Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

Em dia de agenda vazia e liquidez baixa, dólar recua 0,23% com ajustes

Publicado 26.02.2024, 15:37
Atualizado 26.02.2024, 18:42
© Reuters.  Em dia de agenda vazia e liquidez baixa, dólar recua 0,23% com ajustes

Após três pregões consecutivos de alta, em que subiu 1,24% e se aproximou do nível psicológico de R$ 5,00 no fechamento, o dólar à vista abriu a semana em leve queda no mercado doméstico de câmbio. Segundo operadores, as perdas da moeda americana em relação ao euro e a algumas divisas emergentes pares do real, como o pesos mexicano e colombiano, abriram espaço para ajustes e movimentos pontuais de realização de lucros.

Apesar do leve refresco hoje, analistas afirmam que o real e seus pares latino-americanos ainda estão sob pressão diante do rearranjo das apostas em torno do início e da magnitude do cortes de juros pelo Federal Reserve. Na quarta-feira, 28, sai a segunda leitura do PIB americano no quatro trimestre de 2023. Mais esperado, o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) - medida de inflação preferida pelo banco central americano - será divulgado na quinta-feira, 29. Por aqui, amanhã o IBGE informa o IPCA-15 de fevereiro.

À espera da agenda carregada da semana e sem fatos novos para sustentar apostas mais contundentes, o mercado trabalhou em ritmo lento e com liquidez reduzida. Com oscilação de menos de três centavos de real entre a mínima (R$ 4,9710) e a máxima (R$ 4,9960), o dólar à vista fechou a R$ 4,9815, em queda de 0,23%. Principal termômetro do apetite por negócios, o contrato de dólar futuro para março movimentou menos de US$ 10 bilhões. Em fevereiro, a moeda americana apresenta ganhos de 0,90%.

Segundo a economista Cristiane Quartaroli, do Ouribank, a cautela pautou os negócios hoje, com investidores na expectativa, sobretudo, pela divulgação do PCE, que pode ratificar a perspectiva de corte de juros nos EUA apenas a partir de junho ou julho. "Com isso, embora a taxa de câmbio esteja cedendo hoje sem um grande motivo aparente, ainda está em nível elevado", afirma Quartaroli.

No exterior, o índice DXY - termômetro do comportamento do dólar em relação a seis moedas fortes - trabalhou em queda moderada, abaixo da linha dos 104,000 pontos, sobretudo em razão de perdas de cerca de 0,20% da moeda americana em relação ao euro. O dólar apresentou comportamento misto na comparação com divisas emergentes e de países exportadores de commodities. As principais divisas latino-americanas, à exceção do peso chileno, avançaram após o tombo da semana passada.

Para o economista-chefe da Frente Corretora, Fabrizio Velloni, o nível atual da inflação nos EUA, se ratificado pelo PCE, tende a castigar as moedas emergentes, uma vez que leva parte do mercado a trabalhar com a possibilidade de que não haja redução de juros pelo Fed ainda no primeiro semestre.

"Tenho uma grande dúvida sobre como será a postura do Copom com esse ambiente de juros nos EUA. Na minha visão, se o Banco Central brasileiro continuar nesse ritmo de cortes mesmo com os níveis atuais das taxas americanas, o real pode ser mais pressionado", afirma Velloni.

À tarde, a da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) informou que a balança comercial brasileira teve superávit de US$ 1,484 bilhão na quarta semana de fevereiro (dias 19 a 25). No mês, o superávit acumulado é de US$ 4,571 bilhões e, no ano, de US$ 11,097 bilhões.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.