Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Chainlink: por que você deveria investir nessa criptomoeda

Publicado 23.12.2022, 11:35
LINK/USD
-
LINK/USD
-
LINK/USD
-

O ano de 2022 no mercado cripto vai se tornar filme ou série. Além das condições macroeconômicas, quatro colapsos geraram perdas e turbulências para os investidores.

A começar pelo fim da Terra (LUNA) e a crise de confiança que isso gerou no mercado. Depois veio a crise na Celsius com debandada do CEO da plataforma. Na sequência, a insolvência da gestora de fundos de investimentos em criptomoedas Three Arrows Capital (3AC) e, por último, o colapso da FTX com direito a plot twist: o fundador da plataforma, Sam Bankman-Fried, enfrenta oito acusações de fraude criminal.

O que mais pode acontecer de ruim para o mercado cripto? Este pode ser o melhor momento para investir em moedas digitais.

Cenário instável derruba criptomoedas

Em momentos de crise, os mercados de risco acabam sofrendo uma evasão de capital. Na busca por mais segurança, os investidores começam a alocar os ativos em renda fixa, reservas de valor e caixa. E o mercado de criptoativos, por ser volátil na maioria do seu tempo, sofre do mesmo mal.

Um cenário de juros altos também gera um desincentivo ao risco para operadores de mercado.

Afinal, se você tem um ativo “extremamente seguro” (bonds americanos), com uma rentabilidade satisfatória, não tem por que expor grande parte do seu capital ao risco, certo?

Tem uma frase famosa que diz: “Compre ao som dos canhões e venda ao som dos violinos”.

Quando todos estiverem desesperados, ou quando ninguém falar mais de um ativo ou de um mercado, pode ser uma boa hora de comprar. Quando todos falarem do mesmo ativo e o celebrarem constantemente, é bom pensar em vendê-lo.

A melhor criptomoeda para investir

Apesar do quadro mais complicado para ativos de risco, acredito na tese promissora da Chainlink.

A Chainlink é a maior provedora de oráculos descentralizados do mercado. O que isso quer dizer? Ela é a responsável por fazer a ponte entre os dados do mundo real e a blockchain, disponibilizando-os para os smart contracts (contratos inteligentes).

Simplificando o que é um contrato inteligente e todo esse processo: smart contracts são sistemas de contratos utilizados para executar ações de forma automática, sem a necessidade de uma empresa, governo ou entidade para intermediar.

Para compreender na prática, vamos a um exemplo:

Quando você pede um Uber (NYSE:UBER) para ir da sua casa até o aeroporto, por exemplo, você está estabelecendo um contrato. A condicional do contrato é: se o motorista te buscar no seu ponto de partida e te levar até o seu destino, você vai pagá-lo. Caso contrário, não haverá a transação monetária.

Imagine que, chegando ao aeroporto, você encontra uma máquina de chocolates. Quando você adiciona a quantidade de cédulas em dinheiro necessária para receber um produto e depois digita o número correspondente à quantidade desejada de chocolate, você está executando uma ação.

A máquina, por sua vez, interpretará a sua ação e gerará um resultado baseado em uma programação predefinida pelo seu criador. Temos, assim, duas ações programadas de contratos inteligentes.

Mas a blockchain não possui comunicação em tempo real com o mundo externo, o que faz com que diversas possibilidades de contratos inteligentes que envolvam dados externos à blockchain não sejam viáveis.

É aí que surge a Chainlink.

A Chainlink visa resolver o problema do oráculo, uma limitação das blockchains que as impede de se conectar a recursos de dados externos que existem fora do ecossistema.

Basicamente, a Chainlink tem o objetivo de ser a ponte dos dados em tempo real no mundo externo e blockchain, dando a possibilidade de modelos de negócios amplos através de contratos inteligentes.

O único problema da Chainlink era o aspecto econômico do seu token, o LINK.

A complicação do tokenomics está na baixa quantidade de tokens em circulação, o que decorre de uma centralização do ativo nas mãos dos desenvolvedores que, quando necessário, despejam para bancar o desenvolvimento do projeto, cuja composição é de devs ativos (30% da oferta) e políticas de incentivo do projeto (35% da oferta).

Esses tokens entrando em circulação através da venda por parte da equipe impactam negativamente o preço e foi exatamente o que ocorreu no ano passado.

Gráfico da moeda digital Chainlink em reais. Por volta das 15h20, de 22 de dezembro de 2022, era cotada a R$ 30,51.
Fonte: CoinMarketCap

No entanto, isso está prestes a mudar. Na verdade, já está mudando. Ocorreram alterações significativas com atualizações descritas no seu novo roadmap, Chainlink 2.0.

A atualização da Chainlink que mais chama a atenção do mercado é a implementação do staking, ou seja, a possibilidade de travar seus tokens e receber recompensas lineares a uma taxa anual, prática muito comum no mercado cripto.

O seu novo roadmap incluiu várias iniciativas para proteger e aprimorar as redes Oracle (NYSE:ORCL), entre elas:

  • O staking que foi lançado recentemente, no início de dezembro, e após a liberação do Chainlink Staking v0.1, toda a capacidade de staking da Chainlink foi realizada em dois dias. Sendo um ponto positivo, passa confiança, mostrando que a demanda e que usuários estão dispostos a participar da rede.
  • CCIP ou Cross Chain Interoperability Protocol, permitirá que as blockchains se comuniquem entre si, e isso inclui contratos inteligentes. Abrirá um novo tipo de dApps anteriormente inimaginável devido à natureza fechada das blockchains.
  • Parceria com Swift, que é um sistema financeiro internacional e tem a função de permitir a troca de informações bancárias e transferências entre as instituições financeiras, e conecta-se com mais de 11.000 bancos.

Essa parceria, desencadeia que transações sejam feitas em blockchain e, por meio do CCIP, seja feita a interoperabilidade entre diversas redes, otimizando e deixando mais eficiente o sistema que hoje leva alguns dias para concluir transações.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.