Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Petróleo: China Pode Estar Atuando nos Bastidores para Derrubar os Preços

Por Investing.com (Barani Krishnan/Investing.com)Commodities14.07.2021 10:07
br.investing.com/analysis/petroleo-china-pode-estar-atuando-nos-bastidores-para-derrubar-os-precos-200443293
Petróleo: China Pode Estar Atuando nos Bastidores para Derrubar os Preços
Por Investing.com (Barani Krishnan/Investing.com)   |  14.07.2021 10:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Publicado originalmente em inglês em 14/07/2021

Não poderia ter acontecido em um momento mais inoportuno para a Opep​​ e outros produtores de petróleo fora do cartel, mas o fato é que a China começou a reduzir suas compras do produto, assim como as importações de cobre.

Petróleo diário
Petróleo diário

A redução é pequena até agora, de apenas 3% de janeiro a junho, ano a ano. Sabemos que isso, por si só, não será suficiente para causar um crash no mercado petrolífero, que já registra alta de 50% no acumulado do ano. Mas também sabemos que, quando a segunda maior compradora mundial reduz sua demanda por algo, o resultado nunca é bom.

A não renovação de cotas de importação, a manutenção de refinarias e os preços mundiais elevados contribuíram para a primeira contração semestral do consumo de petróleo da China desde 2013.

Analistas do Eurasia Group explicaram o fenômeno em uma nota:

“As importações caíram à medida que a alta dos preços do petróleo deteriorava as margens de lucro das refinarias... Se a Opep+ não concordar em elevar a oferta em breve, os elevados preços do petróleo também provocarão uma destruição da demanda principalmente em mercados emergentes mais sensíveis a custos, como a Índia”.

A Opep+ reúne os 13 membros originais do cartel liderados pela Arábia Saudita, mais 10 países produtores externos sob os auspícios da Rússia. A aliança de 23 nações entrou em dissenso no início de julho, quando a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, dois membros proeminentes da Opep, não conseguiram fechar um acordo para os níveis de produção em agosto.

A expectativa era que a Opep+ concordasse em elevar a oferta em pelo menos 400.000 barris por dia em agosto.

A própria Opep prejudicou o rali no petróleo

Até o dissenso entre sauditas e emirados, o petróleo registrava um rali quase perfeito, subindo 57% no ano, para o barril de WTI, e quase 50%, para o barril de Brent, que serve de referência para o cartel. A aliança de produtores começou retirando do mercado 10 milhões de barris por dia (mbpd) para estimular os preços praticamente destruídos pela pandemia de coronavírus.

Nos últimos meses, contudo, a Opep+ passou a incrementar levemente a produção. Até agora, o grupo mantém fora do mercado quase 6 mbpd, mesmo com o aumento da demanda e início do pico de consumo de verão nas principais economias. Foi isso que promoveu a fabulosa alta desde a cotação negativa de US$ -40, no auge da pandemia, até a máxima atual ao redor de US$ 75. Embora o mercado ainda esteja otimista, acabou ficando muito mais volátil desde o desentendimento na Opep em relação à produção de agosto.

Mas os problemas do petróleo não se restringem apenas à Opep.

A disseminação de variantes de coronavírus e o acesso desigual a vacinas ameaçam a recuperação econômica mundial, alertaram os ministros de finanças das maiores economias do G-20. Embora o Sudeste Asiático e a Austrália tenham sido o foco principal das novas variantes, as capitais ocidentais ainda não estão livres de perigo.

Os Estados Unidos registrou o maior número de casos de Covid no fim de semana desde maio, à medida que a variante Delta, altamente transmissível, tornava-se mais predominante. Existe o temor de que as novas cepas virais novamente prejudiquem as viagens internacionais, impactando, assim, o consumo de petróleo.

China, o “urso silencioso”, entra em cena

A China emergiu como a terceira força negativa contra o petróleo, gerando mais dúvidas sobre a perspectiva de demanda. O país não é apenas a grande responsável pelos superciclos da commodity: ele também pode atuar como “urso silencioso” quando os preços começam a prejudicar sua economia.

Considere, por exemplo, o que aconteceu com o cobre.

O cobre negociado em Londres foi palco de um rali impressionante, mas se deparou com algo ainda maior: as restrições de preços na China.

Cobre LME diário
Cobre LME diário

Depois que o metal de base com maior demanda do mundo atingiu as máximas recordes de US$10.746 por tonelada na Bolsa de Metais de Londres em 10 de maio, seu maior comprador decidiu que já era o bastante.

Através de uma sistemática redução das importações de cobre nas semanas seguintes, a China colocou um ponto final na alta do mercado em maio.

O cobre futuro na LME desvalorizou-se mais de 8% em junho, sua maior depreciação desde março de 2020. Desde o início de julho, o mercado não sai do lugar, ficando estável ou até mesmo no vermelho em alguns momentos.

Exemplo do cobre é um lembrete do que a China é capaz de fazer

Antes da restrição chinesa, o cobre na LME vinha de um rali praticamente ininterrupto entre abril de 2020 e maio deste ano. E a China não parou de comprar nesse período. A diferença era que o preço do cobre estava abaixo de US$ 5200 por tonelada no primeiro semestre do ano passado. Mas neste ano, custava mais do que o dobro.

A máxima recorde de abril sofreu um forte revés na China, com os compradores físicos saindo de cena e os fabricantes reduzindo suas operações. O crescente hiato entre o índice de preços ao produtor e o índice de preços ao consumidor mostrou que os fabricantes estavam lidando com um fardo cada vez maior.

A ação da China sobre o mercado do cobre o fez despencar 12% em relação aos preços recordes de maio a US$ 10.746, com o contrato futuro do metal sendo negociado em torno de US$ 9.400 no pregão de ontem.

Diante disso, o que a China poderia fazer no petróleo?

Pequim tem se esforçado para tentar arrefecer o mercado, afirmou Osama Rizvi, analista de energia da Primary Vision Network.

Ao escrever, no início deste mês, que o petróleo não conseguiria atingir a marca de US$100 por barril, apesar da forte demanda, Rizvi citou a China como principal fator.

Indicando que as refinarias chinesas haviam retirado 589.000 de barris da linha de refino só no mês de maio, Rizvi afirmou:

“A China estocou um enorme volume de petróleo quando os preços atingiram a mínima de 20 anos e durante a recuperação dos preços. Por isso, deverá usar suas reservas em vez de importar petróleo caro. Embora isso não deva mudar os fundamentos do mercado petrolífero, a redução das importações chinesas certamente será um dos fatores que podem acabar mudando o sentimento dos investidores”.

Vale a pena também ficar de olho em outro fator geopolítico, as relações entre EUA-China, segundo o analista, ao se referir à possível proibição dos EUA à compra da fabricante sul-coreana de navios MagnaChip (NYSE:MX) por fundos de investimento chineses.

Nesta semana, o Departamento de Estado incluiu 14 empresas chinesas e outras entidades em uma lista negra, alegando violações de direitos humanos e a vigilância da região muçulmana de Xinjiang.

Rizvi disse ainda:

“Uma eventual guerra comercial entre EUA e China neste momento poderia prejudicar o petróleo e o sentimento altista do mercado. Essas mudanças geopolíticas historicamente exercem papel principal na mudança de tom da cobertura da imprensa e, por extensão, do sentimento dominante nos mercados petrolíferos”.

Conclusão: O imenso poder da China de influenciar tanto a demanda quanto os preços de tudo nunca deve ser ignorado.

Aviso de isenção: Barani Krishnan utiliza diversas visões além da sua para oferecer aos leitores uma variedade de análises sobre os mercados. A bem da neutralidade, ele apresenta visões e variáveis de mercado contrárias. O analista não possui posições nos ativos e commodities sobre os quais escreve.

 

Petróleo: China Pode Estar Atuando nos Bastidores para Derrubar os Preços
 

Artigos Relacionados

Petróleo: China Pode Estar Atuando nos Bastidores para Derrubar os Preços

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (1)
Edegar Longo
Edegar 14.07.2021 12:45
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Sim. Consumo ta caindo ate 2040. O petroleo estara mais barato que agua.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail