Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Petróleo sobre 4% com recuo dos temores com a ômicron; chance de oscilações permanece

Commodities06.12.2021 17:57
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Por Barani Krishnan

Investing.com - Os preços do petróleo subiram 4% na sua retomada mais forte desde o início dos temores com a variante ômicron, enquanto os longs voltaram ao mercado ao verem menos manchetes negativas sobre a variante na segunda-feira.

Os ânimos também foram reforçados pela iniciativa da Arábia Saudita de aumentar o PSO, ou o Preço Oficial de Venda, do seu petróleo bruto com destino aos EUA e Ásia a partir de janeiro, com novos indícios de que a OPEP e seus aliados poderão voltar a fazer cortes na produção.

O petróleo WTI, negociado em Nova York e referência de preço nos EUA, apresentava alta de US$ 2,68, ou 4%, a US$ 68,94 por barril às 15:30h. O WTI atingiu o menor valor em quatro meses na semana passada, a US$ 62,48, após alcançar a máxima em sete anos de US$ 85,41 em meados de outubro.

O Brent, cotado em Londres e referência mundial de preço, subiu US$ 2,64, ou 3,8%, para US$ 72,52. O Brent caiu para US$ 65,80 na semana passada, em relação a uma máxima desde 2014 de US$ 86,70 em meados de outubro.

Embora houvesse fortes compras entre os investidores, que tiveram um senso de barganhas em relação às mínimas da semana passada, alguns analistas alertaram para o fato de que o ímpeto ascendente pode se reverter a qualquer momento, caso novos alertas sobre a ômicron penetrassem de volta nos mercados.

"Em última análise, a coisa mais otimista para os preços é que a ômicron é aparentemente menos grave e, se mais boas notícias como essa se seguirem, podemos todos relaxar um pouco e os riscos negativos para a economia irão diminuir", disse Craig Erlam, analista da plataforma de negociação online OANDA.

Mas ele também disse que era "muito cedo para se deixar levar" pelo indulto do vírus.

"Vimos isto repetidamente desde que as primeiras notícias surgiram pouco mais de uma semana atrás. Os mercados têm sido muito guiados pelas manchetes e este é apenas o último rali em função de algumas notícias positivas".

"Se não vierem boas notícias na sequência, a OPEP+ voltará a restringir a produção e dar suporte aos preços dessa forma. A questão é quanto as mínimas serão testadas no meio tempo, se é que serão testadas. A determinação dos produtores já foi testada antes em diversas ocasiões".

O Secretário-Geral da OPEP, Mohammad Barkindo, disse no sábado que os produtores de petróleo poderiam voltar a reduzir a produção se não conseguirem estancar a hemorragia dos preços da commodity das últimas seis semanas.

"Continuaremos a fazer o que sabemos fazer melhor para garantir que iremos atingir a estabilidade no mercado de petróleo numa base sustentável", disse Barkindo durante um evento do setor no sábado.

Trocando em miúdos, isso quer dizer que os 400.000 barris diários adicionais que a OPEP e seus aliados haviam se comprometido a produzir desde julho provavelmente serão esquecidos se a demanda global e os preços do petróleo bruto se mantiverem anêmicos quando janeiro chegar.

A OPEP e seus aliados, sob o manto da OPEP+, continuam represando cerca de 5 milhões de barris de oferta diária regular do mercado, como parte dos cortes de produção efetuados no auge das quedas de preços em função da Covid-19. A aliança tem indicado repetidamente que não tem problema algum em ampliar esses cortes.

Os cortes na produção e os aumentos do PSO por parte da Arábia Saudita, líder da OPEP+, têm sido duas medidas comprovadas para elevar os preços do petróleo.

O petróleo bruto saudita "grau leve árabe" para clientes asiáticos terá um adicional de US$ 3,30 por barril sobre um valor de referência a partir de janeiro, US$ 0,60 a mais que em dezembro, afirmou a Aramco (SE:2222), empresa petroleira estatal do reino saudita, na segunda-feira. A Aramco também aumentou em US$ 0,80 os preços gerais do seu petróleo de janeiro para a Ásia e a América.

Petróleo sobre 4% com recuo dos temores com a ômicron; chance de oscilações permanece
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (2)
Mant Neuman
BombeiroAristide 06.12.2021 18:19
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Dolar alto é bom para o Brasil!!! Batendo 5,70!!! Parabéns Jegues, meta atingida. Agora, dobramos a meta!!!!! Jegues é Jenio, o foco esta na offshore da politicalha, na roubalheira e na reeleiçào... A economia, deixa para depois.
Altair Jr
AltairJr 06.12.2021 18:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
sobe por isso...cai por aquilo...todos sempre têm uma opinião pra tudo kkkkkkk
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail