⌛ Perdeu a alta de 13% da ProPicks em maio? Assine agora e receba mais cedo as ações de Junho.Desbloquear ações

Com fim da crise de covid, lucro de farmacêuticas cai 27%

Publicado 20.02.2024, 06:00
Com fim da crise de covid, lucro de farmacêuticas cai 27%
AZN
-
PFE
-
MRNA
-

Os ganhos das 10 maiores farmacêuticas passou de US$ 135 bilhões em 2022 para US$ 99 bilhões em 2023. O fator que mais contribuiu com a queda de 27% foi a redução na venda de vacinas e remédios contra a covid-19.

O levantamento foi feito pela Elos Atya consultoria a pedido do Poder360.

As empresas que registraram a maior redução no lucro foram Merck e Pfizer (NYSE:PFE). Ambas tiveram redução do lucro superior a 90%. No caso da Merck, o remédio anticovid Lagvrio puxou o recuo. No da Pfizer, a vacina contra a covid e o remédio Paxlovid lideram a redução.

Johnson & Johnson e Novartis tiveram, na contramão da tendência na big pharma, aumentos expressivos na lucratividade. Em ambos os casos, foram crescimentos atípicos.

No caso da Johnson & Johnson, a empresa promoveu a cisão de sua unidade de produtos pessoais, a Kenvue, em 2023, o que contribuiu para um lucro de US$ 13 bilhões que não se repetirá. A Novartis também informou em seu balanço ganhos extraordinários relacionados ao câmbio.

Especulação

Em valores absolutos, o maior tombo na lucratividade foi da Pfizer. A maior farmacêutica do mundo lucrou US$ 31 bilhões em 2022, um recorde.

O balanço anual da Pfizer de 2022 cita a seguinte frase do CEO Albert Bourla: “O ano de 2022 foi de recordes para a Pfizer. Não apenas em termos de receita e de lucro por ação, os maiores de nossa longa história, mas de forma mais importante, em termos do percentual de pacientes que têm uma percepção positiva da Pfizer e do trabalho que fazemos”.

O recorde da lucratividade da empresa se deveu à venda dos produtos contra a pandemia. Passada a crise sanitária, no entanto, o lucro da empresa caiu a US$ 2 bilhões em 2023.

As receitas da empresa passaram de US$ 100 bilhões em 2022 para US$ 58,5 bilhões. Em nota enviada ao Poder360, a companhia diz que a redução de receita está “exclusivamente relacionada aos produtos da covid“.

Desde dezembro de 2021, o valor das ações da empresa caiu 53%. Em 16 de fevereiro de 2024, estava em patamar inferior ao de janeiro de 2021, quando sua vacina contra a covid começava a ser aplicada.

Trajetória semelhante se deu com outra fabricante de vacinas, a Moderna (NASDAQ:MRNA). Em 2021, suas ações chegaram a uma espetacular valorização de 122%. Depois disso, tiveram queda vertiginosa.

Assim como acontece com a Pfizer, o valor das ações da Moderna atualmente é inferior ao do início de 2021.

Desigualdade de acesso

Houve durante toda a pandemia um grande problema de desigualdade de acesso à vacina e a medicamentos.

Nos países mais pobres, até agora, só 1 em cada 3 habitantes foi vacinado contra a covid, mostram os dados mais recentes do projeto Our World in Data.

O trabalho de pesquisadores contratados pelas grandes farmacêuticas foi importante para o mundo conseguir sair com menos mortes de um dos eventos de saúde mais graves em um século.

Há críticas, no entanto, sobre o boom de lucratividade do setor no momento em que vários países perdiam vidas por falta de vacinas e de remédios.

“Essa lucratividade alta que houve durante determinado período serve como colchão para conseguirmos desenvolver produtos para que não tenhamos uma próxima pandemia mais grave”, defende Nelson Mussolini, presidente-executivo do Sindusfarma, o sindicato da indústria farmacêutica no Brasil.

Organizações como a Médicos Sem Fronteiras pressionam pela quebra de patentes de vacinas ou transferência de tecnologia. Criticam, especialmente, o fato de ter havido um grande investimento de recursos públicos na pesquisa.

Como já mostrou o Poder360, foram US$ 7,6 bilhões recebidos pelo setor farmacêutico para conduzir as pesquisas e aos contratos de compra antecipada de ao menos US$ 45 bilhões, antes mesmo de saber se os imunizantes passariam pelos testes e teriam o aval das agências regulatórias.

Os críticos dos lucros das farmacêuticas dizem que as próprias empresas não tinham condições de produzir e entregar os produtos a todo o mundo na velocidade necessária e que, para proteger altas margens de lucro, impediram que fábricas em outros países pudessem ser usadas para ajudar o mundo a defender a população dos países pobres mais rapidamente.

Metodologia

A seleção das 10 maiores farmacêuticas considera o ranking de maiores receitas de 2023 da Evaluate Pharma. O novo ranking, a ser divulgado neste ano, pode ter a entrada da Novo Nordisk, que relatou em seu balanço lucro líquido de US$ 12 bilhões impulsionado pelo remédio Ozempic, usado para emagrecimento. Diferenças em relação aos dados do levantamento anterior do Drive se devem a mudança na data de câmbio considerada.

Leia mais em Poder360

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.