Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Homo Sapiens vs Homo Economicus: Você é Racional?

br.investing.com/analysis/homos-sapiens-vs-homo-economicus-voce-e-racional-200442090
Homo Sapiens vs Homo Economicus: Você é Racional?
Por Luís Antônio Dib   |  21.05.2021 11:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Por Luiz Antônio Dib e Marcos Avila (Especialista em Julgamento e Tomada de Decisão)

Para ajudar a responder essa pergunta, vamos começar com uma pequena fábula: “Era uma vez dois irmãos...

No primeiro dia do mês de março do ano de 2020, foi anunciada a primeira morte por Covid-19 nos Estados Unidos. Matt Colvin pulou com seu irmão Noah na SUV da família e eles foram às compras. Entraram nas lojas que viram pelo caminho: Walmart, Dollar Tree, Staples, Home Depot... O objetivo era comprar todo o estoque de álcool gel, máscaras e qualquer outra coisa que pudesse ser utilizada para lidar com a pandemia. Nos quatro dias seguintes, repetiram o ritual viajando mais de 2.000 quilômetros pelos estados do Tennessee e do Kentucky. Só que agora não mais na velha SUV, mas em um pequeno caminhão de aluguel. Imediatamente após a viagem, começaram a anunciar os produtos nas plataformas da Amazon (NASDAQ:AMZN) (SA:AMZO34) e do eBay (NASDAQ:EBAY) (SA:EBAY34). Um pacote de máscaras que fora comprado por dez dólares passou a ser vendido por até 120 dólares. O lucro médio inicial das vendas chegou a 1.000 %.

Antes de continuar, pare para refletir sobre o seguinte: você acha bonito o que os irmãos fizeram? Você teria feito o mesmo? E, sob uma ótica puramente econômica, aquela ação foi racional?

James Otteson achou bonito. O filósofo e economista norte-americano, professor da Universidade de Notre Dame e autor do livro ‘Os Fundamentos do Capitalismo’, concedeu entrevista em abril de 2020 sobre o assunto. O feito dos irmãos ganhara as páginas dos jornais, além de muitas críticas na mídia, mas Otteson afirmou que os irmãos fizeram algo natural e benéfico para a sociedade, embora parecesse “contra intuitivo”. Afinal, em uma situação de escassez, a demanda aumenta e se o preço não subir vai todo mundo correr para comprar. Por outro lado, se os preços subirem, só vai comprar quem de fato necessita. Além disso, o aumento nos preços incentiva os produtores a priorizarem o aumento da oferta e assim reduzir a escassez. Ou seja, a “calibragem” dos preços coordena a oferta e garante que os produtos estejam com quem mais precisa.

Otteson inclusive defendeu que essa solução de mercado dispensa a ação do governo e do sistema judiciário. O então presidente Donald Trump, que também soubera do feito dos irmãos pela mídia, estava defendendo uma legislação específica para coibir o que chamara de abusos. Outro professor famoso, Tyler Cowen, colunista da Bloomberg, também correu em defesa dos irmãos e contra a nova legislação, em um artigo de maio de 2020 publicado pela Promarket, da Universidade de Chicago. Para ele, embora a prática de aumento de preços (price gouging) seja impopular, os preços mais altos dão aos fornecedores incentivos para manter os produtos nas prateleiras e desencorajam a compra por pânico.

O único economista de renome que conseguiu explicar por que as pessoas leigas reagiram à história dos irmãos de modo tão diferente dos economistas foi um velho rebelde: Richard Thaler. Em artigo para o New York Times, no dia 20 de maio de 2020, ele argumentou que a sociedade não aceita que os preços subam de forma significativa em uma situação de emergência. Para ele o que estava em jogo, em uma única palavra, era simples: Fairness. Para nós faz-se mister traduzir: justiça, equidade, retidão, “fazer o que é certo”. Para Thaler isto é uma lei alternativa à lei econômica clássica da oferta e da procura. E, em alguns casos, muito mais verdadeira quando se quer entender como uma sociedade realmente funciona, não como os economistas acham que ela deveria funcionar. Junto com Daniel Kahneman e Jack Knetsch, Thaler já havia escrito sobre o tema no distante ano de 1986, no artigo ‘Fairness and the Assumptions of Economics’. É provável que Otteson e Cowen tenham faltado a essa aula.

Certamente os irmãos Colvin faltaram, pois eles se mostraram extremamente surpresos com a repercussão negativa de seu empreendimento. Depois que sua história acabou na mídia (e repercutiu nas redes sociais) a reação foi tão forte que a Amazon e o eBay suspenderam as vendas. Os irmãos amargaram um encalhe de dezessete mil garrafas de álcool gel, entre outros produtos, sem ter para quem vender. Finalmente, fizeram um acordo com a Corte de Justiça do Tennessee, onde estavam sendo processados, e doaram todo o estoque restante.

Ao fim de nossa fábula, o placar foi Economia Comportamental um a zero na Economia Clássica. Ou talvez tenha sido uma goleada, se pensarmos bem (o que diz o VAR?). Eu, você e todas as pessoas do mundo não somos racionais no sentido econômico tradicional. Nem o personagem Sheldon Cooper, da série ‘The Big Bang Theory’, uma espécie de Dr. Spock moderno, era perfeitamente racional. Para assim sermos, precisaríamos seguir em todos momentos de nossas vidas ao menos quatro premissas:

  • As pessoas são egoístas (seu único objetivo em qualquer decisão é o atendimento de seus interesses pessoais);

  • Emoções não influenciam as decisões (é uma variável absolutamente irrelevante);

  • Nossa capacidade cognitiva, de aprendizado e acesso à memória, é ilimitada (processamos assim toda informação pertinente para qualquer decisão); e

  • Nossas decisões seguem processos de otimização dos resultados (a expressão usual é “maximizar utilidade”).

Todos nós eventualmente desrespeitamos tais premissas em diversas decisões. Afinal somos homo sapiens, não homo economicus, esse ser fictício criado por economistas “clássicos” para que seus modelos possam funcionar e explicar alguma coisa do mundo. Nada contra modelos, todos eles são sempre uma simplificação da realidade e podem ser muito úteis, nos ajudando a focar em aspectos críticos ou permitindo fazer previsões aproximadas do que o futuro poderá trazer. O problema é confiar cegamente nos modelos, principalmente em situações onde já se sabe que as pessoas costumam “fugir” da racionalidade econômica.

Se você já se convenceu de não ser racional, que moral resta de nossa história? É importante notar que tudo que se aprende, por exemplo, em Finanças, tem por objetivo nos levar a tomar melhores decisões. Mas, os modelos e teorias pressupõem que as tomamos de modo racional (economicamente falando, seguindo as premissas). Esse mundo “ideal” de teorias normativas (e prescritivas) muitas vezes não se verifica na prática. Torna-se então importante pensarmos também em como as decisões são realmente tomadas, nas teorias descritivas desse processo. Ah, e nem sempre os modelos prescritivos efetivamente indicam o melhor caminho, existe espaço para decisões morais ou intuitivas. Diversos autores, como Daniel Kahneman no livro ‘Rápido e devagar: duas formas de pensar’, se aventuraram por esse caminho, digamos, “alternativo”. Isto é aplicável em Economia e Finanças, mas também em vários outros aspectos de nossa vida.

E, se você gostou deste singelo artigo, podemos nós trilhar o mesmo caminho, em artigos explorando novos aspectos da arte de fazer julgamentos e tomar decisões. Deixe seu comentário e participe desta conversa. Um forte abraço!

*Luís Antônio Dib é especialista e professor de julgamento e tomada de decisão do COPPEAD/UFRJ

Homo Sapiens vs Homo Economicus: Você é Racional?
 

Artigos Relacionados

Homo Sapiens vs Homo Economicus: Você é Racional?

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (16)
Arthur Araujo
Arthur Araujo 25.05.2021 18:41
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
eu concordo com o jeito que os irmãos ganharam dinheiro
Jhonathan José Oliveira Silva
Jhonathan José Oliveira Silva 25.05.2021 17:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom
Antonio Prestes
Antonio Prestes 24.05.2021 9:06
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Gostei, e salvei em meus arquivos.
Ed Carlos Dias
Ed Carlos Dias 24.05.2021 5:43
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns pelo artigo!
Gilberto Figueira da Silva
Gilberto Figueira da Silva 23.05.2021 16:31
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente artigo!! Não conhecia todos os detalhes da história dos dois irmão. Excelente exemplo ilustrativo do dilema que entitula o artogo. 👏🏻👏🏻👏🏻
Thiara Cortes
Thiara Cortes 23.05.2021 15:58
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom o artigo!!
Otavio Menoncello Neto
Otavio Menoncello Neto 23.05.2021 11:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
bom artigo. Quando do H1N1 estava em Madrid e um colega americano mostrou sua indignação quando o estoque de Tamiflu acabou nos EUA. Famílias estavam estocando o produto e a filha dele que tomava o remédio periodicamente ficou sem. Triste...mas é o que ocorreu no passado e o que ocorre hoje. aceitar que o mercado gerencie o preço/ oferta numa situação dessa é olhar só para os mais ricos...quanto vale uma vacina hoje ? ...vamos para EUA tomar uma vacina da J$J....um pulinho...Pena, mas é a realidade que buscamos/temos...e por mais que possamos criticar, numa situação de emergência, buscamos o que podemos fazer....mas incentivar ou apoiar algo disso...essa não...especialmente, como esse meu colega, teremos que buscar soluções extremas...
Otavio Menoncello Neto
Otavio Menoncello Neto 23.05.2021 11:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
bom artigo. Quando do H1N1 estava em Madrid e um colega americano mostrou sua indignação quando o estoque de Tamiflu acabou nos EUA. Famílias estavam estocando o produto e a filha dele que tomava o remédio periodicamente ficou sem. Triste...mas é o que ocorreu no passado e o que ocorre hoje. aceitar que o mercado gerencie o preço/ oferta numa situação dessa é olhar só para os mais ricos...quanto vale uma vacina hoje ? ...vamos para EUA tomar uma vacina da J$J....um pulinho...Pena, mas é a realidade que buscamos/temos...e por mais que possamos criticar, numa situação de emergência, buscamos o que podemos fazer....mas incentivar ou apoiar algo disso...essa não...especialmente, como esse meu colega, teremos que buscar soluções extremas...
Rosane Pintado
Rosane Pintado 23.05.2021 11:02
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente artigo.
Mauricio Diegues
Mauricio Diegues 23.05.2021 11:00
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito boa a reflexão para comparação do tipo de homo.
sirley leal
sirley leal 23.05.2021 10:59
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
coitados dos irmãos eles só queriam ganhar um dindin a mais. afinal ninguém comprar nada por obrigação 👏🏻👍🏻🙏🍀 bela matéria
Laura Poyares
Laura Poyares 23.05.2021 10:33
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom!
Edson Muylaert
Edson Muylaert 21.05.2021 19:54
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente artigo. Curioso como aquilo que o bom senso (e uma ética do coletivo) nos apontaria como sendo “o certo”, é contraposto à lógica da teoria econômica clássica. Excelente o caso para ensino e um belo aprendizado com apoio de Thaler. Já compartilhei!
Alexandre Godinho
Alexandre Godinho 21.05.2021 14:59
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito interessante esta dupla percepção do caso
marco antonio frankzhovitz
marco antonio frankzhovitz 21.05.2021 14:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
por mais artigos assim filósofo econômico
Luis Dib
Luis Dib 21.05.2021 14:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Adorei a classificação do artigo, obrigado!
henrique andreotti
henrique andreotti 21.05.2021 13:13
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Interessante; Difícil julgar...
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail