crise, qual o caminho que iremos encarar daqui por diante. Para que o mundo não entrasse em grande colapso, foi pago um preço muito alto. Mas afinal, que preço foi esse? Estamos falando do superendividamento dos governos.

Desse endividamento, foram plantadas duas sementes nocivas que começam a brotar e causar efeitos: a inflação e o aumento dos impostos.

UM RAIO-X DAS DÍVIDAS PÚBLICAS

Antes mesmo da pandemia, a dívida pública da maioria dos governos ao redor do mundo já era praticamente impagável. Até 2019, os governos já acumulavam uma dívida de aproximadamente US$ 69 trilhões de dólares. Muitas vezes pergunto se alguém tinha reais esperanças de que esses valores um dia fossem pagos. As dívidas governamentais já eram praticamente “virtuais”.

Relação Dívida/PIB
Relação Dívida/PIB

Quase um terço dessa dívida já pertencia ao Estados Unidos (31%), seguido por Japão (17%) e China (9%). Os países europeus também aparecem com fatia relevante nesse quadro.

Claro que analisar esse número de forma isolada não significa muita coisa. Existem governos que “podem” ter dívidas maiores porque suas economias são dinâmicas o suficiente para produzir riqueza a ponto de tornar essa dívida administrável. Não é à toa que os países que possuem as maiores dívidas são justamente os países mais ricos ou de maiores PIBs.

Dívida Pública Global
Dívida Pública Global

Com a pandemia, esse quadro se agravou. Os governos precisaram se endividar muito para atuar em duas frentes de batalha: em uma delas, municiar seus sistemas de saúde para combater a pandemia; em outra, criar planos emergências ou estímulos para resgatar as economias, que sofreram demais pelas medidas de isolamento social.

Para que possa atuar ativamente na economia, o governo tem à sua disposição dois instrumentos: os instrumentos de política fiscal (gastos do governo, medidas de crédito, auxílios emergenciais etc.), e os instrumentos de política monetária (redução nas taxas de juros, aumento da oferta de moeda em circulação etc.). Abaixo você confere um quadro que mostra quanto cada país dispendeu no combate à crise do Covid-19, seja através de políticas fiscais, seja através de políticas monetárias.

Estímulo Durante a Pandemia
Estímulo Durante a Pandemia

No caso do Brasil, proporcionalmente os maiores esforços foram no campo de políticas fiscais. As políticas monetárias foram muito mais tímidas ou não conseguiram ser postas em prática, pois muitas das medidas de crédito executadas pelo governo ficaram “empoçadas” nos bancos por conta das rígidas políticas de análises de crédito dos mesmos, sem chegar a quem se destinava em linha final.

Ainda assim, ficamos entre os países que mais investiram no combate à pandemia, quando consideramos o percentual de gastos com relação ao PIB.

Voltando à analise global, todo esse montante injetado fez com que os países terminassem o ano de 2020 com níveis recordes de endividamento, e possivelmente sem saber como resolver esse problema.

Segundo a economista-chefe do Banco Mundial, Carmen Reinhart, possivelmente esse problema será o motivo da próxima crise financeira mundial, pois esse cenário de superendividamento não seria sustentável.

Se pegarmos o exemplo dos Estados Unidos, a Dívida em relação ao PIB só esteve próxima desses patamares na época da 2ª Guerra Mundial, chegando a 108%.

Vale destacar também a relação entre dívida bruta e PIB do Japão (266%), Grécia (206%), Portugal (134%), França (116%), Itália (156%). Ou seja, todos com um endividamento maior do que a produção de suas economias.

No caso do Brasil, recebemos na semana passada a notícia que nossa relação dívida/PIB deixou de crescer, ficando em 86,7% do PIB, ainda elevada, mas ao menos estabilizada.

HERANÇAS DA PANDEMIA: INFLAÇÃO E O AUMENTO DE IMPOSTOS

Heranças da pandemia: a primeira já percebida não só no Brasil, mas ao redor do mundo, é a inflação. O fato de os bancos centrais terem despejado tanta liquidez nos mercados foi uma jogada arriscada, pois resolvia um problema no curto prazo, mas poderia gerar outro no médio prazo. E foi o que aconteceu, mesmo os países desenvolvidos, que costumam ter a inflação muito baixa, viram seus preços acelerarem, com destaque especial para os Estados Unidos, tendo em vista que uma eventual alta nas suas taxas de juros para conter a inflação acabam por gerar impactos em todo o mercado financeiro.

Inflação
Inflação

Herança da pandemia: a segunda ainda não foi percebida, mas já começa a ser discutida: o aumento nos impostos. O cobertor é curto: se os governos gastaram muito, precisam pagar essa conta. E para pagar essa conta, é preciso aumentar a arrecadação, e aí vem o aumento dos impostos.

Provavelmente a mira se voltará aos contribuintes de maior renda e patrimônio, e algumas medidas já começam a ganhar força, como a tributação dos dividendos (o que pode impactar nas ações, rendimentos de fundos imobiliários, e até mesmo a distribuição de lucros de empresas pequenas) e o aumento nos impostos de transmissão de patrimônio.

É importante que nós estejamos atentos tanto como cidadãos quanto como investidores, pois tanto a inflação quanto o aumento nos impostos impactam tanto em nossas vidas quanto nos investimentos. Estratégias de proteção contra a inflação e estratégias de planejamento tributário farão uma grande diferença nos resultados das carteiras no longo prazo.

E você, quais estratégias você tem adotado para mitigar os riscos das heranças da pandemia? Fique à vontade para comentar. Até o próximo artigo!

Heranças da Pandemia: Qual Pode Ser a Origem da Próxima Crise?
 

Artigos Relacionados

Heranças da Pandemia: Qual Pode Ser a Origem da Próxima Crise?

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (22)
Ricardo Paraguassu
Ricardo Paraguassu 17.06.2021 10:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
@ Guilherme disse tudo
Guilherme Delacio
Guilherme Delacio 17.06.2021 5:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Tema muito relevante que poucos tem lembrado. Geralmente, tratar desses temas muito vastos causa certa confusao porem o autor foi extremamente competente na compilacao de dados e nas variaveis de inflacao, gastos e dividas. Parabens!!
Marcelo Ostermann
Marcelo Ostermann 16.06.2021 20:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
A crise de crédito vai vir, mas quando? É estranho imaginar uma crise tão "esperada" como essa... Logo, ela não deve ocorrer agora, pois crises surgem quando menos se espera...
Licio Mathias
Licio Mathias 15.06.2021 18:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
to nem aí pra governo. , vivo da venda de put e call...tenho meu proprio método e vou muito be obrigDo...AFINAL CAIXÃO NÃO TEM GAVETA.
andre abreu
andre abreu 15.06.2021 18:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ta vindo aqui ler sobre isso pq entao?
Nelson Nolasco
Nelson Nolasco 15.06.2021 10:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
este desgoverno liberou o dinheiro para os bancos não emprestarem. seria mais eficiente usar o método Silvio Santos e jogar aviões de 50 reais pro alto
Branco Lotbrok
Branco Lotbrok 14.06.2021 23:17
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
meu Dinheiro está 95% em imóveis. tenho uns 30 imóveis que são a minha segurança contra a inflação. 5% ainda tenho em renda fixa, poupança e conta corrente. ações estou zerado
Arlei Pires
Arlei Pires 14.06.2021 18:44
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Na verdade os governos são os grandes parasitas que usa mal o dinheiro do contribuinte. E continua  sugando o dinheiro das pessoas e empresas produtivas para pagar a má gestão e o funcionamento do sistema. Esse sim é o maior vírus em todo o sistema. Exemplo disso é o G7 querendo aumentar o imposto sobre empresas em 15% no minimo. Vão destruir as empresas e empregos. É cada erro que parece piada !!!
Mauro Figueiredo Pinto
Maurof 14.06.2021 18:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
A crise econômica terá sua segunda onda logo. .Países com grande capacidade tecnológica e produtos com alto valores agregados internarão suas produções, objetivando reduzir saída de divisas. EUA e grandes europeus.  Infelizmente vamos sugar até o talo nossas matérias primas, devido ao péssimo planejamento estratégico. Sucateamos a manufatura. Nossa solução seria reduzir importações de produtos de baixo valor agregado mas de grande escala.  Toda multinacional traz até cadeira quando implementa fabrica no Brasil, para gastar o menos possível de divisas em empreendimento no exterior.  Nossa crise é de Planejamento Estratégico e Nacionalismo.
Bruno Panvequi
Bruno Panvequi 14.06.2021 17:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Próxima crise será a Alimentar, que já está em curso.
Nathan Silva
Nathan Silva 14.06.2021 17:20
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Essa crise foi a mais fácil para história para ganhar dinheiro. As bolsas subiram como nunca e teve dinheiro para todos que quiseram. A grande herança será a desigualdade, efeitos das políticas de concentração de renda. Mas esse papo ninguém quer ouvir. O negócio é saber se vão querer pagar a conta da festa. Se quiserem virão aumento de impostos e tempos difíceis. Mas ainda acho que seguirão na festa, como o FED segue comprando 120 bi por mês e adiar eternamente a crise e seguir na festa te onde der
Nelson Nolasco
Nelson Nolasco 14.06.2021 17:20
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
eu quis e continuo querendo e não teve dinheiro pra mim
Hugo Jhow
Hugo Jhow 14.06.2021 17:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
É a verdade nua e crua, Todos os países estão no mesmo barco. Ótima abordagem pois não dá espaço para falar que esse ou aquele é melhor ou pior. Mas, vejo que países queridinhos de uns e outros aí como Argentina e Venezuela estão com piores índices de inflação. Por que será??
Paulo Roberto
Paulo Roberto 14.06.2021 17:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Minimizaçao dos custos para conseguir maximizar o minguadinho lucro nesse período de incertezas e, isso só foi possível graças a otimização gerencial. Era sabido que a política de ambos os lados acabariam dificultando uma rápida melhora, mas está sendo feito o máximo que se pode para continuar em operação. Espero que os radicais da midia mainstream não abram a boca para não dificultar mais a retomada dos investimentos.
Paulo Roberto
Paulo Roberto 14.06.2021 17:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Minimizaçao dos custos para conseguir maximizar o minguadinho lucro nesse período de incertezas e, isso só foi possível graças a otimização gerencial. Era sabido que a política de ambos os lados acabariam dificultando uma rápida melhora, mas está sendo feito o máximo que se pode para continuar em operação. Espero que os radicais da midia mainstream não abram a boca para não dificultar mais a retomada dos investimentos.
Abilio Amaral
Abilio Amaral 14.06.2021 16:57
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Provavelmente da mente doentia de algum país comunista. Talvez da própria china novamente.
Michael Cordeiro
Michael Cordeiro 14.06.2021 16:54
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O PIB mede também os gastos do governo.Se o governo gasta muito, o PIB fica mais elevado e isso também pode gerar mais dívidas, dependendo da balança comercial e das reservas existentes no país.Por isso as maiores dívidas acabaram relacionadas aos maiores PIBs. Se a taxa básica de juros dessas dívidas subissem poderia gerar um problema para essas economias. Mas atualmente são próximas de zero.
Michael Cordeiro
Michael Cordeiro 14.06.2021 16:53
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O PIB mede também os gastos do governo.Se o governo gasta muito, o PIB fica mais elevado e isso também pode gerar mais dívidas, dependendo da balança comercial e das reservas existentes no país.Por isso as maiores dívidas acabaram relacionadas aos maiores PIBs. Se a taxa básica de juros dessas dívidas subissem poderia gerar um problema para essas economias. Mas atualmente são próximas de zero.
osias dias
osias dias 14.06.2021 16:41
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Faço na verdade dois pedidos; 1. pode plotar no próximo artigo a curva de ascendência dos preços das commodities e projetar até onde ela vai pra começar a cair? 2. Como o dolar vai  se comportar como moeda forte de imediato, a medio e longo prazos? 3. A mesma pergunta para as criptomoedas. Parabens pelas tristes verdades que poderão trazer mais do que tristes verdades.
Valter de Cerqueira
ValterCerqueira 14.06.2021 16:22
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Investimentos diversificado, rendimentos atrelado a inflacão e em paises de1 mundo.
Alex Oliveira
Alex Oliveira 14.06.2021 16:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns, objetivo!
Sartana Johnny
Sartana 14.06.2021 16:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Próxima crise, CIBERNÉTICA
Alexi Fra
Alexi Fra 14.06.2021 15:14
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mais um ótimo artigo, simples e objetivo. parabéns.
henrique andreotti
henrique andreotti 14.06.2021 13:34
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mto bom;
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail