Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

O comportamento do mercado financeiro e o ruído informacional

Publicado 13.01.2023, 10:25
Atualizado 09.07.2023, 07:32

Um dos temas mais estudados pelos economistas é sobre o funcionamento dos mercados. Muito se avançou desde Adam Smith e John Maynard Keynes até os autores contemporâneos, como Joseph Stiglitz e Alan Blinder. E este avanço se deu no sentido de compreender o papel das expectativas e informações sobre o comportamento dos mercados.

Em um mundo de perfeita informação, no qual todos os agentes econômicos detêm a mesma informação e são de um tamanho tal que suas ações não influenciam o todo, é possível entender a dinâmica do mercado pela oferta e demanda. Da seguinte maneira:

Equilíbrio entre a Oferta e Demanda.

A quantidade ofertada de determinado produto ou demandada pelo mesmo produto dependem do preço deste produto. Por exemplo, um jogo de futebol pode custar R$ 600,00 (6 P no gráfico), nesta situação, 600 pessoas (q) vão querer assistir ao jogo. Mas se o preço cair para R$ 400,00, mais pessoas terão interesse (demanda) em comprar ingresso, no gráfico a quantidade de pessoas(q) atinge, a este preço menor, 1.200 pessoas.  Portanto, o preço é uma informação que vai afetar o interesse das pessoas, por isso a demanda é negativamente inclinada, quanto mais caro, menos pessoas interessadas.

Claro que outros fatores vão alterar a decisão de ir ou não ao estádio de futebol. Questões como cultura (valores individuais) afetam a percepção de preço que aceitamos pagar por um bem ou serviço. Mas, coletivamente, os preços são a informação mais importante no mercado de futebol e em qualquer outro mercado, certo? Não! Nem sempre é assim.

O mercado financeiro por exemplo é um mercado bem diferente dos mercados de bens e serviços. Nos mercados de bens e serviços a demanda é por algo imediato, seja para lazer ou consumo, portanto o preço é a informação mais importante. 

Em relação aos produtos negociados no mercado financeiro essa relação de consumo é mais complexa, pois o que se busca não é atender uma necessidade concreta, mas sim algo mais sutil. O que se negocia no mercado financeiro são expectativas.

Vejamos alguns exemplos. Uma empresa resolve fazer uma ampliação de seu parque industrial e precisa tomar recursos no mercado, seja via debentures (dívida) ou via participação acionária (IPO). Como ela tomará essa decisão? Com base nas expectativas futuras da economia, ou seja, do cenário doméstico e do cenário internacional. Um investidor que resolve investir seu capital próprio no mercado de dívida comprará um título público ou um título privado? Mais ainda, se sentirá seguro em adquirir título pré-fixado ou não? Depende das expectativas a respeito da inflação e da política monetária.

O que há em comum nestes dois exemplos? Expectativas. Mais ainda, se as expectativas convergirem, a empresa será financiada via mercado pelo investidor, o que gerará emprego e crescimento econômico. Mas se a percepção de risco levarem as expectativas divergirem? A empresa e o investidor agirão conservadoramente e o mercado mão produzirá uma capacidade alocativa adequada. 

Embora o mercado tenha diversidade e seja formado por diferentes tipos de agentes, com expectativas absolutamente dessemelhantes, todos esses agentes buscam sequiosamente a mesma coisa, informações econômicas para sua tomada de decisão. De tudo que foi apresentado é possível perceber o quão relevantes são as informações para formações de expectativas, porém, de onde provém a maior parte das informações? Dos policymakers, ou seja, do governo.

Por meio dos relatórios de política monetária e de política fiscal, o governo sinaliza se vai haver no futuro (expectativa) uma subida dos juros ou se a política fiscal levará a um aumento ou redução de impostos (expectativa). E mais modernamente, os relatórios de estabilidade financeira apontam os riscos financeiros das ações dos governos e de possíveis choques externos.

Porém, os governos não se comunicam apenas de forma formal via relatório pré-agendados. Mas também são dadas entrevistas e declarações que em geral produzem volatilidade no mercado. De acordo com a literatura econômica, a comunicação pode gerar resultados benéficos, mas também ruídos informacionais. Os ruídos informacionais produzidos por entrevistas impactantes, com afirmações fortes sobre mudança de rumos das políticas, quase sempre são desastrosos.

Portanto, caros políticos e governantes sejam mais prudentes ao conceder entrevistas. Pois, falas inconsequentes quase sempre produzem informação ruidosa. Para um aprofundamento do tema e dos problemas gerados pela má comunicação sugiro a leitura do artigo “Communicating about macro-prudential supervision – a new challenge for central banks.” dos autores Born, B., Ehrmann, M., Fratzscher, M., publicado em 2012.  Ou o meu artigo com Helder Ferreira de Mendonça intitulado “Central bank’s disclosure as a macroprudential tool on financial stability.” Publicado em 2018.

Após a leitura deste artigo, acredito ter contribuído em esclarecer uma falácia comum que lemos nas mídias sociais e mesmo em alguns jornais sérios, a saber, a visão de que o mercado é um bloco homogêneo e que tem vontade própria, assim como simpatias e antipatias. Como o tema é complexo, apresentarei no meu próximo artigo como medir as expectativas e mostrar que há momentos de maior e menor divergência.

 Claudio de Moraes – Professor e Pesquisador do Coppead, especialista em Banking, com artigos publicados em diversos periódicos internacionais. Atua no Banco Central do Brasil na área de estabilidade financeira, com experiência em regulação e supervisão bancária. 

Últimos comentários

Oi Claudio muito obrigado pelos seus esclarecimentos valeu. abraço!!
Excelente artigo! Fiquei interessado nos artigos acadêmicos. Serão as próximas leituras!
ótimo 👍👍
Excelente a explicação do funcionamento do mercado .A melhor que já vi.Trabalhei no mercado por 30 anos .Parabéns 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻
excelente artigo
Otimo👏👏👏
Os movimentos dos mercados são imprevisíveis. O preço, flutua na zonas de razoabilidade. Para sobreviver no mercado, temos que ter bom senso e paciência para obter algum lucro.
Por ruídos, seria as bolsas, renda variável, criptomoedas, tudo seria um esquema Ponzi?
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.