Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Risco Político no Ar

br.investing.com/analysis/risco-politico-no-ar-200443477
Risco Político no Ar
Por Julio Hegedus Netto   |  22.07.2021 08:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 

Em resumo

Nos EUA, no mundo desenvolvido, os mercados resolveram se apoiar na tese de que a retomada da economia acontece, mesmo com as incertezas sobre a nova variante Delta. Acham que o ritmo de vacinação acelerando deve neutralizar, em grande parte, este risco. Por isso, nos mercados quarta-feira confirmou o dia anterior, em mais uma alta consistente nas bolsas de valores, anulando as perdas de segunda-feira. Contribuiu também, no Congresso americano, o avanço das negociações em torno do pacote de apoio à infraestrutura. No Brasil, não se pode ser tão otimista, até porque o Centrão vem “loteando”, cada vez mais, um governo já acuado e desgastado politicamente. 

Loteamento do governo

De novidade o anúncio de que o presidente resolveu realizar mais uma reforma ministerial, meio que no susto, recriando o ministério do Trabalho (na verdade, “do Emprego e da Previdência”) e esvaziando um pouco mais o ministro Paulo Guedes. Tudo isso para “acomodar” o senador Ciro Nogueira, do PP, na Casa Civil, deslocando Luiz Eduardo Ramos para a Secretaria Geral e também Onyx Lorenzoni para o novo ministério. Ganha ainda mais força o Centrão, já na “ante-sala” do presidente, responsável por toda sua agenda política. Lembremos que lá já está a deputada Flavia Arruda, Secretaria Geral da Presidência, também importante na “articulação política”. 

Pelo jeito, o governo presidencialista de Jair Bolsonaro vai, cada vez mais, se parecer com um governo parlamentarista, refém do Congresso, com o Centrão dando as cartas nas articulações e na agenda política. 

O receio aqui é recairmos na tentação do aumento de gastos eleitoreiros, visando 2022. 

Esta “reorganização ministerial”, este “freio de arrumação”, acabou inevitável depois do desgaste pela decisão do Congresso, com apoio da bancada governista no indecente aumento do fundão eleitoral a R$ 5,7 bilhões. Bolsonaro disse que iria vetar, o que, claro, acabou gerando mal estar entre os políticos mais fisiológicos do Congresso, destaque para as esquerdas, os fisiológicos e o Centrão.

Na saída da área do trabalho da esfera de Paulo Guedes, a necessidade de “turbinar” o emprego, diante do universo de 14 milhões de desempregados no País. Políticas eleitoreiras até 2022 acabarão inevitáveis.

Como fica Paulo Guedes? Sai enfraquecido? Com certeza. Pelo “andar da carruagem”, com o próximo ministério a ser criado, também deve sair de uma “costela” do ministério da Economia de Paulo Guedes. Já se comenta, há algum tempo, sobre a necessidade da recriação do ministério do Planejamento ou da Indústria e Comércio. Mas se ele não reclama... Ora ou outra, observamos alguém do ministério saindo. Claro me parece que caso Bolsonaro emplaque o segundo mandato, Guedes não deve continuar. 

Quem é o senador Ciro Nogueira? Senador do Piauí pelo PP, hoje, principal base de apoio do presidente, tanto por seu tamanho e influência, quanto por lá estar o presidente da Câmara, Arthur Lira. Envolvido no imbróglio da LAVA JATO “até o talo”, foi da base de apoio do PT até 2018. Em 2017, cunhou uma frase lapidar sobre como são estes políticos do Centrão, sempre “gravitando” em torno do poderoso de ocasião: 

“Bolsonaro, tenho muita restrição, porque é um fascista. (...) Lula é o melhor presidente da história deste país. (...) Não me vejo na eleição votando contra o Lula, por tudo que ele fez, por tudo que tirou de miséria desse povo”. Que coisa não?

Concluindo, achamos que a “reorganização ministerial” aumenta a influência do Centrão, cria uma barreira decisiva ao impeachment e envia um sinal para o Parlamento: ainda há confiança na recuperação da popularidade do governo por meio da retomada econômica e do avanço da vacinação. Se ela vier, pode dar certo - com todas as concessões do mundo e um governo quase parlamentarista, nesse ínterim (sobre isso, seguem intensos os debates em torno de um regime semipresidencialista, talvez para 2026). 

Segundo o Relatório Reservado, “o problema é que, por trás disso, o presidente - como fez Dilma - mostra fraqueza e joga todas as suas fichas em uma só aposta. Se Arthur Lira já atua como uma espécie de primeiro ministro e “fiador" do governo, agora esse cargo será dividido com Nogueira. Os adversários - e aliados - sentirão o “cheiro de sangue”. E o presidente, ainda que possa mudar outros ministérios, no fundo passa a não ter mais anéis a dar. Restarão apenas os dedos.” 

Uma boa notícia neste turbilhão veio da economia, depois do aumento da arrecadação federal em junho. Totalizou R$ 137,169 bilhões, melhor resultado para o mês de junho desde 2011, quando chegou a R$ 143 bilhões, alta real de 46,7% contra o mesmo mês de 2020. Ou seja, vão se criando as condições para a reforma tributária e o corte do Imposto de Renda para as empresas. Com a economia voltando a crescer forte, a receita obtida tende a ser usada para compensar esta perda de IR.

Nos mercados, na B3 (SA:B3SA3), o Ibovespa, ajudado pela cotação do petróleo e o otimismo em Wall Street, avançou 0,42%, para 125.929 pontos. Já o Dow Jones Industrial, o S&P500 e o Nasdaq 100 fecharam pertos das máximas do dia e de novos recordes. Os juros longos americanos reverteram as quedas e o rendimento do Treasury de dez anos terminou o dia em 1,29%, ante 1,21% no dia anterior, próximo do nível de 1,30% da semana passada. O de 30 anos subiu de 1,87% ao ano no dia anterior para 1,94%, acompanhando a expectativa de retomada da economia e da inflação. 

Já o dólar, no mercado global, caiu diante das principais moedas, com o índice DXY perdendo 0,20%, o que ajudou o real. No Brasil, o dólar voltou a registrar um dia instável na quarta-feira (21), mas firmou queda e fechou abaixo de R$ 5,20. A moeda norte-americana caiu 0,73%, a R$ 5,1927.

Por fim, o FMI soltou um relatório de Perspectivas Mundiais, mantendo a previsão de crescimento global em 6,0%, mesmo nível  de abril, mas avaliando que “alguns países devem crescer mais rápido e outros mais lentamente”. Acreditamos que os EUA devem manter um bom drive de crescimento, em torno de 6,5% e a China acima de 8%. O Brasil tem tudo para crescer mais de 5%, saindo do “fundo do poço” do ano anterior (-4,2%). 

Na agenda, dois fatores importantes no radar para esta quinta-feira (dia 22): os Pedidos de Seguro desemprego semanais nos EUA e a declaração da Política Monetária do Banco Central Europeu. Pesada é a agenda de sexta-feira, cheia de indicadores de atividade, como os PMI da Alemanha, EUA e Zona do Euro. Será dia também de IPCA-15, importante prévia para o Copom de agosto. Teremos ajuste da Selic em 0,75 ponto percentual ou 1,0 p.p.? 

Vamos conversando.

Risco Político no Ar
 

Artigos Relacionados

Gustavo Moreira
Taxar Fortunas É a Solução? Por Gustavo Moreira - 16.09.2021

  O discurso de que o correto seria taxar os mais ricos e detentores de grandes fortunas, afim de beneficiar os mais pobres com a transferência de riqueza ou ter mais condições de...

Julio Hegedus Netto
Pandemia Volta a Assustar Por Julio Hegedus Netto - 15.09.2021 1

Indicadores de atividade da China vieram mais fracos assustando, assim como o medo de estagnação nos EUA. Ambos devem PIORAR a percepção de risco dos mercados sobre a retomada...

Risco Político no Ar

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (5)
jacobel Lins
jacobel Lins 23.07.2021 7:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Boa visão política. A informação é pontos de vista sempre serão importantes.
Riscala Miguel Fadel Jr
Riscala Miguel Fadel Jr 22.07.2021 11:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Fale de economia .... de política você é péssimo....
Raulito Castro Rivera
Raulito Castro Rivera 22.07.2021 11:08
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
tá valendo 2022. Por a continuidade de dias melhores.
França Almir
França Almir 22.07.2021 10:03
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Jornalista Marxista vai ver como o "governo desgastado" tem apoio no dia 01/08. uma nova marcha pela família e pela liberdade. Sabem quem perderam e não admitem. Mais 30 anos de reformulação de um Stablitchment corrupto.
Fabio Piloto
Fabio Piloto 22.07.2021 9:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O autor deu seu diagnostico sobre o problema político, faltou dar a solução. Como qualquer presidente consegue governar sem o centrão? Como qq presidente consegue governar sem o legislativo? Melhor fez o Lula que fez o mensalão?
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail