x
Últimas Notícias
0

Possibilidade de Uma Boa Negociação do Brexit Está se Fechando Para o Reino Unido

br.investing.com/analysis/a-possibilidade-de-uma-boa-negociacao-do-brexit-esta-se-fechando-para-o-reino-unid-200218517
Possibilidade de Uma Boa Negociação do Brexit Está se Fechando Para o Reino Unido
Por Investing.com Brasil   |  14.11.2017 04:11
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

por Jason Martin

À medida que os meses se arrastam nas "negociações" do Brexit entre a União Europeia (UE) e o Reino Unido, poucos progressos foram feitos nas questões que realmente importam para os mercados. Na verdade, a oportunidade para que a Grã-Bretanha assine um "bom negócio" para seus futuros acordos comerciais com seus "antigos" parceiros europeus pode estar passando.

Entre as principais preocupações para o Reino Unido esão o impacto econômico dos novos acordos a serem negociados, no que diz respeito às empresas com o seu maior parceiro comercial, incluindo taxas alfandegárias e tarifas, ou a possibilidade de perdas de postos de trabalho, uma vez que as empresas optam por mudar as operações para outras partes da Europa que permanecem na UE, juntamente com absolutamente todos os aspectos dos laços bilaterais entre os dois associados.

As negociações sobre a saída do Reino Unido começaram oficialmente em 19 de junho, quase um ano após os resultados do referendo de 23 de junho de 2016 que decidiu que a Grã-Bretanha deixaria o grupo de 28 membros da UE, criada para estabelecer uma potência política e econômica que, entre outras coisas, permitiria a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capital no mercado interno.

Negociadores de ambos os lados têm se reunido pessoalmente por aproximadamente uma semana todos os meses, mas aparentemente poucos sinais de progresso foram feitos. A UE insistiu que as conversações devem primeiro centrar-se em acordos sobre os direitos dos cidadãos de cada região que atualmente vivem na outra região, a fronteira entre a Irlanda membro da UE e a Irlanda do Norte com controle britânico e a quantidade de dinheiro que o Reino Unido precisará dar para a UE como parte da "taxa de divórcio" que se destina a cobrir as obrigações financeiras da Grã-Bretanha para com o bloco europeu.

Ambas as partes discutiram detalhadamente quais os direitos que os cidadãos que moram na outra região deveriam ter quando a separação se tornar oficial, mas essas conversas fizeram pouco mais do que descrever o que concordam ou discordam e o que precisa de uma discussão mais aprofundada.

Tanto o Reino Unido como a UE parecem concordar que a fronteira irlandesa é um caso especial, que deve ser tratado com cuidado para não prejudicar o progresso alcançado no processo de paz de 25 anos.

O principal ponto de aderência antes da UE permitir que as discussões sobre um futuro acordo comercial comecem parece ser a "conta do divórcio". A UE afirma que o Reino Unido deve pagar cerca de 60 bilhões de euros (£ 53,5 bilhões, US$ 70 bilhões), mas a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, sugeriu um montante muito menor, cerca de um terço desse valor.

A UE indicou que foram realizados progressos, mas até agora insuficientes para as conversas avançarem para a próxima etapa dos futuros acordos comerciais. Após a sexta rodada de negociações ter terminado em 10 de novembro, o negociador chefe da UE para o Brexit, Michel Barnier, exigiu esclarecimentos sobre este aspecto do acordo no prazo de duas semanas para avançar para a segunda fase das negociações, incluindo o comércio.

Esperanças Centradas em Dezembro

O Conselho Europeu, que inclui os chefes de estado dos países membros da UE, agendou uma conferência de cúpula da UE para 14 a 15 de dezembro. É o evento que, atualmente, deverá marcar o próximo momento decisivo para as negociações do Brexit, quando a UE poderá aprovar o avanço das negociações sobre o comércio futuro com o Reino Unido.

A falta de aprovação será considerada um grande revés, já que ambos os lados se encaminham para 2018, avançando rapidamente para a data oficial da separação em 29 de março de 2019. Ambos os grupos desejam fervorosamente ter espaço para respirar, pois qualquer acordo eventual precisará ser aprovado pelos políticos de cada região, o que seria provavelmente um processo demorado.

Do lado da UE, o projeto de acordo seria enviado ao Conselho Europeu, onde precisa conseguir luz verde de 20 dos 27 membros, que representam 65% da população, antes de ser enviado para ser ratificado pelo Parlamento da UE.

No Reino Unido, a primeira-ministra Theresa May prometeu que buscaria o voto de aprovação sobre uma base de "pegar ou largar" tanto na Câmara dos Comuns como na Câmara dos Lordes do Parlamento do Reino Unido.

Planos de Negócios no Escuro

Ao clamor das empresas britânicas, May tem pressionado para selar um período de transição com a EU, que manterá os arranjos atuais, uma vez que ambos os parceiros trabalham pelo ajuste de qualquer acordo. "Um período de implementação estritamente limitado no tempo será crucial para o nosso sucesso futuro", disse ela. Espera que se estabeleça na reunião de cúpula da UE de meados de dezembro, pelo menos tendo permissão para começar a discutir os acordos comerciais e de transição.

O secretário britânico do Brexit, David Davis, indicou que o Reino Unido espera alcançar um acordo sobre o período de implementação no primeiro trimestre, o que sugere que ambas as partes teriam apenas cerca de um ano para os detalhes, antes da data oficial do divórcio. Um período de transição poderia ser a chave, pois proporcionaria um período de acomodação pós-Brexit, à medida que os novos acordos começam a ser implementados.

Em jogo atualmente, sem "processos de divórcio" claros, está a habilidade para as empresas estabelecerem seus planos de emergência, já que continuam a ser incomodadas com a incerteza sobre o quadro final em que o Reino Unido e a UE podem concordar. A Confederação da Indústria Britânica (CBI) alertou que, de acordo com uma pesquisa entre empresas, apenas cerca de 10% começaram a implementar planos para um "cenário sem acordo", conhecido como "Brexit duro", embora 60% das empresas britânicas disseram que tomarão medidas até o final de março.

"Este é um momento extraordinariamente importante para as negociações do Brexit, onde as empresas realmente precisam de mais certeza e clareza, e a motivo pelo qual tornou-se tão urgente é que estamos agora na janela de tomada de decisão", disse a diretora-geral da CBI, Carolyn Fairbairn, no dia 5 de novembro, em entrevista à BBC.

"A nossa mensagem, para negócios, é certeza mais rápida, especialmente em torno da transição, especialmente nas próximas quatro semanas", acrescentou.

O presidente da CBI, Paul Drechsler, observou em uma conferência em 6 de novembro que as maiores e melhores empresas britânicas estavam liderando o caminho com planos de contingência, mas advertiu que as pequenas e médias empresas estavam "lutando para planejar, prever, calcular".

Na mesma conferência da CBI, o chefe do grupo do BT, Gavin Patterson, também insistiu que o tempo estava acabando para que as empresas começassem a tomar suas decisões e exortassem a clareza, alertando que as empresas não teriam escolha senão planejar um Brexit “duro”.

"No início do próximo ano (um acordo de transição) começará a deteriorar-se em valor", disse ele.

"Em última análise, o horizonte de planejamento, da maioria dos negócios com quem eu falo, está entre um ano e 18 meses", explicou Patterson. "Se você não tem certeza nesse ponto, você deve começar a planejar um cenário pior", concluiu.

De acordo com o principal supervisor do banco do Banco Central Europeu, Daniel Nouy, cerca de 50 bancos da Grã-Bretanha que operam na UE procuraram supervisores para solicitar informações sobre como mudar e continuar as operações. No entanto, Nouy também observou que o BCE estava preocupado com muitos outros bancos que ainda estavam atrasando seus planos de contingência.

Mas as empresas britânicas e europeias não são as únicas a tentar lidar com a praga da incerteza.

Lloyd Blankfein, Presidente e CEO da Goldman Sachs (NYSE:GS), pareceu estar fazendo seus preparativos em outubro, quando elogiou seu período em Frankfurt em um tweet, fazendo referência clara à ideia de que as empresas financeiras poderiam trocar as operações para a capital financeira alemã e alegou que estaria passando muito mais tempo lá.

No entanto, apenas 11 dias depois, Blankfein pareceu dar um passo atrás, salientando a incerteza envolvida no processo do Brexit, pois prometeu que a GS avançaria com os planos para desenvolver sua sede europeia em Londres, embora admitiu que as negociações do Brexit deixaram "muitas coisas fora do nosso controle".

Impacto de um Brexit Duro

No pior dos cenários, conhecido como "Brexit duro", onde os dois lados não chegam a um acordo sobre o comércio, as regras da Organização Mundial do Comércio serão aplicadas aos produtos enviados do Reino Unido para a UE e vice-versa. Muitos produtos industriais de repente viriam a adição de tarifas de apenas 2% a 3%, mas os carros veriam um imposto de 10%, enquanto muitos produtos agrícolas teriam tarifa entre 20% e 40%.

As empresas britânicas que exportam para a UE também, repentinamente, devem ser obrigadas a apresentar seus produtos à autoridade aduaneira do Reino Unido, o HM Revenue and Customs (HMRC). Um sistema de backup já foi estabelecido, o que implica que os mesmos deveres seriam aplicados a todos os países com os quais o Reino Unido não possui nenhum acordo especial. O HMRC estima que cerca de 130 mil empresas que exportam para a UE provavelmente estarão lidando com taxas alfandegárias pela primeira vez.

Não é necessário dizer que o cenário de não negociação provavelmente cobrará seu preço na economia britânica. Segundo os números, prevê-se que o crescimento econômico do Reino Unido tenha diminuído apenas 1,7% neste ano, em comparação com o crescimento de 1,8% registrado em 2016. No entanto, em termos comparativos, o Reino Unido registou a segunda maior expansão dos países do G7 no ano passado, enquanto o terceiro trimestre de crescimento deste ano teve apenas 0,4%, deixando-o no bom caminho para repetir a leitura do segundo trimestre, a taxa de crescimento mais fraca do grupo. Além disso, o país está preparado para o seu pior desempenho de crescimento anual, depois de crescer apenas 1,0% nos primeiros nove meses do ano, teve a taxa de crescimento mais lenta para o período de janeiro a setembro desde 2009.

Os especialistas continuam convencidos de que será feito algum acordo entre o Reino Unido e os 27 membros restantes da UE sobre o comércio e um período de transição. No entanto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou, em sua última perspectiva econômica regional, que não tem um cenário onde nenhum acordo seja feito, mas estava certo que um Brexit "turbulento" provavelmente teria um impacto prejudicial.

"Se o Reino Unido deixar a União Europeia sem um acordo, haverá um aumento notável nas barreiras comerciais, potencialmente acompanhadas da interrupção de serviços em vários setores, com impacto negativo significativo na atividade econômica", disse o FMI, acrescentando que resultariam em "crescimento sensivelmente menor do que atualmente projetamos".

Momento Decisivo da Libra Esterlina?

Talvez o impacto mais claro da incerteza do Brexit possa ser visto na libra. O par GPB/USD está abaixo de 12% do preço de fechamento de US$ 1,4879 no dia anterior ao lançamento dos resultados.

GBPUSD Semanal 2014-2017
GBPUSD Semanal 2014-2017

Embora a libra esterlina tenha conseguido uma recuperação impressionante das baixas de outubro, em parte devido ao fortalecimento do controle do Banco da Inglaterra, o acordo entre o Reino Unido e a UE sobre o Brexit continua a ser um importante fator de risco para a moeda

"O encontro de cúpula da UE de dezembro será um momento decisivo para a libra esterlina positiva", explicou recentemente o estrategista do ING, Viraj Patel. "Se as negociações do divórcio continuarem em um impasse e o progresso para um acordo de transição parado, nosso medo é que a libra possa se transformar em um "big short" em 2018."

O BoE está preocupado com a possibilidade de Brexit

Em seu último relatório de inflação, que coincidiu com uma alta de juros, o Banco da Inglaterra (BoE) também admitiu que o Brexit era o "maior determinante" da sua perspectiva e estabeleceu o impacto observável que a decisão de deixar a UE já teve.

  • O excesso da inflação ao longo da previsão reflete predominantemente os efeitos sobre os preços de importação da queda da libra esterlina referente ao referendo.
  • As incertezas associadas ao Brexit estão pesando sobre a atividade doméstica, que diminuiu mesmo quando o crescimento global aumentou significativamente.
  • As restrições relacionadas ao investimento e à oferta de mão-de-obra do Brexit parecem estar reforçando a desaceleração acentuada que tem sido evidente nos últimos anos na taxa em que a economia pode crescer sem gerar pressões inflacionárias.

Ao contrário das empresas britânicas, o BoE também admite que não pode fazer nada na situação atual além de percorrer as águas da incerteza.

"O impacto do Brexit na previsão evoluirá à medida em que as negociações progredirem. Em particular, qualquer resolução da incerteza sobre a natureza e a transição para o futuro relacionamento do Reino Unido com a UE, na medida em que afeta o comportamento das famílias, das empresas e dos participantes nos mercados financeiros levaria a uma nova avaliação das perspectivas econômicas", afirmou.

E o presidente do BoE Mark Carney está convencido de que a economia da Grã-Bretanha crescerá mais devagar no curto prazo se o país não conseguir um acordo comercial futuro com a UE após o Brexit.

"A curto prazo, sem dúvida, se tivermos um menor acesso material (ao mercado único da UE) do que temos agora, essa economia precisará se reorientar e, durante esse período de tempo, vai pesar sobre o crescimento", disse ele em uma entrevista em 5 de novembro à ITV.

As observações de Barnier de que o Reino Unido tem um prazo de duas semanas para dar esclarecimentos sobre suas responsabilidades financeiras para a UE colocam a contagem regressiva em uma perspectiva mais ampla. A falha em concluir a primeira fase das conversações a tempo para a cúpula de dezembro só agravaria a incerteza que atualmente está atormentando as empresas britânicas.

Embora o debate ainda fique sobre se o Reino Unido ficará melhor ou não fora da UE, a janela pode estar se fechando para evitar um Brexit duro e conseguir um bom acordo comercial. Tique-taque!

Possibilidade de Uma Boa Negociação do Brexit Está se Fechando Para o Reino Unido
 

Artigos Relacionados

Possibilidade de Uma Boa Negociação do Brexit Está se Fechando Para o Reino Unido

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material  relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias ou ataques pessoais dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de registro no futuro, a critério Investing.com.

 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Escreva o que você pensa aqui
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
Postar
Postar também no :
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
Postar 1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Registrar-se com Google
ou
Registrar-se com o e-mail