Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Let There Be Venture Capital

Por Caio FeijóResumo do Mercado20.06.2021 10:10
br.investing.com/analysis/let-there-be-venture-capital-200442739
Let There Be Venture Capital
Por Caio Feijó   |  20.06.2021 10:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Um dia desses, estava ouvindo grandes nomes do movimento de Jazz denominado BeBop – ou, revolução moderna – que marcou a cidade de Nova York (EUA) no início da década de 40 e que representava uma revolta dos músicos ao público da época, assim como, ao denominado “barulho comercial”, e contava com grandes nomes, como: Dizzy Gillespie, John Coltrane, Charlie Parker, Thelonius Monk, Art Blakey, entre tantos outros (HOBSBAWN, 1989).

Nesse dia específico, comecei a refletir um pouco sobre o que conhecia da história do Jazz e, acreditem ou não, comecei a linkar com a história recente do sistema de investimentos alternativos em participação no Brasil - Private Equity (PE) e Venture Capital (VC) -; e, apesar da ligação inusitada (ou um pouco “Workholica”), há uma lógica em meu raciocínio.

LEIA MAIS: Investir em Startups Já é Uma Realidade Para Pessoas Físicas

A década de 50 e início dos anos 60 foi um período especial para o Jazz. Grandes nomes como Chet Baker, Miles Davis, John Coltrane, Stan Getz, Art Blakey e muitos outros se apresentavam em lugares icônicos, como o Birdland, lugar bem representado no filme Born to be Blue; aliás, filme que não representou somente o local com maestria, mas também a década de 50 aos olhos do trompetista Chet Baker, enfim, uma década marcada pela florescência de estilos marcantes do Jazz (Hard Bop e Cool) e um ambiente rico.

Ao ter esse breve insight a respeito da indústria musical, e por viver uma imersão no mundo do Venture Capital brasileiro, fiquei analisando o quão semelhantes tais épocas seriam. E, de fato, os últimos anos reportados à indústria de investimentos no Brasil, ou seja, de 2018 em diante, foram marcantes para o VC em projeção midiática, participação na carteira dos investidores (fundraising para os Fundos), e principalmente, em prática de investimentos e desinvestimentos.

Nessa perspectiva, ao aproximar por analogia o Jazz dos anos de 1950-1960 e o Venture Capital de 2018-2021, ficou claro para mim que o VC iniciou um movimento de crescimento semelhante ao movimento de ascensão daquele gênero musical.

Apesar dessa provável semelhança entre matérias bem distintas, ao analisar numericamente a evolução do setor de investimentos em participação no mercado brasileiro, ou seja, ao verificar os dados de PE e VC, mais especificamente a partir de 2015, observei que o VC detinha uma participação irrelevante no setor de investimentos alternativos. De forma resumida, os dados demonstram que em: (1) 2015 e 2016, o PE participou de 93% dos R$ 18,5 (2015) e R$ 11,3 (2016) bilhões de investimentos da indústria, e o VC com cerca de 7% restantes em ambos os anos, e (2) 2017, o PE teve participação de 94% dos R$ 15,2 bilhões de investimentos da indústria, e o VC com cerca de 6% restantes. Apenas em 2018, o Venture Capital passou a ter uma participação relevante no mercado brasileiro de investimentos em participação, de forma que em: (1) 2018, o VC participou de 44% dos R$ 13,5 bilhões de investimentos, (2) 2019, o VC teve participação de 42% dos R$ 25,6 bilhões de investimentos, (3) 2020, o VC participou de 62% dos R$ 23,6 bilhões de investimentos, e por fim (4) 1T21, o VC teve participação de 82% dos R$ 10,7 bilhões de investimentos (ABVCAP, 2020 e 2021).

Somados os fatos da recente história do VC e a perspectiva positiva para o segmento, e mencionando o relato feito pelos amantes de Jazz de que “revisitar Nova York depois de 1963 era uma experiência deprimente para àqueles que amavam o Jazz e haviam participado da cena até os anos 60” (HOBSBAWN, 1989), indicando perda de relevância do gênero, decidi, nesse momento de reflexão, adicionar um terceiro elemento para compor a análise: o Rock n’ Roll (Rock) dos anos 50 e 60.

O Rock n’ Roll foi um movimento iniciado em 1955 com três principais inovações: (1) Tecnologia; (2) Conceito de “conjunto”, ou seja, fomento de uma unidade coletiva em detrimento a um grupo de “virtuosos” demonstrando habilidades; e (3) Ritmo insistente e palpitante (HOBSBAWN, 1989).

Além dessas e outras inovações, um grande estado de transformação foi observado na cena musical com o surgimento do Rock n’ Roll. A partir do ano de nascimento do Rock (1955), as vendas de discos nos Estados Unidos cresceram cerca de 35% ao ano, marcando US$ 600 MM em 1958 contra US$ 227 MM em 1955, e chegando a mais de US$ 2 BI em 1973 – dos quais, 75%-80% representavam o Rock n’ Roll e estilos afins. A composição era tão desigual, que por volta de 1972, quando as vendas de discos já estavam próximas dos US$ 2 BI, o Jazz detinha 1,3% do Market Share, a música clássica 6,1%, enquanto o Rock já havia conquistado os 75% de participação (HOBSBAWN, 1989).

Todas essas características do Rock podem, de certa forma, se ligar ao VC. Num primeiro aspecto, o VC liga-se fortemente à tecnologia pela própria característica das empresas investidas – Startups; num segundo, o VC se desenvolve consistentemente a partir de um ecossistema que propicia sua existência plena, ou seja, um ecossistema de inovação com recursos, empresas a serem investidas, incentivos estruturais, entre outros – o que pressupõe uma consciência de “conjunto”; em terceiro, o VC é dotado de profissionais, empreendedores, gestores, intelectuais, e outros participantes que realizam seu trabalho e promovem o segmento de forma vigorosa; e num último aspecto, o VC tem sido competente na atração de capital e aumento dos investimentos realizados, fortalecendo a relevância dos investimentos alternativos em participação no Brasil e liderando o atual cenário dessa classe de aplicação.

Lógico que, guardadas as devidas diferenças, consigo perceber semelhanças entre o Venture Capital após o ano de 2018 e o Rock n’ Roll de tempos atrás. Dessa forma, acho difícil não esperar que perspectivas gloriosas para o Venture Capital Brasileiro só estão começando. E diante desse cenário promissor no mercado de investimentos, deixo a seguinte analogia: Let there be Rock, Let there be Venture Capital.

Let There Be Venture Capital
 

Artigos Relacionados

Alexandre Bossi
ESG: Uma Moda Muito Bem-Vinda Por Alexandre Bossi - 25.07.2021 1

Quando algo começa a fazer muito sucesso no mundo dos negócios, logo atrai a atenção de todos: seja da mídia, interessada em investigar e levar mais informações ao público, dos...

Let There Be Venture Capital

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail