Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Qual é a Hora Certa Para Comprar uma Ação?

Publicado 30.01.2022, 12:00
Atualizado 29.08.2023, 23:01

Uma das decisões mais difíceis para o investidor é escolher a hora certa de transformar CAIXA em POSIÇÃO: comprar aquela ação na qual se está de olho faz tempo costuma ser difícil quando não se tem parâmetros corretos sobre CARO e BARATO. Nesse texto, pretendo desenvolver alguns raciocínios que auxiliem essa análise.

Antes de começar: àqueles que esperam esse momento chegar com base na queda semanal/mensal do papel, sinto decepcionar: market timing guiado por oscilações diárias é uma grande perda de tempo. Ninguém sabe o que acontecerá com as cotações no curto prazo. No mercado há os que acham que sabem e os que sabem que não sabem. Ponto!

O que os grafistas chamam de correções, normalmente são investidores de varejo vendendo posições por pura aversão ao risco, uma grande gestora ajustando seu portfólio, um grande fundo institucional tomando um short squeeze e por aí vai. Aliás, essas “correções” costumam ser desencadeadas umas pelas outras. É o tão conhecido Efeito Manada. O dinheiro trocando de mão. Citando uma frase que gosto muito, “o mercado é um grande cinema cheio, com saídas estreitas, onde alguém grita – FOGO!”

Então vamos fazer a pergunta correta: Com base nos fundamentos, qual é a hora certa para se comprar uma ação?

Imagine que você esteja namorando uma empresa premium: líder de mercado, entrega resultados excelentes trimestre a trimestre, expande suas operações, uma máquina de fusões e aquisições (M&As), implacável com a concorrência, agregando dia a dia mais valor à marca. Historicamente, é negociada a 60x lucro e 30x EV/Ebitda.

Nos últimos nove meses, seu preço de tela caiu 50% e ela passou a negociar a 13x lucro e 7x EV/Ebitda. Estaríamos diante de uma pechincha? Não é tão simples. 

O primeiro passo é entender a natureza da empresa inserida no cenário macroeconômico:

- As empresas cíclicas (exemplo: varejo doméstico) costumam apanhar mais quando há uma deterioração na perspectiva macroeconômica. O aumento no juro longo causa variação na taxa de desconto (wacc) alterando seu valuation e puxando seu preço justo para baixo.

- As empresas de ciclo longo (exemplo: construtoras), grosso modo, são impactadas muito mais pelo ciclo de vida do seu próprio produto/setor do que pela economia.

- As empresas não-cíclicas (exemplo: algumas commodities) sofrem mais com as leis globais de mercado (oferta e demanda), tendo menor dependência do cenário doméstico. Quem define o preço do petróleo Brent é o aumento ou a redução da produção de petróleo, principalmente pela Arábia Saudita e Rússia - um equilíbrio artificial e perigoso, como já pudemos observar num passado não muito distante.

- Já as empresas perenes ou acíclicas (exemplo: transmissão de energia) normalmente prestam serviços essenciais e possuem contratos longos, receitas previsíveis e alta taxa de payout, deixando até 95% dos lucros aos seus acionistas na forma de proventos. Tal previsibilidade tem seu preço: dificilmente elas crescem.

Entendendo sua natureza, a fase do ciclo no qual ela se encontra e ainda assim chegando à conclusão de que houve uma queda sem sentido frente a resultados crescentes (ou estáveis), passamos a observar aspectos mais qualitativos:

- Houve uma mudança no racional que possa ter causado tamanha queda?

- Os moats (barreiras de entrada) estão se enfraquecendo e novos players estão se consolidando?

- A controladoria mudou ou sua estratégia foi modificada?

- A percepção de seus produtos/serviços está mudando?

- Uma nova tecnologia pode tornar seus produtos/serviços obsoletos?

Boa parte dessas informações está nos fatos relevantes e resultados trimestrais divulgados. Mas as entrelinhas, as “letras miúdas”, estão no conhecimento do seu mercado de atuação. Para o sucesso de um investimento, é fundamental entendê-lo.

Se a resposta para todas as perguntas acima for NÃO, a chance de se fazer um ótimo negócio está mais perto de se manifestar.

Por que o preço da ação caiu tanto? Foi a crise ou a pandemia?

Os modelos econométricos ajudam nas tomadas de decisão, mas são imperfeitos por trazerem uma perspectiva futura com base no passado. Um bom exemplo é a dificuldade em se precificar o crescimento das empresas de tecnologia através do valuation tradicional. Seus múltiplos costumam ser muito mais esticados, fazendo com que os preços apresentem altíssima volatilidade, principalmente em momentos de instabilidade econômica.

O fator “estômago” também impacta os preços no curto prazo. Investidores são seres imperfeitos, posto que são... humanos! Queda atrai queda. Em cenários mais desafiadores, a migração para ativos menos arriscados - muitas vezes realizando prejuízo - faz parte da da natureza humana. “A razão é uma grande emoção criada pela necessidade de controle”.

Qual é a Hora Certa de Comprar uma Ação?

Sinto decepcioná-los, mas não existe resposta para essa pergunta. Depois de muita análise, o que podemos concluir é qual a hora menos arriscada para se investir tendo como base uma maior margem de segurança. 

Se os múltiplos estão atrativos, os lucros continuam constantes, a empresa cresce orgânica e inorganicamente, sua marca se torna cada vez mais sólida e a queda é generalizada, é muito provável que seja um bom momento de se colocar o ativo no seu cofre.

Lembre-se: 10 entre 10 investidores de longo prazo esperam ansiosamente pelas crises (ou correções).

Isso é observável nos discursos de Luis Alves, Barsi, Buffett, Fisher, Dalio, Lynch... Todos afirmam que nas crises nascem as melhores chances de se fazer fortuna. E pelo mesmo motivo para todos: pagar barato por algo muito bom aumenta substancialmente sua margem de segurança. E no longo prazo não é o mais rápido que bate o mercado, mas aquele que consegue errar menos enquanto desenvolve a virtude da paciência. 

Últimos comentários

Gosto de resumir assim: procure uma boa empresa que caiu bastante. Responda a pergunta: Porque ela caiu? Se for transitório o motivo (analise os "ventos" do mercado). Procure o "fundo" via "cargas de profundidade" como um "caça pau" (navios impróprios para caçar submarinos em mar aberto mas que nossos antepassados, buscando vingança iam atrás U Boats em nossa costa faziam.
Faltou o principal: decida o montante que vai investir e FAÇA PREÇO MÉDIO. Vai comprar 20 paus? Faça blocos de 2 mil reais.
Excelente artigo, muito bem escrito.
Este é o mini-currículo do autor: “MBA em Investment & Private Banking e Relações Internacionais, sou consultor de investimentos de investidores qualificados e profissionais, apaixonado por macroeconomia e por análise fundamentalista.”
Disse tudo! Perfeito! Infelizmente quase ninguém segue estas regrinhas. Por quê será? Por qual razão será? Parabéns ao autor.
Porquê a maior parte não consegue entender um texto que lê, são vítimas de um sistema educacional muito ruim, que ao invés de matemática ,química, história , geografia, ensina pautas identitárias.
texto muito bom ! parabens!
Que tal aprender um pouco mais analise grafica e aplicar na variacao de preco em papeis de primeira linha... assim voce vai saber quando entrar, quando sair e quando deixar seu din din descansando no prazo adequado antes de entrar em nova pernada !
Todo mês, no dia do pagamento.
Paciência é a palavra chaveNa crise se cria varias oportunidades, porisso meu avo já dizia q não se deve confiar em ninguem.Talvez esse vírus veio com certeza para superfaturar alguma nação e consequentemente oportunistas proficional no mercado financeiro em busca de enriquecimentos lícitos.Estamos nesse barco, mais desejar o pior para se ter lucro é dificil.
Doido
Excelente artigo!!
parabéns muito bom .. show
Parabéns! Artigo top.
paciência é a palavra. parabéns ! ótimo artigo.
Muito bacana! Parabéns pelo artigo!
excelente artigo, até deixar salvo para reler
primeiro artigo que vejo aqui que valeu a pena ler cada palavra. parabéns.
MUITO BOM O ARTIGO👍👏
Ótimas observações! 👏🏻👏🏻👏🏻
artigo de luxo!!! parabéns....
A GOGL34 e AAPL34 seriam bons papeis de compra no momento?
top ...
Se o Ladrão Lula for eleito, isso aqui vai virar uma ditadura nos moldes chineses. Deus nos livre!A materia no fim afirma que pra quem investe no longo prazo, nas crises e correções sao os melhores momentos.
acredito q nesse desgoverno do bozo a oportunidade apareceu pra todos. Hoje ele acabou com perspectivas de todas as empresas e derrubou praticamente todas.escolha 1 e invista pesado porq o proximo governo vira pra alavancar todas e o lucro vira.
 Pare de falar m*rda. O PR não tem nada a ver com o mercado de ações, imbecil.
Com Lula eleito, toda certeza, qualquer hora é hora de ir às compras…
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.