Junte-se a +750 mil investidores que copiaram as ações das carteiras dos bilionáriosAssine grátis

Dividendos x Investimentos: Quem dá mais?

Publicado 04.06.2024, 14:30
Atualizado 10.01.2024, 08:22
DJI
-
DIS
-
AAPL
-
NVDA
-
IXIC
-
BVSP
-
B3SA3
-
PETR4
-
BABA
-
BTC/USD
-

Em tempos de juros altos por mais tempo nos Estados Unidos, os investidores buscam as melhores opções de investimentos, ávidos por retornos mais atrativos. Porém, se engana quem aposta na concorrência desleal da renda fixa e só tem olhos para os rendimentos elevados dos títulos pós-fixados.

Outros ativos também chamam a atenção no mercado financeiro. O Bitcoin, por exemplo, subiu mais que todos os rivais em maio. A criptomoeda teve valorização de quase 15% no mês passado, revertendo toda a queda registrada em abril, e reforçando a tese de reserva de valor.

O ouro, por sua vez, ficou em terceiro lugar no pódio das aplicações com maior retorno em maio e também no acumulado de 2024, conforme levantamento feito pelo Elos Ayta Consultoria. Com o metal precioso e o “ouro digital” brilhando mais e oferecendo refúgio em momentos de tensão geopolítica e incerteza econômica, as ações deixaram a desejar.

O Ibovespa, por exemplo, amarga a segunda pior colocação no ano, com perdas de 9%. Além disso, a ‘maldição de maio’ voltou e a bolsa brasileira encerrou o mês no negativo pela primeira vez desde 2019, apesar das compras dos investidores estrangeiros na B3 (BVMF:B3SA3). Ou seja, os gringos não seguiram à risca o Sell in May and go away.

Já os índices acionários em Nova York se recuperaram em grande estilo, depois de encerrarem abril no vermelho. Porém, o entusiasmo com a Inteligência Artificial (AI) foi responsável pela forte valorização do Nasdaq e do S&P 500. Apenas a ação da Nvidia (NASDAQ:NVDA), que não está na carteira do Dow Jones, acumulou alta de 23,5% em maio.

RF x RV

Com a frustração de que o rali da AI iria se espalhar aos demais setores, animando as bolsas globais, as empresas listadas tiveram de recorrer a outras estratégias para seduzir os investidores. É aí, então, que o pagamento aos acionistas entra em cena, de modo a fomentar a renda variável.

Cálculos da Janus Henderson mostram que os dividendos bateram recorde no primeiro trimestre. Segundo o Índice Global de Dividendos da gestora, a distribuição somou US$ 339,2 bilhões, o que representa um crescimento de quase 7%, por critérios não-recorrentes. Em termos nominais, a alta foi de 2,4% devido a menores dividendos especiais pontuais.

Globalmente, 93% das empresas que pagaram dividendos no primeiro trimestre mantiveram os proventos estáveis ou aumentaram os valores no período. Além disso, duas gigantes da tecnologia - Meta e Alibaba (NYSE:BABA) - pagaram dividendos pela primeira vez na história, enquanto a Walt Disney (NYSE:DIS) voltou a remunerar seus acionistas depois da longa pausa na pandemia.

No Brasil, a Petrobras (BVMF:PETR4) distribuiu 20 vezes mais no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, após todo o imbróglio de não pagar dividendos extraordinários referentes ao quarto trimestre de 2023. Ainda assim, excluindo a estatal petrolífera, os pagamentos totais no Brasil cresceram em 20% de janeiro a março de 2024.Outra estratégia relevante é a recompra de ações. Aliás, no mês passado, a Apple (NASDAQ:AAPL) contrariou a tendência global das empresas - em especial das big techs - em relação à diminuição do total de ações disponíveis no mercado e anunciou a maior recompra de ações da história, no valor de US$ 110 bilhões.

Portanto, não é porque os ativos seguros - como títulos, moedas e metais preciosos - estão se valorizando no mercado que, necessariamente, as ações de empresas listadas têm maior risco. A questão que se coloca é a oportunidade aparente de retorno, em períodos em que muitos só pensam em aproveitar elevadas taxas de retornos por causa da inflação.

Publicação Original

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.