Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

Vale a Pena Investir em Fundos Imobiliários? Uma Análise Construtiva e Um Ponto

Publicado 24.06.2022, 06:05
Atualizado 11.10.2023, 23:02

Olá, pessoal. O artigo de hoje foi inspirado por uma boa conversa com Victor Lago (@victorlagoa), que se enquadra facilmente no grupo dos meus mais brilhantes ex-alunos. Ele possui mestrado pela Université de Bordeaux (França), tendo sido orientado por mim quando fui professor visitante desta instituição há alguns anos. Victor vem estudando bastante esse mercado de fundos imobiliários e faz um excelente trabalho como educador, mentor e consultor na área de investimentos e finanças pessoais.

Neste artigo, analiso o mercado de fundos imobiliários a partir do seu principal índice de desempenho (IFIX). Mas antes de compartilhar com vocês a análise, alguns comentários se fazem extremamente importantes com relação não apenas a este artigo, mas para as suas análises em geral:

  1. A pergunta título deste artigo é instigante, mas não pretendo, de forma nenhuma, dar qualquer tipo de resposta final;

  2. Pretendo, sim, colaborar com o debate, compartilhando uma análise e um ponto que acredito serem relevantes;

  3. O mercado de fundos imobiliários vem se desenvolvendo muito nos anos recentes e ainda pode ser considerado incipiente e em franca evolução, de forma que o passado analisado pode não refletir o futuro vindouro;

  4. Sabemos que em investimentos não há palavra final, pois o que realmente desejamos é entender melhor os mecanismos do mercado para tomar as melhores decisões e isso depende de muitos fatores que extrapolam, e muito, a análise contida neste artigo;

  5. Busco contribuir com informações e conhecimento que auxiliem vocês, investidores, a tomarem as suas melhores decisões na hora de investir. E essas melhores decisões dependem fundamentalmente de vários aspectos individuais que, novamente, fogem a esta análise.

Dito tudo isso, vamos lá? Os fundos imobiliários são popularmente conhecidos por sua recorrência na distribuição de dividendos e por esses serem isentos do imposto de renda. Um ponto interessante é que esses dividendos, em suas origens, possuem certa proteção contra a disparada inflacionária. De uma forma geral, ativos imobiliários têm cláusulas de correção monetária, tal como os ativos que lastreiam CRI´s (Certificados de Recebíveis Imobiliários). Outro exemplo são os fundos imobiliários de tijolos, que possuem contratos de aluguel com os locatários que, em sua esmagadora maioria, incluem cláusulas de reajustes anuais baseados em índices de inflação (notadamente IGP-M ou IPCA). Dessa maneira, há o natural repasse da inflação nos dividendos e esse é o principal motivo da relação comparativa com as NTN-B´s do Tesouro Nacional, pois estes representam títulos públicos indexados à inflação medida pelo IPCA. Se fundos imobiliários precisam, por regra, distribuir dividendos a cada 6 meses, NTN-B´s também pagam, por regra, cupons a cada 6 meses (exceção feita à NTN-B Principal).

A análise que fiz comparou exatamente o principal índice do mercado de fundos imobiliários com o principal índice do mercado de NTN-B´s. Vamos a eles? O IFIX é calculado pela B3 (SA:B3SA3) e representa uma carteira teórica de fundos imobiliários elaborada de acordo com critérios estabelecidos pela bolsa. O objetivo do IFIX é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos fundos imobiliários negociados nos mercados de bolsa e de balcão organizado da B3. Por sua vez, o IMA-B é calculado pela ANBIMA através de uma carteira de NTN-B´s negociadas no mercado, buscando, assim, representar a performance média desse segmento do mercado de renda fixa.

Cabe lembrar que ambos, IFIX e IMA-B, são índices de retorno total, ou seja, que incorporam todos os proventos pagos pelos seus constituintes, especialmente dividendos (no caso do IFIX) e cupons (também conhecidos como juros semestrais no caso do IMA-B). Isso é coerente pois traz a rentabilidade total e efetiva que um investidor teria ao investir nesses mercados (representados por tais índices). Qualquer análise de investimento precisa incorporar a rentabilidade total do índice e/ou dos ativos considerados. Por exemplo, ao olhar apenas o dividend yield de um fundo imobiliário ou mesmo de uma ação, flutuações de preços do fundo ou da ação podem tornar esse tipo de métrica extremamente equivocada quando se deseja analisar e comparar performances. Frise-se, portanto, que no final das contas, o que realmente importa para o investidor é a rentabilidade total. E é justamente isso que os índices analisados refletem.

ANÁLISE DO IFIX CONTRA O IMA-B (JANEIRO DE 2011 A MAIO DE 2022)

Os dados foram cedidos pela plataforma Quantum Finance e a análise se deu com dados mensais desde janeiro de 2011 até maio deste ano. A tabela abaixo inicia com a rentabilidade mensal média aritmética e anualizada para efeito comparativo. Em seguida, apresenta-se a rentabilidade total no período integral, bem como a volatilidade anualizada apresentada por cada um dos índices. A seguir, são apresentadas as rentabilidades ano a ano desde 2011.

Um ponto importante a lembrar é que ambos os índices possuem ETFs disponíveis na bolsa, ou seja, têm veículos totalmente passíveis de investimento: são eles o XFIX11 e o IMAB11. Optou-se aqui por não usar os históricos de rentabilidades dos ETFs por estes serem muito recentes, o que impediria uma análise robusta (por exemplo, o XFIX11 foi lançado apenas em novembro de 2020).

Table

Description automatically generated

O que se pode tirar de conclusão é que a briga é feia para o IFIX. Desde 2011, ele entregou 182% de rentabilidade (incluindo, claro, os dividendos pagos) contra 252,3% do IMA-B. E isso ainda veio com uma volatilidade maior: 11,1% ao ano contra apenas 7,4% do seu concorrente. Percebe-se que maior rentabilidade com menor risco é o melhor dos mundos, o que apontaria não valer a pena investir no IFIX quando comparado ao IMA-B (tendo por base a premissa de que essa análise histórica é representativa do que acontecerá no futuro). Mesmo se retirarmos o fatídico ano de 2020 para os fundos imobiliários, o IMA-B continuaria com maior rentabilidade e menor volatilidade.

Por óbvio, a análise aqui se restringiu a índices que procuram representar a média dos seus mercados. Naturalmente, é possível encontrar fundos imobiliários que vêm entregando performances acima do IMA-B, mas nem sempre é fácil para o investidor encontrar os fundos que entregarão isso no futuro (lembre-se: nem sempre rentabilidade histórica se reflete em rentabilidade futura). Mas, ao menos até o momento e em média, o mercado de fundos imobiliários não vem entregando performance adequada, pois perde em rentabilidade histórica e com maior volatilidade. Mas no futuro, com o avanço desse mercado, a história pode ser outra. Aí é outra discussão.

QUAL O PONTO QUE QUERO TRAZER COM ESTA ANÁLISE?

Quis compartilhar estes resultados porque, sinceramente, vejo muitos argumentos falaciosos no mercado, dando conta de que fundos imobiliários são quase “almoços grátis”, sob a justificativa de “renda passiva maravilhosa”. O que precisa ser analisado, em verdade, é a rentabilidade total de qualquer ativo e isso precisa incorporar não apenas todos os proventos, mas igualmente o efeito preço (de mercado, sempre). O fato de pagar ou não dividendos é algo secundário: há vários bons exemplos de grandes empresas (cito Apple (SA:AAPL34)(NASDAQ:AAPL) e Google (SA:GOGL35) (NASDAQ:GOOGL)) que passaram décadas sem pagar dividendos porque estavam reinvestindo o lucro no próprio negócio, e mesmo assim entregaram aumentos vertiginosos de capital. O investidor pode, a seu critério, vender parte desses ganhos de capital e fazer a sua própria política de dividendos: pense nisso.

“Em resumo, o fato nu e cru de um ativo pagar dividendos constantemente não implica necessariamente em ser um belo investimento. A análise precisa incorporar o retorno total para o investidor ao longo dos anos, bem como o risco deste retorno. Esse é o grande ponto que quero passar neste artigo.”

E você, o que pensa? Comente abaixo e venha conversar comigo nas redes sociais @carlosheitorcampani. Procuro sempre publicar conteúdo relevante de educação financeira, investimentos e finanças em geral. Meu objetivo é contribuir com muita informação e conhecimento. Aguardo vocês no Instagram e no Linkedin.

Forte e respeitoso abraço a todos.

 

* Carlos Heitor Campani é PhD em Finanças, Professor do Coppead/UFRJ, Pesquisador da Cátedra Brasilprev em Previdência e Pesquisador da ENS – Escola de Negócios e Seguros. Ele pode ser encontrado em www.carlosheitorcampani.com e nas redes sociais: @carlosheitorcampani. Esta coluna sai a cada duas semanas, sempre na sexta-feira.

Últimos comentários

Encontrei pelo google esse post. Muito relevante! Você teria dados sobre o ifix vs IMAB 5 P2 ou IMAB 5? Uma comparação com títulos de menor prazo é interessante também considerando que temos o ETF B5P211.
Quando voce vende um ativo voce destrói seu rendimento.
Analise é valida, porém sao investimentos diferentes em conceitos, o FII mensalmente te da liberdade de pode reaplicar o valor em outro investimento que nao seja FII ou até pagar uma conta, ja o imab não tem essa condição, seria valido comparar as debentures tambem, as incentivadas daria de goleada em ambos, mas entenedo que vc fez a analise em dois indicadores(ima-b e ifix). parabens pela analise.
Olá Carlos. Análise muito lúcida e que escapa do comparativo raso da rentabilidade dos FII's frente ao CDI. Parabéns! Há um ponto, contudo, que entendo que pese a favor dos FII's. O rendimento dos FII's é isento de IR e o ganho de capital é tributado em 20%. Via de regra, a maior parte da rentabilidade dos FII's é entregue via rendimentos, o que alivia bastante a carga tributária. Já no caso de uma NTN-B, o imposto mínimo de 15% incide tanto sobre a parcela prefixada quanto sobre o IPCA, logo, o ganho líquido para o investidor é menor. Nesse contexto, quanto maior a inflação, menor a rentabilidade líquida real para o investidor. Sei que isso torna a análise mais complexa, mas é mais real para o investidor pessoa física que busca tomar uma decisão de investimento.
Ótimo artigo. permite uma visão clara sobre um tema que frequentemente é assunto de discussão sem que se olhe para os dados.
Ótimo texto, estimulou até a minha curiosidade, fui dar uma olhada na composição das carteiras do IFIX e IMAB, nenhum dos meus FIIs preferidos compõem a carteira. Os três critérios exigidos são restritivos a grande maioria dos FIIs.
Boa análise. Sempre devemos fazer as contas daquilo que é mais vantajoso para nossa carteira. Somente o fato de existir uma quantidade excessiva de FIIs mostra que a indústria ainda não está eficiente como gostaríamos.
Na rentabilidade acima foi considerado o IR e a taxa da B3 para o tesouro direto?
Os FIIs também pagam ir na venda
Muito boa pergunta. :)Geralmente quem ganha só informam a parte boa e ocultam a parte negativa. Se os maiores investidores não estam nesse tipo de investimento é porque o retorno não é satisfatório ou risco de perda é grande ou não tem retorno etc .Ainda estou muito no início aprendendo sobre investimento mas levando em consideração que os grandes investidores não estão investindo em fundos imobiliários é algo a se pensar.
Muito boa pergunta. :)Geralmente quem ganha só informam a parte boa e ocultam a parte negativa. Se os maiores investidores não estam nesse tipo de investimento é porque o retorno não é satisfatório ou risco de perda é grande ou não tem retorno etc .Ainda estou muito no início aprendendo sobre investimento mas levando em consideração que os grandes investidores não estão investindo em fundos imobiliários é algo a se pensar.
Excelente artigo, como sempre trazendo análises relevantes 👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿
Muito boa a analise! Contudo, uma seleção melhor dos ativos (FIIs) não promoveria um retorno maior do que o IMA-B no mesmo periodo?
Sim, em tese. A grande questão é como fazer essa seleção melhor. Mas você está certo. Obrigado pelo comentário meu amigo.
Excelente trabalho professor! Informação gratuita e de qualidade para o investido!
Bela analise baseada em evidencias
parabéns pelo artigo, a resposta da pergunta pra mim é: não.
Ninguém Fala das muitas taxas dos fii. De administração, de performance, de xx% do ima-b, e etc... É bizarro. Mas vale diversificar sempre
essa simulação leva em conta a reaplicação de todos os dividendos?
Sim, um índice de retorno total (como ambos do artigo) tem sempre essa premissa. Mas note que ela não altera a análise. O investidor pode "se desfazer" de parte da sua posição para replicar os dividendos etc.
Olá Leonardo. na prática, isso não é importante, pois o investidor pode reinvestir (aumentando sua exposição absoluta) ou não. Mas no cálculo dos índices de retornos totais, sim: matematicamente é importante usar a estratagema de reinvestir todo capital para tornar os índices comparáveis e os retornos, fidedignos, tendo em vista que os retornos nascem dos valores em pontos dos índices.
essa simulação leva em conta a reaplicação de todos os dividendos?
essa simulação leva em conta a reaplicação de todos os dividendos?
Pessoal, MUITO obrigado pelos comentários. Várias sugestões realmente interessantes para próximos artigos.
Parabéns pela análise! Um ponto que você poderia considerar seriam os ciclos, em momentos de alta, o IFIX parece ganhar, na crise perde feio. A derrota fica ainda mais acachapante para o IFX se os fundos de papel não tivessem crescido absurdamente de 2020 para cá.
Ótima análise. Nesse mesmo período analisado, o IMA-B ganha de qualquer classe, inclusive ações. Isso significa que foi melhor, mas não que será melhor, como o próprio autor do texto escreve. O prêmio de risco de FIIs e ações continuam maior olhando para o futuro. Resta montar uma boa carteira, diversificada, de acordo com o seu perfil de risco.
Muito interessante, obrigado por compartilhar o conhecimento
Excelente artigo. Isso sem falar que atualmente encontramos NTN-B com rendimento acima do IPCA muito proximo do valor de 6% anual dos cupons, o que faz com que o invrstidor tenha, por exemplo, proteção até 2055 da inflação, recebendo um salário semestral!!! Eu sou fã deles e meus filhos ja têm uma carteirinha também!!!!
Bom texto, Carlos. Eu sempre gosto de lembrar que temos pesquisas, como a tese do Ângelo Orru Neto, que mostram que não há correlação entre FIIs (além de outros índices imobiliários) e a inflação. Dessa forma, não funcionam como hedge inflacionario - diferente do IMA-B.
Quem gosta dis fiis n as o aplica no indice….artigo compara algo que ninguem investe…poderia ter feito algo mais interessante…
Como, por exemplo, o que, Bill??? Fala aí para a gente o que seria mais interessante. Fiquei curioso.
Bom artigo, só faltou considerar o desempenho de cada um deles em períodos de inflação alta ou em alta versus os de inflação baixa ou em queda.
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.