🔥 Ações selecionadas por IA com InvestingPro Agora com até 50% de descontoGARANTA JÁ SUA OFERTA

Inflação: 3 fatores devem aumentar a volatilidade dos preços na próxima década

Publicado 20.11.2023, 13:05
HG
-

A inflação não vai mais seguir o padrão de 1,5% dos últimos dez anos.

Isso quer dizer que vamos ter uma inflação de 4% daqui para frente, com essa mudança de cenário?

BLACK FRIDAY Antecipada: Tenha mais desconto no plano bianual com cupom “investirmelhor”

Não é bem assim.

Mas significa que a inflação vai ter mais variação e incerteza – e isso é o que mais importa para os portfólios globais de macroeconomia.

Vamos examinar os fatores que influenciam a inflação no futuro, lembrando que há uma grande diferença entre inflação estrutural (prazo de 5-10 anos) e inflação cíclica (prazo de 6-12 meses).

Os fatores estruturais da inflação incluem, entre outros, demografia, globalização, a disputa entre trabalho e capital, e políticas energéticas.

A inflação cíclica de curto prazo é, por outro lado, impulsionada principalmente pela injeção de dinheiro na economia real (crédito e fiscal).

Então, aqui estão os três fatores que devem aumentar a oscilação da inflação na próxima década:

1. Demografia, desglobalização e trabalho versus capital (estrutural)

Há duas correntes de pensamento: demografia fraca é desinflacionária (reduz as taxas naturais de crescimento e consumo, enquanto aumenta a tendência para poupança) ou inflacionária a longo prazo (a falta de mão de obra qualificada leva a salários mais altos, pessoas mais velhas gastarão mais por causa de redes de proteção social mais fortes em saúde, etc).

Eu acho que as duas estão parcialmente certas, se você aplicar o contexto certo: vivemos em uma economia globalizada.Um coquetel para a desinflaçãoCom esse contexto, fica claro que os últimos 10-20 anos viram uma confluência perfeita de forças desinflacionárias: demografia fraca nos países desenvolvidos (gráfico à esquerda) gerou condições desinflacionárias e resolvemos a questão da escassez de mão de obra terceirizando a produção para a China, que por sua vez se beneficiava de uma ampla disponibilidade de trabalhadores baratos (gráfico à direita).

Um ótimo coquetel para a desinflação: demografia fraca do mercado desenvolvido mais mão de obra terceirizada barata da Ásia.

Mas aqui está o problema – essa combinação não estará mais lá.

A rápida reversão demográfica chinesa (pontos vermelhos, gráfico à direita) e um impulso marginal em direção à desglobalização implicam que as economias dos mercados desenvolvidos (DM) não poderão mais acessar uma crescente piscina de mão de obra barata na mesma extensão. Isso forçará os mercados desenvolvidos a internalizar parte da produção e, na margem, aumentar os salários para trabalhadores qualificados domésticos escassamente disponíveis: algum impacto já é visível.Escassez de mão obra capacitadaOs contra-argumentos aqui são dois:

  1. Nas indústrias de manufatura e ciclos que enfrentam escassez de mão de obra, estas representam apenas uma pequena fração do mercado de trabalho total. Isso se deve ao fato de que:

  2. Estamos em uma era dominada pela tecnologia, e essa tendência só tende a crescer.

Na década de 90, uma empresa típica dos EUA precisava de 8 colaboradores para gerar US$ 1 milhão em receitas, enquanto hoje necessita de apenas 2. Esse cenário reflete a diminuição do poder de barganha salarial dos trabalhadores diante do capital.

Atualmente, a economia é significativamente menos intensiva em mão de obra e menos sindicalizada do que nos anos 90.

Minha análise sugere que os ventos favoráveis à desinflação, que marcaram as últimas duas décadas, não se repetirão no futuro. Espera-se, portanto, um leve aumento na inflação estrutural, mas ainda dentro de um mundo globalizado e impulsionado pela tecnologia.

Em resumo: a previsibilidade da inflação será muito menor daqui para frente.

2. Políticas Energéticas (estrutural)

A transição para a meta de emissões líquidas zero será, nas próximas duas décadas, uma força inflacionária definitiva.

O raciocínio é simples: à medida que as políticas punitivas (como impostos mais altos) forem aplicadas às indústrias que produzem excesso de CO2, haverá um impulso para a descarbonização. Inicialmente, porém, ainda haverá consumo de combustíveis fósseis, com preços pós-impostos mais elevados.

Além disso, a transição para zero emissões exige um aumento considerável na demanda por commodities verdes, como o cobre, num setor que já sofre com o subinvestimento.

Os argumentos contrários sugerem que a transição para zero emissões será mais lenta e suave do que o previsto, e que as estimativas atuais sobre a quantidade necessária de commodities verdes não consideram avanços tecnológicos.

Transição para emissões líquidas zero de carbono

Minha visão é que, embora a transição para zero emissões seja, em última análise, inflacionária, a volatilidade da inflação será o fator mais crítico.

Conclusão: Inflação Estrutural

Nos próximos vinte anos, a “nova média” para a inflação estrutural provavelmente será maior do que os 1,5% vividos nos anos 2010. Quanto mais alta? Difícil dizer. Mas é certo que a inflação será muito mais imprevisível e volátil.

3. Impressão de Dinheiro (cíclico)

Bancos Centrais não imprimem dinheiro que causa inflação; bancos comerciais e governos, através de crédito e déficits, sim.

Por isso, anos de Quantitative Easing (QE) tiveram pouco impacto na inflação. Contudo, a injeção de dinheiro na economia real em 2020-2021 acordou a “fera da inflação”. Em 2022, a inflação apareceu como resultado da criação de crédito e déficits massivos.Impressão de dinheiro e inflaçãoE agora? Meu Índice de Impulso de Crédito TMC prevê que a inflação geral se estabilizará em torno de 1% em junho do próximo ano, com a inflação núcleo em torno de 2-2,50%. O Federal Reserve (Fed) provavelmente sentirá que cumpriu sua missão.

Uma inflação de 2% pode parecer improvável para quem acredita no 'novo paradigma inflacionário', mas é essencial não confundir tendências estruturais de longo prazo com ciclos inflacionários de curto prazo.

***

Aviso: este artigo tem fins meramente informativos e não constitui qualquer oferta ou recomendação de investimento.


Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.