Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

5 fatores chave a se observar no mercado do petróleo em 2022 com a recuperação da demanda

Commodities31.12.2021 01:19
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Por Ileana Garcia Mora, do Investing.com México

Investing.com - 2021 foi um ano de recuperação significativa para o mercado de petróleo, tanto do lado da oferta como da demanda, graças à reabertura gradual da economia global, ao processo de vacinação que beneficiou gradualmente o deslocamento das pessoas e a escassez de gás natural, que aumentou a demanda pelo petróleo bruto como um substituto.

Até 30 de dezembro, os preços do petróleo WTI haviam avançado 58,68% no ano, para US$ 76,99 por barril, passando de US$ 48,52 por barril para uma máxima de US$ 85,41 por barril, o maior nível em 7 anos. Enquanto isso, os preços do petróleo Brent acumulavam um ganho de 5313% na mesma data, atingindo US$ 79,32 dólares/barril, ao mesmo tempo em que alcançaram uma máxima de US$ 86,70 dólares/barril a partir de uma mínima de US$ 50,56 dólares/barril.

2022 pode ser o ano "pós-pandemia" para o mercado de petróleo, já que muitos esperam que a procura se recupere para 100% dos níveis pré-Covid. Embora isso seja promissor para os investidores do petróleo, ainda há muita incerteza com a chegada do novo ano.

Aqui estão os 5 principais fatores que podem ser determinantes nas perspectivas do mercado de petróleo em 2022.

1. Condições meteorológicas: Outro inverno rigoroso pode forçar o preço para US$ 100 por barril

O preço do barril de petróleo pode atingir US$ 100 - ou mais - no primeiro trimestre do ano caso haja um clima extremamente frio, como se viu no inverno passado.

Em fevereiro de 2021, o inverno severo causou estragos em partes do sul dos Estados Unidos, deixando pelo menos 24 pessoas mortas e centenas de milhares sem eletricidade, enquanto o aumento súbito da demanda exacerbou a escassez da oferta.

"Embora o preço do WTI provavelmente fique na faixa entre US$ 65 e US$ 90 por barril ao longo do próximo ano, o preço desta fonte de energia pode atingir os US$ 100 por barril durante o primeiro trimestre do ano, caso se confirme um clima extremamente frio, como o visto no inverno passado", comenta Ana Azuara, gerente de Análise Econômica do Grupo Financiero Base.

2. Nervosismo com novas variantes da Covid ameaçando os mercados

Embora os picos de 2020 já tenham passado, a Covid ainda não acabou. Dois elementos podem continuar a ameaçar o circulação de pessoas e, consequentemente, a demanda por petróleo: o avanço dos processos de vacinação a nível global e o surgimento de novas variantes da Covid.

"Do lado da demanda, espera-se que os receios continuem pelo menos até que a imunidade do rebanho seja alcançada. Estima-se que 70% da população mundial precise estar vacinada para se atingir a imunidade de rebanho. Caso contrário, vamos continuar a ver variantes que podem comprometer a atividade econômica global e a demanda por energia", disse Azuara.

Para exemplificar o que uma nova variante pode representar, basta olhar para o que aconteceu na última semana de novembro de 2021 com o aparecimento da variante ômicron.

"Nos dias desde 26 de novembro, um total de 56 países implementaram alguma proibição a viagens com vistas a "se defender" da ômicron", comentou Ellen R. Wald, analista do setor de energia e colunista do Investing.com, em um artigo sobre o assunto.

Novas proibições de viagem podem significar novas restrições à circulação das pessoas e suspensões temporárias de voos, e assim alimentar problemas de demanda para combustíveis e petróleo.

3. O espectro da inflação

A inflação tornou-se uma das questões chave em 2021 e o seu impacto sobre o mercado de petróleo, especialmente nos preços, é uma das preocupações que os investidores estão acompanhando.

Nos Estados Unidos, a inflação acelerou para níveis não observados em quase 40 anos, atingindo 6,8%, o aumento mais rápido desde junho de 1982, de acordo com o índice de preços ao consumidor (IPC); enquanto isso, os preços no atacado do índice de preços ao produtor subiram 9,6%. A preocupação com a escalada dos preços finalmente atingiu o Federal Reserve, que, durante sua última reunião de 2021, em dezembro, compartilhou projeções para três aumentos das taxas de juros em 2022.

"Quando a inflação sobe, há uma força ascendente correspondente sobre o preço do petróleo", escreveu Wald. "Os produtores de petróleo estão enfrentando custos mais altos para tudo, desde mão de obra até transporte, incluindo peças. Além disso, a quantidade de dólares que conseguem pela venda do petróleo também diminuiu. Portanto, o desejo de vender cada barril de petróleo por mais dólares aumenta, criando uma pressão ascendente sobre o preço do petróleo".

4. OPEP+ e maior oferta?

Há também receios de que a oferta de petróleo bruto possa aumentar ao longo de 2022, o que, juntamente com os problemas na demanda, poderia prejudicar o mercado da commodity.

"De acordo com a IEA, em média, a produção global de petróleo em 2022 será de 101,41 milhões de barris por dia, 5,46 milhões de barris por dia acima da produção média em 2021. A OPEP continuará aumentando sua produção de petróleo, como já deixou claro, mesmo com o surgimento da nova variante ômicron", explica Azuara.

A OPEP+ continua otimista em relação às perspectivas para o petróleo em 2022. Na sua mais recente previsão, o cartel previu uma demanda de 99,13 milhões de barris de petróleo por dia no primeiro trimestre de 2022, antes de os níveis pré-pandemia serem atingidos no terceiro trimestre. A OPEP+ considera que a variante ômicron será leve e espera aumentar a oferta ao longo do ano. Isto apesar de a Organização Mundial de Saúde e outros organismos ainda classificarem o risco da ômicron como "muito alto".

Sem dúvida, esta questão será um fator para determinar a direção dos preços no primeiro trimestre de 2022.

5. Tensões geopolíticas: Rússia vs. Ucrânia e EUA vs. Irã

O mercado petrolífero continuará sendo afetado por outros fatores geopolíticos, que continuarão a representar riscos, incluindo a guerra comercial entre China e Estados Unidos, além da relação política entre os Estados Unidos e o Irã.

A Rússia também é um dos principais atores, especialmente do lado do gás natural, e é capaz de afetar o preço do petróleo.

"A Rússia é atualmente o terceiro maior produtor de petróleo do mundo e pode enfrentar potencialmente algum tipo de sanção sobre o seu petróleo por parte dos Estados Unidos, como resultado de uma ação militar na Europa. (A Rússia também fornece mais de metade do gás natural da União Europeia, e também existem vários gasodutos na Ucrânia). Um conflito envolvendo a Rússia poderia fazer os preços dispararem enquanto o mundo considera o que tudo isso significaria", afirma Wald.

Perspectiva de demanda

O mercado do petróleo pode ter o seu ano "pós-pandemia” em 2022, já que muitos esperam que a demanda recupere 100% dos níveis pré-Covid.

Num relatório recente, a EIA mencionou que prevê um certo "conforto" no mercado mundial de petróleo, antecipando que a oferta deverá melhorar face a melhores condições de demanda. No entanto, fatores como os citados acima podem voltar a pressionar os preços de energia.

5 fatores chave a se observar no mercado do petróleo em 2022 com a recuperação da demanda
 

Artigos Relacionados

Os Futuros de Ouro caíram durante a sessão asiática
Os Futuros de Ouro caíram durante a sessão asiática Por Investing.com - 25.05.2022

Investing.com - Os Futuros de Ouro caíram durante a sessão asiática na quarta-feira.Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros de Ouro em Junho foram negociados...

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (3)
DOUGLAS SEREGHETTI
DOUGLAS SEREGHETTI 02.01.2022 11:31
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Quero entender
DOUGLAS SEREGHETTI
DOUGLAS SEREGHETTI 02.01.2022 11:31
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Pq o álcool sempre sobe quando a gasolina sobe? pq não temos o álcool como uma solução para diminuir os impactos do aumento da gasolina aqui no Brasil? Alguns produtos essenciais deveriam ter cotas de exportação, privilegiar o mercado interno é prioridade!
Geraldo R Silva
LeoMoreira 01.01.2022 1:22
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Um dos fatores primordiais e nao mencionado, trata-se da maturacao de um projeto na area que leva no minimo 5 anos... com esta corrida para renovaveis as grandes empresas estarão investindo menos e com isto nao estarao repondo reservas... ou seja demanda estavel e oferta vai cair num curto espaco de tempo... o mundo vai ficar nas maos da OPEP+ e com certeza isto vai refletir no preço para cima.
Tomas Carnero Valverde
Tomas Carnero Valverde 31.12.2021 5:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Verdade. o petróleo em 22 dará as cartas mesmo com os conflitos gerados pela Rússia pois a Europa treme. Vale a pena pensar em Petrobras e derivados 👍
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail