Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Pega ladrão (de bicicleta)

Publicado 22.01.2024, 16:28
Atualizado 09.07.2023, 07:32

Este texto contém spoilers.

“Ladrões de Bicicleta” é um de meus filmes favoritos. O neorrealismo italiano em sua máxima potência. Não há maniqueísmo, discurso de coach, frases motivacionais, final feliz. A realidade, tal como ela é, crua e impiedosa, sem julgamentos.

PROMOÇÃO DO INVESTINGPRO: Tenha 10% de desconto adicional na promoção de Ano Novo, que já possui preços até 50% OFF. Use o cupom "INVESTIR" para o plano Pro+ anual ou “investirmelhor1” para o plano Pro+ 2 anos. Apenas até 31 de janeiro!

Roma está empobrecida e sem perspectiva no pós-guerra. Antonio Ricci procura um emprego. Surge uma oportunidade para colar cartazes pela cidade. O trabalho exige uma bicicleta. Sua esposa Maria vende os lençóis de casa para poder comprar a bike. A mudança de vida é iminente.

Poucos dias depois de conseguir o emprego, no entanto, Antonio tem sua bicicleta roubada. Persegue o ladrão, sem sucesso. Vai à polícia, que também não faz muita coisa. Passa a contar apenas com a ajuda de amigos próximos, mas eles mesmos acabam desviando-se do propósito original, conforme as vicissitudes e adversidades da caminhada se ampliam. Resta a Antonio a companhia apenas de seu filho.

Quando finalmente encontra o ladrão de sua bicicleta e percebe que nada poder fazer, Antonio se desespera. Vai acabar perdendo o emprego e, com isso, toda a perspectiva de alimentar sua família e de prover condições mínimas para uma vida razoável. Então, no ápice da angústia, ele mesmo acaba se transformando num ladrão de bicicleta, contra seus princípios e a honra de uma família reta.

Antonio Ricci se torna aquilo que mais repudiava. “What you fear the most could meet you halfway”, alertaria Eddie Vedder. “Eu sou eu e minha circunstância”, na sabedoria de Ortega y Gasset.

Os índices de ações norte-americanos renovam recordes históricos em 2024. O japonês Nikkei atingiu seu maior patamar em 34 anos. Enquanto isso, o Ibovespa cai 4,88% em janeiro. O SMAL11 (BVMF:SMAL11) recua ainda mais, 5,35%. Depois do rali de novembro e dezembro, seria natural alguma correção. Ok, normal. Também somos mais sensíveis ao comportamento do yield dos Treasuries, como qualquer outro mercado emergente. Sim, sofremos ainda com o impasse na MP das desonerações (com toda sua preocupação fiscal) e com uma deterioração, na margem, das perspectivas de inflação no Brasil, a partir de uma dinâmica um pouco pior para os alimentos. Mas tudo somado não parece ser suficiente para explicar o desempenho tão ruim das ações brasileiras neste início de 2024.

Identifico um elemento técnico importante nessa performance. Muitos investidores institucionais locais tiveram um ano de 2023 bastante ruim. Já vinham sofrendo com resgates desde julho de 2021, quando o início da preocupação inflacionária e fiscal no Brasil catalisou um movimento de altas nos juros. Todo o interesse foi canalizado para LCIs, LCAs, LIGs, CRIs, CRAs, junto ao infindável número de artigos incentivados brasileiros. Então, em 2023, os multimercados locais tradaram Bolsa terrivelmente mal.

Essa turma vendeu no começo do ano com medo do Lula. Vendeu mais ainda na crise dos bancos regionais em março. Então, o Fed conteve a crise, veio o arcabouço fiscal brasileiro, a reforma tributária… Haddad se aproximou de Roberto Campos Neto e surpreendeu positivamente o mercado. Um grande rali entre abril e junho. “Opa, agora vai.” Então, o pessoal voltou a comprar no final do primeiro semestre. A economia norte-americana se mostrou mais forte do que o esperado, fomos para um cenário de “no landing”, sem muita demanda por Treasuries e com uma trajetória fiscal ruim nos EUA. Os yields dos Treasuries dispararam e castigaram as bolsas. “Ixi, o juro vai explodir lá fora. Melhor vender ações.” Chegamos ao final de outubro. A atividade começou a arrefecer nos EUA e a inflação cedeu. Rali enorme. A turma volta a ficar com medo de ficar de fora e compra acima dos 130 mil pontos. Bolsa tinha virado consenso.

Exemplo real da descrição de livro-texto sobre overtrading. A famosa corrida atrás do rabo. Ocorre que entramos em 2024 e os ativos de risco brasileiros começaram a ir mal. O investidor deu aquela virada no calendário, planejamento para o próximo ano. Viu as performances ruins para trás (certo ou errado, é assim que funciona) e apertou o botão para sacar. A volatilidade corrente da cota estimula o movimento adverso. O gestor resolve sair do risco.

Na hora do desespero, todos se assustam e acabam vendendo. O tal investidor fundamentalista vira trader de curtíssimo prazo, ávido pelo próximo evento capaz de guiar a ação. Torna-se aquilo que sempre detestou. Era comprador de Itaú de longo prazo, interessado na gestão superior e na cabeça de engenheiro, com capacidade de se adaptar às mudanças de cenário, muito mais do que Santander (BVMF:SANB11) e Bradesco (BVMF:BBDC4). Na segunda-feira de manhã, está perseguindo aluguel de ITUB, “porque a recompra vai precisar parar no período de blecaute pré-resultado.”

Existe uma ideia de que só o investidor pessoa física, novato, incorre nesse tipo de comportamento. Não é verdade. A crença reflete apenas o ar de superioridade moral e intelectual da Faria Lima, absolutamente desprovida de evidência empírica. Aliás, em 2023, quem vendeu nas mínimas e comprou nas máximas foi o institucional local.

É evidente que o comportamento fere o princípio elementar das finanças: compre barato, venda caro. Mas há explicações.

A maior parte dos modelos de alocação é feita a partir do conceito de VaR (valor em risco ou value at risk). Conforme a volatilidade aumenta, o modelo entende como um incremento no risco. Então, cospe uma alocação sugerida mais conservadora. O alocador de recursos, se segue seu modelo de risco, se vê obrigado a diminuir ainda mais as posições. Ele vende, o que aumenta a volatilidade, alimentando um ciclo vicioso.

As Finanças Comportamentais oferecem uma outra perspectiva igualmente problemática para situações extremas e de perigo. Empiricamente, foi constatado que as pessoas não são sempre avessas ou dispostas ao risco. A sua disposição a risco é afetada pelas circunstâncias. Em situações de prejuízo ou de perigo, tendemos a ser dispostos a risco. Quando estamos mais confortáveis, preferimos ser conservadores. Isso é bastante perigoso, porque quando a Bolsa cai e estamos no prejuízo, podemos aumentar as chances de fazer mais bobagem.

É curioso como a dinâmica se repete nas finanças e na saúde física. Na semana passada, gravei um podcast sobre “saúde financeira” com o querido Marcio Atalla (aliás, uma curiosidade interessante: ele me confidenciou ter estudado na mesma sala no colégio militar com um jovem chamado André Esteves, que disputava em todas as matérias o posto de Marechal, o título conferido ao melhor aluno — sim, o sucesso não é uma frase de efeito no Instagram, mas uma construção de décadas). Marcio, que é insuportavelmente bonito, inteligente e educado (além de ídolo da minha mãe e da minha esposa ao mesmo tempo!), me contou como as pessoas tendem a tomar atitudes destruidoras de sua saúde, sobretudo em momentos de desconforto.

A performance dos ativos de risco brasileiros é desconfortante neste início de 2024. A tentação para se fazer besteira é grande. Por mais desesperadora que a situação possa ser, roubar uma bicicleta na frente do seu filho pode ter consequências muito mais deletérias. O ambiente econômico e financeiro será melhor neste ano. No bull market, a estratégia de “buy and hold” faz você ganhar dinheiro de verdade no “hold”. Aguente firme.

Últimos comentários

Ótima visão!
excelente! parabéns pela exposição. Vamos segurar as posições, que no final vai dar tudo certo!!!
se é ladrão tá falando do Lul4lá
aceita que dói menos kkkchupetinha
Ladões de Bicicleta é um filme ícone. Ladrão de joias é um fato. Lula só é ladrão no teu mundo imaginário. Veja que o arqui-inimigo do Lula ( o, aí sim, juiz ladrão ) não conseguiu 1 prova sequer contra Lula, tendo à disposição as melhores ferramentas do mundo na Polícia Federal e na Abin. Então, meu caro, cai na real; para não cair da bicicleta.
Muito bem redigido, realmente: magnifico na Sintaxe e nas tais metonímias.
Achei que era uma paródia sobre como a extrema necessidade pode transformar uma pessoa comum num ladrão. Tem gente que acha que o motivo está só no DNA
POSTAGEM 4 e ÚLTIMA.  Nesse sentido, Felipe Miranda recomenda aos investidores que fiquem firmes em suas posições e que aproveitem a oportunidade para comprar ações baratas. Conclusão FM faz uma analogia interessante entre a performance do mercado de ações e a vida de Antonio Ricci, o protagonista do filme "Ladrões de Bicicleta".  Antonio Ricci é um trabalhador honesto que perde sua bicicleta e, no desespero, acaba se tornando um ladrão.  Então, FM está a  alertar os investidores para o risco de tomar decisões precipitadas e de se tornarem aquilo que mais repudiam.
Aquilo que mais repudiam: traders de curtíssimo prazo
POSTAGEM 3. As Finanças Comportamentais mostram que as pessoas não são sempre avessas ao risco. Na verdade, sua disposição a risco é afetada pelas circunstâncias. Em situações de prejuízo ou de perigo, as pessoas tendem a ser mais dispostas ao risco. Fim: O autor conclui o texto alertando os investidores para o risco de tomar decisões precipitadas.  Ele afirma que a performance dos ativos de risco brasileiros é desconfortante no início de 2024, mas que o ambiente econômico e financeiro será melhor neste ano.
POSTAGEM 2: Meio: O autor então identifica um elemento técnico importante para explicar a performance do mercado brasileiro: o comportamento dos investidores institucionais locais.  Em 2023, esses investidores tiveram um ano ruim no mercado de ações. Eles venderam suas posições em diversos momentos, influenciados por fatores como a eleição presidencial, a crise dos bancos regionais e a alta dos juros. O autor explica que esse comportamento é um exemplo de overtrading, ou seja, de negociação excessiva. Os investidores estão vendendo suas posições com base em emoções e não em fundamentos. Eles estão deixando que o medo e a ansiedade guiem suas decisões. O autor também cita as Finanças Comportamentais para explicar essa forma de agir.
POSTAGEM  A pedido do meu amigo TUTUCA, que está começando na Bolsa, vou explicar esse texto do FM, que é é meio rebuscado. Vou dividir em algumas postagem, em razão da limitação de texto.  Segue-se minha análise. Início:  O autor do texto começa comparando a performance do mercado de ações brasileiro com a do mercado norte-americano. Enquanto os índices de ações dos EUA estão em alta, o Ibovespa está em queda. O autor aponta alguns fatores que podem explicar essa diferença, como o impasse na MP das desonerações, a deterioração das perspectivas de inflação e a sensibilidade do mercado brasileiro ao comportamento do yield dos Treasuries.
Excelente artigo, estou aprendendo a alguns anos sobreviver no mercado financeiro, agora ja me sinto mais confortável com essas oscilações, vejo oportunidade
Aqui os politicos gostam de milhões e não de bicicletas!!! Todo cuidado é pouco com um governo de esquerda!!!$$
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.