Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

3 Fatores Podem Fazer o Petróleo Atingir Três Dígitos em Breve

Por Andy HechtCommodities15.06.2021 09:57
br.investing.com/analysis/3-fatores-podem-fazer-o-petroleo-atingir-tres-digitos-em-breve-200442593
3 Fatores Podem Fazer o Petróleo Atingir Três Dígitos em Breve
Por Andy Hecht   |  15.06.2021 09:57
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Este artigo foi escrito exclusivamente para o Investing.com. Publicado originalmente em inglês em 14/06/2021

  • Petróleo registrou nova máxima plurianual na semana passada – Próximo alvo técnico abre caminho para preços de três dígitos
  • Tempestade perfeita para a alta do petróleo
  • Fator 1: política energética nos EUA
  • Fator 2: Inflação
  • Fator 3: Demanda só tende a crescer – Fique de olho no comportamento dos preços de outras duas commodities energéticas

O mercado e o mundo ficaram chocados quando o contrato futuro do barril de petróleo na Nymex atingiu a cotação de US$ -40,32 em 20 de abril de 2020. Desde que o petróleo futuro começou a ser negociado na divisão da Nymex na CME, em 1983, os preços do barril jamais haviam ficado abaixo de US$9,75. Neste século, a mínima foi de US$16,70 antes daquele fatídico dia.

Desde aquela mínima histórica de abril de 2020, o petróleo não parou de subir. O contrato da Nymex teve uma impressionante recuperação e fechou 2020 a US$48,42 por barril. Em 2021, o preço continuou em disparada. O barril de petróleo não é negociado abaixo de US$50 desde a primeira semana deste ano. E não fica abaixo de US$60 desde a correção que fez a commodity energética atingir US$57,25 no fim de março. Na semana passada, o preço do barril superou a marca de US$70 pela primeira vez desde outubro de 2018.

Temos visto diversas commodities atingindo máximas plurianuais nas últimas semanas e meses. As mais recentes foram o cobre, a madeira serrada e o paládio, que registraram novos picos históricos em maio. O ouro atingiu seu preço mais alto na história em agosto de 2020. Nos últimos meses, diversas commodities agrícolas tocaram máximas plurianuais, juntamente com outras matérias-primas. Apesar de muitas delas terem recuado em relação a essas máximas, na semana passada foi a vez do petróleo se valorizar.

O petróleo não para de subir, registrando máximas e mínimas ascendentes nos últimos 14 meses. A tendência deve continuar e fazer a commodity energética atingir novas máximas nas próximas semanas e meses.

EVENTO: Simpósio Agrodigital de Mercados Futuros

Petróleo registrou nova máxima plurianual na semana passada – Próximo alvo técnico abre caminho para preços de três dígitos

O petróleo continuou se valorizando na semana passada, quando atingiu o maior nível de 2021 e desde outubro de 2018.

Petróleo leve semanal
Petróleo leve semanal

Fonte: CQG

O gráfico semanal destaca a nova máxima mais recente a US$71,24 na sexta-feira 11 de junho. O petróleo tem registrado uma ascensão constante desde o início de novembro de 2020, com a única correção no último mês de março. O preço do barril ficou rapidamente abaixo de US$60 para logo superar a marca de US$70 na semana passada. O contrato futuro mais negociado na Nymex fechou 2020 a US$48,52. O preço não fica abaixo de US$50 desde a primeira semana de janeiro.

Petróleo leve semanal
Petróleo leve semanal

Fonte: CQG

O gráfico mensal ilustra o próximo alvo de alta na máxima de outubro de 2018 a US$ 76,90. O nível técnico de resistência crítica pode abrir espaço para preços de três dígitos, que não são vistos desde 2014.

Tempestade perfeita para a alta do petróleo

O contrato futuro do barril de petróleo na Nymex teve uma recuperação espetacular desde a mínima de 20 de abril de 2020. O petróleo já subiu US$111,58 nos últimos 14 meses.

Os preços do produto estão em fortíssimo modo bullish desde que tocaram as mínimas de março e abril de 2020.

A última vez em que as matérias-primas registraram essa valorização consistente de preços foi após a crise financeira de 2008, quando os preços dispararam até as máximas históricas ou plurianuais em 2011 e 2012.

Em 2020 e 2021, o ouro, cobre, madeira serrada, paládio e óleo de soja atingiram novos picos históricos. Os grãos e outras commodities agrícolas estão nas máximas plurianuais.

Na semana passada, enquanto muitas das commodities voando alto estavam consolidadas após recordes recentes, o petróleo assumiu o bastão do mercado. Pelo menos três fatores fazem com que o atual ambiente geram uma tempestade perfeita para o mercado petrolífero nos próximos meses e anos.

Fator 1: política energética nos EUA

Talvez o fator preponderante para a disparada do petróleo seja o recuo do maior país produtor do mundo, os Estados Unidos. Em seu primeiro dia de mandato, o presidente Joseph Biden cancelou o projeto de oleoduto Keystone XL, que transportaria petróleo dos campos de areia betuminosa em Alberta, Canadá, para Steele City, Nebraska, com ramificações até o ponto de entrega da Nymex, em Cushing, Oklahoma.

Mais recentemente, o governo Biden proibiu atividades de fraturamento e perfuração em território federal no Alasca. As políticas de incentivo à produção do governo anterior estão “mortas”, como afirmou o ministro do petróleo da Arábia Saudita no início do ano.

No pico de março de 2020, os EUA produziram em média 13,1 milhões de barris por dia (mbpd). Em 4 de junho, a EIA, agência de informações energéticas dos EUA, divulgou uma produção diária de 11,0 mbpd, 16% abaixo da máxima. Enquanto isso, a Baker Hughes disse que o número de sondas em operação nos EUA era de 365 em 11 de junho, ou seja, 166 acima do mesmo nível de 2020. Embora o número de sondas esteja aumentando, a produção deve ser prejudicada pelas regulamentações maiores.

Devido às iniciativas norte-americanas contra a mudança climática, a produção de combustíveis fósseis deve ter um declínio. A drástica mudança na política energética ocorre no momento em que as pressões inflacionárias e a demanda de energia dispararam. Nesse ínterim, o poder de precificação do mercado petrolífero saiu das mãos dos EUA para a Opep e a Rússia. Após anos sofrendo com preços baixos por causa da produção de shale oil nos EUA, o cartel internacional e os russos estão agora posicionados para pressionar os consumidores norte-americanos. A missão da Opep é gerar máximo retorno aos produtores.

Fator 2: Inflação

O Fed criou um tsunami de liquidez via redução de juros e flexibilização quantitativa ao ritmo de US$120 bilhões por mês. O banco central americano disse que não está pensando em desmontar esses estímulos no curto prazo por causa da sua obrigação de buscar “máximo emprego”.

Além disso, essa inundação de dólares em estímulos governamentais para estabilizar a economia americana durante a pandemia colocou mais combustível na fogueira inflacionária. Depois de mais de um ano de uma política monetária e fiscal acomodatícia sem precedentes, o índice de preços ao consumidor (IPC) de maio sentiu o impacto. O IPC subiu 5%, com o núcleo da inflação, que exclui alimentos e energia, aumentando 3,8%, nível mais alto em quase três décadas.

A inflação deteriora o poder aquisitivo do dinheiro e impulsiona os preços das matérias-primas. O petróleo não é exceção, na medida em que a alta da inflação é a mola propulsora da tendência de alta no mercado de energia.

Fator 3: Demanda só tende a crescer – Fique de olho no comportamento dos preços de outras duas commodities energéticas

Após um ano de distanciamento social e teletrabalho, o avanço da vacinação está fazendo as pessoas voltarem ao trabalho. E as viagens até o local de trabalho aumentam o consumo de gasolina. Além disso, as tão aguardadas férias irão aumentar a demanda por gasolina e combustível de aviação, além de outros produtos petrolíferos. A demanda de energia aumenta à medida que a Covid-19 vai ficando no espelho retrovisor.

Cabe lembrar que o petróleo não é a única commodity de energia em tendência de alta.

Embora o mercado futuro de gás natural esteja em baixa temporada, os preços apresentam tendência de alta, registrando mínimas ascendentes desde junho de 2020.

Gás natural semanal
Gás natural semanal

Fonte: CQG

O gráfico semanal mostra que o gás natural futuro atingiu a máxima de US$3,33 por MMBtu em 11 de junho, preço mais alto de 2021, o dobro do preço de junho passado, quando atingiu a mínima de 25 anos de US$1,432. O gás natural com entrega em julho fechou a US$3,296 na sexta-feira. A última vez em que a commodity energética ficou acima desse preço foi em junho de 2014.

Etanol semanal
Etanol semanal

Fonte: CQG

Além disso, o preço de US$2,31 por galão de etanol no atacado é o mais alto desde abril de 2014. O biocombustível disparou na esteira da valorização da gasolina, milho e açúcar. Nos EUA, o milho é o principal ingrediente do etanol. No Brasil, a cana-de-açúcar é a matéria-prima para a produção do biocombustível.

O aumento de demanda, a mudança na política energética norte-americana e o aumento da inflação criam uma tempestade quase perfeita para a disparada do petróleo. O próximo teste está em US$76,90 por barril, que pode abrir espaço para níveis que não eram vistos desde 2014. O gás natural e o etanol já atingiram os preços mais altos desde aquele ano; no gás natural, do ponto de vista de junho, e no etanol, em relação ao seu preço nominal. O petróleo pode estar prestes a se juntar a eles, já que o caminho de menor resistência continua sendo para cima.

3 Fatores Podem Fazer o Petróleo Atingir Três Dígitos em Breve
 

Artigos Relacionados

3 Fatores Podem Fazer o Petróleo Atingir Três Dígitos em Breve

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (3)
Osmar Pires
Osmar Pires 08.07.2021 8:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
B-i-d-e-n fazendo média com ecologistas e ferrando com a economia mundial. Petróleo sinda é e será por muitos anos a base da matriz energética. O cara acha que vai mudar isso na marra. Gasolina no Brasil em breve 10,00/litro.
Guilherme Sales
Guilherme Sales 15.06.2021 15:57
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Parabéns aos americanos, elegeram um cara empenhado em destruir o ocidente. Tem nem 6 meses no poder já tá entregando todos os consumidores de petróleo de bandeja pra OPEP monopolizar de novo o mercado. O ocidente merece
Luciano macedo
Luciano macedo 15.06.2021 14:55
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Muito bom artigo, agora se eua tende a subtituir o petroleo por energias renovavel, esse e desculso do senhor presidente. Sera que nao seja um expeculacao danasa na elevacao dos precos do petroleo com denanada reprimida da pademia
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail