Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Dólar sobe 0,64% e acumula alta de 1,17% na semana

Moedas24.09.2021 18:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Dólar sobe 0,64% e acumula alta de 1,17% na semana

A onda de fortalecimento global da moeda americana - que subiu tanto em relação a divisas fortes quanto emergentes - pautou os negócios no mercado doméstico de câmbio nesta sexta-feira, 24, e levou o dólar à vista a se consolidar acima do patamar de R$ 5,30, encerrando a semana com valorização acumulada de 1,17%.

Esta semana foi marcada pela sinalização do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, de que o início da redução da compra mensal de bônus ('tapering') deve começar em novembro e pelos temores relacionados aos desdobramentos crise de solvência da incorporadora chinesa Evergrande (OTC:EGRNY) sobre os mercados imobiliário e financeiro.

No front doméstico, as atenções dos investidores estiveram voltadas à busca de uma solução para o pagamento de precatórios, em meio à nova proposta de PEC, e à tramitação da reforma do Imposto de Renda no Senado - ambos essenciais para seja possível compatibilizar o programa social Auxílio Brasil com o cumprimento do teto de gastos, a âncora fiscal do país. Ontem à noite, em sua tradicional live às quintas-feiras, Bolsonaro afirmou que, se a equipe econômica conseguir, o Auxílio Brasil pode até superar os R$ 300.

Isso tudo em meio a um cenário econômico desafiador, marcado por aceleração da inflação e rebaixamento das expectativas para o crescimento do PIB neste ano e no próximo - o que aviva os receios de que o presidente apoie a extensão de benesses sociais em sua busca pela reeleição.

Pela manhã, o IBGE divulgou que o IPCA-15 de setembro foi de 1,14%, no teto das expectativas do levantamento do Projeções Broadcast, o que levou a variação acumulada em 12 meses a 10,05%. Dada à sinalização do Copom em seu comunicado na quarta-feira (22), quando elevou a Selic de 5,25% para 6,25%, a maioria dos analistas mantém, por ora, a perspectiva de nova alta de 1 ponto porcentual da taxa básica em outubro (25 e 26).

Refletindo a busca dos investidores por proteção, o dólar à vista operou em alta desde a abertura dos negócios, sempre acima da linha de R$ 5,30, e correu até a máxima de R$ 5,3549 ainda pela manhã. Depois de passar a tarde rodando na casa de R$ 5,34, a moeda americana encerrou o pregão em alta de 0,64%, cotada a R$ 5,3438 - maior nível de fechamento desde 23 de agosto (R$ 5,3820). Em setembro, o dólar acumula valorização de 3,32%.

Lá fora, o dia foi marcado pela informação de que a Evergrande teria deixado de honrar o pagamento de juros programados para ontem, o que elevou os temores de eventual insolvência da incorporadora - evento cujos reflexos sobre a economia chinesa e, por tabela, mundial ainda não estão totalmente mapeados.

Nas mesas de operação também foram monitoradas falas de dirigentes do Fed que ratificaram a percepção da iminência do tapering. A presidente do Federal Reserve de Kansas Citi, Esther George, disse que, com inflação "bem acima da meta" e taxa de desemprego em 5,3%, "a justificativa para continuar" com a compra mensal de ativos diminui. Já a presidente do Fed em Cleveland, Loretta Mester, afirmou que as compras de ativos já não funcionam como antes e que apoia o início do tapering em novembro, além de alta de juros no fim de 2022.

O diretor de estratégia da Inversa Publicações, Rodrigo Natali, destaca o movimento de alta expressivo do yield da T-note de 10 anos, que atingiu hoje 1,46%, e o fortalecimento do dólar nos últimos dias. "Por mais evasivo que o Fed possa ser, o fato é que estamos chegando perto do tapering, que só não vira em novembro se houver algum problema grave. O mercado está acostumado aos estímulos e isso vai mudar", diz Natali, ressaltando que a diminuição da liquidez tende a carregar recursos para os Estados Unidos e fortalecer o dólar.

Natali não considera que o real possa se beneficiar do aumento da taxa Selic, já que, dada a inflação, o juro real ainda não é atraente. Além disso, os problemas domésticos, com as disputas político-institucionais, turvam o horizonte econômico e inibem a atração de recursos estrangeiros. "A verdade é que o Brasil não está no mapa do carry trade. Os grandes hedge funds tem sido bem sucedidos na própria Bolsa americana e no dólar lá fora. Pode até vir algum recurso para cá, mas nada expressivo", afirma o diretor da Inversa.

No exterior, o índice DXY - que mede o desempenho do dólar em relação a seis divisas fortes - operou em alta firme, na casa dos 93,300 pontos. A moeda americana também subia em bloco na comparação com divisas emergentes e de países exportadores de commodities, com destaque para o rand sul-africano (+1,52%) - que vinha de uma performance superior a de seus pares - e a lira turca (1,29%), ainda na esteira do corte de juros pelo Banco Central da Turquia ontem.

"Acreditamos que o Fed hawkish e os riscos atuais na China vão ajudar a sustentar o rali do dólar no exterior", afirmam, em relatório, os estrategistas de mercados do Brown Brothers Harriman (BBH) Win Thin e Ilan Solot, para quem o dólar tende a se beneficiar tanto de dados positivos da economia americana quanto de episódios de risk-off nos mercados internacionais. "Essa dinâmica esteve em presente em grande parte deste ano e vemos isso continuar até o fim de 2021".

Dólar sobe 0,64% e acumula alta de 1,17% na semana
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail