Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Selic: o que esperar da decisão de taxa de juros do Copom nesta quarta-feira

Dados Econômicos22.09.2021 05:51
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters.

Por Leandro Manzoni

Investing.com - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) vai divulgar a nova taxa básica de juros nesta quarta-feira, após a finalização do segundo dia de reunião de política monetária, a antepenúltima do ano. A expectativa do mercado é de mais uma elevação de 1 ponto percentual, elevando a taxa Selic de 5,25% para 6,25% ao ano.

Além da atualização da taxa de juros, os investidores aguardam como o Copom vai apresentar seu cenário-base para a economia e o balanço de risco inflacionário no comunicado pós-reunião e, mais detalhadamente, na ata da reunião que será publicada na terça-feira da semana que vem.

A decisão vem após o último dado da inflação oficial (IPCA) vir novamente acima das projeções do mercado em agosto. De acordo com o IBGE, o índice veio 0,87% no mês passado em relação a julho, enquanto o mercado projetava alta de 0,71%. Na base anual, o IPCA subiu para 9,68%, enquanto as apostas eram de 9,5%.

Essa aceleração chegou a elevar as apostas de uma alta de 125 e até 150 pontos-base no mercado de juros futuros até semana passada, devido ao trecho do comunicado da última reunião no qual a autoridade monetária indica “ser apropriado um ciclo de elevação da taxa de juros para patamar acima do neutro”. Porém, a fala do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em um evento semana passada apaziguou o mercado. Campos Neto disse que o “tem um plano de voo que olha para o horizonte mais longo” e “não vai reagir a cada dado de alta frequência que sai”.

Além disso, a pressão inflacionária está provocando uma desancoragem das expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária - 2022 -, como mostra as projeções divulgadas no último Boletim Focus na segunda-feira (20). Isso significa que as estimativas do IPCA para 2022 está acima do centro da meta de inflação de 3,5% determinada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). No último Focus, a projeção do IPCA em 2022 subiu de 4,03% para 4,1%.

Para entender o cenário econômico e os fatores que vão pesar na decisão dos dirigentes do Banco Central nesta e nas próximas reuniões, o Investing.com conversou com quatro economistas que abordaram:

- Expectativa de alta na reunião desta quarta-feira;

- Projeção de alta nas próximas reuniões;

- Estimativa da taxa Selic para o final do atual ciclo de alta;

- Comunicado e potencial surpresas

Confira abaixo a análise de cada economista entrevistado pelo Investing.com.

Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos

A economista segue a expectativa do mercado e estima uma alta de 100 pontos-base na taxa Selic. “É uma extensão do ciclo, não aceleração”, afirma.

Abdelmalack projeta que o ciclo de alta prossiga até o 1º trimestre do ano que vem, quando a taxa Selic atingir entre 8,5% e 9%. A extensão ocorre, segundo ela, por causa do imbróglio do Orçamento de 2022 e inflação mais implicado com inércia em 2022. “A inflação em 2022, se não for o centro da meta, será dentro do teto, com folga”, estima.

A grande novidade no comunicado talvez seja uma observação em relação à reversão de estímulos monetários do Federal Reserve, cujo calendário pode ser publicado horas antes após a reunião de política monetária do banco central dos EUA. “A grande curiosidade é se tem possibilidade de acelerar o passo”, diz a economista também sobre o comunicado.

Rachel de Sá, chefe de Economia da Rico Investimentos

A economista, colunista do Investing.com, também estima alta de 100 pontos-base, com a taxa Selic terminando 2021 em 8%. Já o ciclo atual de alta deve ser finalizado em 2022 em 8,5%, uma taxa acima do nível neutro conforme sinalizado pelo Copom na última reunião.

“Copom não vai acelerar o ritmo, já achava isso antes do Campos Neto afirmar que não vai alterar a magnitude com cada dado publicado”, diz de Sá. Mas, a economista ensaia uma avaliação sobre o que justificaria uma aceleração do ritmo de contração monetária: uma combinação de inflação corrente e desancoragem de inflação em 2022. Para isso, ela recomenda verificar as estimativas de inflação do Boletim Focus e do modelo do Banco Central a ser divulgado no comunicado.

Apesar de reconhecer que a inflação esteja disseminada, não observa um aumento do ritmo de alta da taxa Selic devido à desaceleração da economia chinesa e, consequentemente, uma pressão menor no preço das commodities agrícolas e minerais. Além disso, indica que haverá, além desta, mais uma alta de 100 pontos-base na próxima reunião, uma de 75 pontos-base e uma final de 0,50 ponto percentual no primeiro trimestre do ano que vem.

Roberto Padovani, economista-chefe do Banco BV

O economista destoa da mediana do mercado e projeta uma elevação de 1,25 ponto percentual, argumentando que o Copom pretende reancorar as expectativas de inflação para 2022 e 2023. Com isso, Padovani estima uma outra alta de 125 pontos-base na reunião seguinte e o fim de ciclo de contração monetária com uma taxa de 9% em fevereiro do ano que vem após duas altas de menores (0,75 e 0,50 ponto percentual).

“O Banco Central não pode ir muito além disso”, diz, apontando que já há uma desaceleração econômica natural para o ano que vem. “É uma decisão difícil, o desafio é controlar a expectativa inflacionária, descontrole fiscal não está no radar”, afirma ao prever um trecho abordando uma “melhoria” na trajetória da dívida no comunicado, embora ela ainda esteja elevada.

Sobre o comunicado, Padovani recomenda observar se o Banco Central vai abordar se há espaço para elevações da taxa acima de 100 pontos-base, além de apontar para os próximos passos da estratégia do Banco Central.

José Francisco Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator

Outro economista que estima alta de 100 pontos-base nesta reunião, Lima Gonçalves prevê mais duas altas de 1 ponto percentual, com a taxa Selic chegando a 8,25%. "Não para aí", diz ao apontar que ainda vão faltar 50 pontos-base, com um fim de ciclo de contração entre 8,75% e 9% no primeiro trimestre do ano que vem. Embora tenha incerteza se o Copom vai acelerar a magnitude de alta esse ano ou continua nesse ritmo.

A avaliação do economista é de que não haja outro cenário visto pelo Copom a não ser subir a taxa Selic, devido ao atual regime de metas de inflação. "[Essa alta] vai fazer cócegas na inflação", afirma ao avaliar que a inflação atual é de choques e que a elevação da Selic é para evitar disseminação na ótica do Copom. "Na verdade, vai acelerar a inflação", projeta ao abordar que a redução da demanda com o corte da taxa vai retrair a oferta futura que está atualmente contraída, o que vai piorar a atividade econômica. "Ninguém dá desconto com demanda em queda", complementa, além de ressaltar que as empresas atualmente estão endividadas e deve repassar para os preços à alta do custo financeiro.

O economista recomenda uma mudança no regime de metas de inflação. "Não elevar a meta, mas que não responda a um calendário gregoriano", diz em relação ao atual regime estabelecer que a meta é restrita a um período que inicia em 1º de janeiro e encerra em 31 de dezembro. "Se for uma meta para 12 meses a frente, já muda [a condução da política monetária]", complementa.

Por fim, apesar de dizer que a inflação corrente está piorando, diz que no horizonte é de arrefecimento dos preços. "Não é um ambiente de super ciclo de commodities, há uma desaceleração econômica no exterior e atividade interna está mais fraca".

Selic: o que esperar da decisão de taxa de juros do Copom nesta quarta-feira
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (25)
Cesar Capri
Cesar Capri 22.09.2021 19:05
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O BC tem que considerar que os aliados exportadores vão começar a ver a inflação detonar os lucros que tiveram com o superavit nos últimos meses, daqui a pouco pode vir outra crise, China está tentando camuflar um problema sério, e se as exportações brasileiras caem, o custo alto de produção e inflação ficam, e com o mercado interno desaquecido em stagflação, e essa tentativa de especular exportando mais com o dólar alto vai por terra, naufraga. No valor da moeda não se mexe, taxa de juros são barreiras contra a inflação, e câmbio flutuante reduzindo juros como fizeram ano pasado, é estimular mais inflação. Perceberam essa realidade meio tarde, e quanto mais devagar subir juros no curto prazo, mais terão de subir no médio prazo, isso é matemática pura, não é achismo e não é política. Seria melhor fechar o ano com um juros devorador da inflação, é ano que vem, em época de campanha, ter uma margem para redução. OU, não mexam nos juros, e derrubem os suportes do dólar.. E a inflação cai.
pericles periclesplb
pericles periclesplb 22.09.2021 18:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Selic descolada demais da inflação.... precisa subir rápido. BACEN pseudo-independente precisa tomar as rédeas da inflação.
Cesar Capri
Cesar Capri 22.09.2021 18:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
É bem isso. Ou seja, vão subindo juros aos poucos e a inflação vai dominando, é como botar água morna em panela com agua fria esperando que ela fique morna num ponto neutro. Taxa de juros é como antibiótico, tem que subir até abafar a inflação, "esquentar a panela "e só depois fazer cortes residuais pra achar um patamar neutro. Querer buscar um patamar neutro, ou MORNO. Eles estão economizando nessa subida da selic, e no fim vão ter que subir mais. Outra saída seria derrubar os suportes do dólar, o BC só atua em topos, e o dólar fica pressionando a inflação. Maa daí os exportadores vão a loucura e Paulo Guedes fica na saia justa.
Lucas Oliveira
Lucas Oliveira 22.09.2021 13:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
artigo muito bem escrito so não foi perfeito por causa de alguns esquizofrenicos nos comentários que insistem em destruir a possibilidade de debate e dialogo, seria pq não possuem argumentos?
Cesar Capri
Cesar Capri 22.09.2021 11:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Engraçado os ecomistas mundiais e os bancos centrais, tratam stagflação como inflação, e punem a atividade econômica por inflação gerada por desvalorização cambial e superavit nas exportações. Quero dizer, temos alta no dólar pela redução da selic no ano passado, a inflação sobe, e agora o BC tem que subir juros pra penalizar a atividade econômica, mesmo com a economia praticamente parada. Eu juro que as vezes é difícil entender o raciocínio dessa galera. Será que essa política econômica visando tão somente exportações vale tanto a pena assim? Fica claro que o setor privado brasileiro está pouco se importando com atividade econômica, querem mesmo é exportar.
Mostrar respostas anteriores (8)
Lucas Oliveira
Lucas Oliveira 22.09.2021 11:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Cesar Capri  concordo mas é curioso que ninguém trata a porra da raiz do problema nem bolso, lula ou ciro, ja parou pra pensar que o problema do brasil é 2 basicamente(os maiores)nosso fiscal é e sempre foi ridículo(isso vem desde 1960),e a politica monetária do real que era so pra ficar 1 ou 2 anos ta ai a 26(o próprio ciro gomes que é de esquerda tbm criticou isso) a verdade é que o brasil devia mandar o real pra aquele canto e criar um plano monetário descente o bolsoburro tinha até dado uma dica mais depois amarelou, enfim ta pra nascer alguém com bolas nesse país, pq é so covardes pqp!
Cesar Capri
Cesar Capri 22.09.2021 11:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Não tem como deixar o real de lado assim, o pouco que salva é o histórico do Real. Ciro Gomes não sabe o que fala, se vc já leu o que ele propõe, é exatamente isso que estão fazendo aos poucos, juros baixos forçados, superavit sem consistência de longo prazo, e salários mínimos reajustados pela inflação, isso acaba com dezenas de zeros na moeda, muita coisa encalhada no congresso. O jeito é manter a atividade econômica aquecida com uma taxa de juros mais elevada segurando a inflação, enquanto o governo injeta recursos pra manter a atividade econômica, mas não como Dilma fazia através de obras de infraestrura, mas com transferência de renda. Bolsa família é uma boa arma, o pobre gasta, isso volta pro empresário quando o povo consome, e o governo arrecada impostos para ter caixa e reinjetar recursos. Não vejo saída pro Brasil, o resto é blah blah que fica encalhado.
Lucas Oliveira
Lucas Oliveira 22.09.2021 11:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Cesar Capri  respeito sua opinião mas discordo principalmente do ponto das politicas assistencialistas o povo tem que ter trabalho emprender investir na própria educação(pra mim é o principal)assistencialismo a longo prazo é deletério,esse negocio de reinvestir na economia através do consumo eu até concordo mas os recursos devem vim do próprio trabalho e esforço(não se trata necessariamente de meritocracia)se trata de da mais liberdade e termos menos impostos do jeito que vc propõe isso so seria feito com aumento de imposto e no brasil a gente ja paga imposto de mais,somos estruprados pelos governos todos os anos,não aguento! mais
Cesar Capri
Cesar Capri 22.09.2021 11:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Isso que vc descreveu é o ideal, mas muitas vezes os ideias viram utopias. Eu não acredito no brasileiro como empreendedor, o espírito brasileiro é muito pedinte, é mendigo por essência, nem falo isso pejorativamente, mas existe um histórico de colonia muito forte, e se a atividade econômica cair muito, o país vai se tornar ainda mais extrativista e exportador, se o governo não injetar dinheiro na economia via transferência de renda, o país simplesmente vai exportar mais. Segundo ponto é que na circunstância, os poucos investidores em negócios também não possuem interesse em crédito mais barato pra investir, porque com a economia parada, o investimento não tem retorno, então é complicado esperar por esse milagre que você descreveu no comentário, que na teoria é excelente, mas na prática, pode significar décadas perdidas, aumento na criminalidade, média salarial que só pagam as contas, e o resto é tudo exportado.
César Ferreira
César Ferreira 22.09.2021 11:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
excelente raciocino, penso da mm maneira, mas gostaria que o Lucas tivesse razão.
edson mendes mendes
edson mendes mendes 22.09.2021 10:20
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Horario que termina a reuniao do copom
Mant Neuman
BombeiroAmigo 22.09.2021 10:20
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O anúncio é depois do fechamento...
alan Bonifácio
alan Bonifácio 22.09.2021 9:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Pelo menos os economistas tem um consenso de que a taxa selic vai para de subir no 1º tri de 2022, ou seja, pode ser um bom momento para comprar Titulo pré fixado, aumentando as chances de ganhar R$ com a marcação a mercado futura.
Mostrar respostas anteriores (1)
Mant Neuman
BombeiroAmigo 22.09.2021 9:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
???? Se a curva se mantiver como esta ou inclinar, vc perde....Queda de juros que ganha no valor nominal em cima prémio pré....
alan Bonifácio
alan Bonifácio 22.09.2021 9:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mant Neuman  , então, foi isso que eu disse, se de fato a taxa selic parar de subir no 1º tri de 2022 e começar a cair,  essa é a hora de quem quer comprar pré fixado deve entrar, pq a cada corte na taxa selic o titulo se valoriza através da marcação a mercado. Mas é aquilo né, não temos garantia nenhuma que a selic vá parar de subir
Mant Neuman
BombeiroAmigo 22.09.2021 9:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
alan Bonifácio  Entendo, ,mas é que nào basta a variação na Selic. Os titulos possuem as taxas definidas pelo Mercado. Se a Selic reduzir e as taxas à mercado subirem, vai ter prejuizo nominal. O que vale é a expectativa de mercado futura.
alan Bonifácio
alan Bonifácio 22.09.2021 9:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mant Neuman  , bem observado, valeu man!
Cesar Capri
Cesar Capri 22.09.2021 9:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Olha, isso é o que o BC quer. Se com o rombo da era Dilma a selic já foi a 14%, com o rombo de agora gerado pela pandemia de mais de 1 trilhão, mais desvalorização cambial, se o BC não se entregar por completo aos exportadores e quiser mesmo controlar essa inflação, não vejo selic a menos de 18%, ainda mais se o governo continuar driblando tetos de gastos, e caso venham a mobilizar alguns programas de infraestrura, eu aposto em 18% a 25% de selic. Se for pra fazer uma versão peso argentino do real no futuro, daí sim, uma taxa de 12% ou até 9% mesmo.
Jose Expedito
Jose Expedito 22.09.2021 9:43
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Minha bola de cristal, diz que a selic vai subir hahah
marcos antonio
marcos antonio 22.09.2021 9:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
tem cartinha do temer hoje dizendo que o discurso de ontem foi por conta do calor do momento? A famosa ratoeira!
José Artur Medina
José Artur Medina 22.09.2021 9:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Nomes próprio se iniciam com letra maiúscula.
José Artur Medina
José Artur Medina 22.09.2021 9:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Alessandro Pinheiro
Alessandro Pinheiro 22.09.2021 9:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
"Especialistas" aqui dos comentários esquecem que o mundo inteiro vai mal! 🤦🏻‍♂️ Enfim, só uso esse app para acompanhar o calendário econômico, o resto é decepcionante!
Flavio Alex
Flavio Alex 22.09.2021 9:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Realmente o mundo vai mal! Porém, pra quem enxerga a realidade só o Brasil tem um presidente genocida que em plena crise se preocupa em arquitetar um golpe pra ficar no poder e acabar com as instituições democráticas . Em plena crise incentiva o povo a comprar armas enquanto passa fome. Tudo isso é a prioridade de governo ao invés de governar e tentar melhorar a condição dos brasileiros gerando empregos e atraindo investimentos.
José Artur Medina
José Artur Medina 22.09.2021 9:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Flavio Alex  A realidade é que genocidas são os heróis históricos da esquerda, seus heróis (terapia gratuita, red pill).
Ricardo Sena Maranhao
Ricardo Sena Maranhao 22.09.2021 9:23
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
José Artur Medina  Verdadeira Redpill é parar de se importar com político de qualquer espécie.Só aproveitar o flow do mercado. A vida é um verdadeiro kkk
Flavio Alex
Flavio Alex 22.09.2021 8:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Com a inflação na lua, crise politica e economica, dolar alto e fuga de capital estrangeiro os juros vão ter de chegar a 14% novamente para atrair investimento. Qualquer leigo previu isso, menos o "Jegues".
José Artur Medina
José Artur Medina 22.09.2021 8:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Inflação de 9,3% não é inflação na Lua. Dilma produziu 16% de inflação, e mesmo assim ficou longe de uma inflação na Lua, como na época do Sarney.
Mant Neuman
BombeiroAmigo 22.09.2021 8:30
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
José Artur Medina  16? hahahah. Além de contorcer os fatos é mentiroso?
Ricardo Silva
Ricardo Silva 22.09.2021 8:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Mico de governo. Credo. 3 anos jogados no LIXO
Mostrar respostas anteriores (3)
Sardinha Ligeira
Sardinha Ligeira 22.09.2021 8:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Flavio Alex  fique em casa 0tario, a economia a gente vê depois.. ah não pera, já é depois neh!
Flavio Alex
Flavio Alex 22.09.2021 8:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Sardinha Ligeira  O comentário é tão ignorante e sem conexão que vai ficar sem resposta.
Luis Renato Villela Felipe
Luis Renato Villela Felipe 22.09.2021 8:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Flavio Alex o fenômeno inflação é mundial. Está atribuindo tudo ao Brasil por que? A inflação anualizada nos EUA está em 5,3%, e não passava de 2% antes da pandemia. Supermercado está caro, mas vivemos a maior alta no MUNDO desde 1970. É só se informar e parar de criticar o governo.
Flavio Alex
Flavio Alex 22.09.2021 8:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Luis Renato Villela Felipe  Realmente o mundo vai mal! Porém, pra quem enxerga a realidade só o Brasil tem um presidente genocida que em plena crise se preocupa em arquitetar um golpe pra ficar no poder e acabar com as instituições democráticas . Em plena crise incentiva o povo a comprar armas enquanto passa fome. Tudo isso é a prioridade de governo ao invés de governar e tentar melhorar a condição dos brasileiros gerando empregos e atraindo investimentos.
José Artur Medina
José Artur Medina 22.09.2021 8:21
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Flavio Alex  , use o IPCA, esse papo de supermercado é uma narrativa vazia.
jonatas souza
jonatas souza 22.09.2021 8:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Minimo 1% so estao tentando desfazer os erros cometidos… pena que o dano causado e elevado e persiste
Celso Santos
Celso Santos 22.09.2021 8:16
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
fogo na Babilônia 🔥🔥🔥
Danilo Ferreira
Danilo Ferreira 22.09.2021 8:13
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Acabaram com o país, dolarizaram as compras do mês, material de construção. Aqui no interior é costume as pessoas criarem galinhas, até isso o governo conseguiu acabar, ninguém aguenta comprar milho. Pior governo da história.
lauro borges da fonseca Junior
lauro borges da fonseca Junior 22.09.2021 8:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Excelente.
Beto Magalhães
Beto Magalhães 22.09.2021 8:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Existe um fato relevante que deve ser observado. Além dos problemas internos que temos que lidar - economicos e politicos, há de observar com grande preocupação o interesse em manter a China na berlinda como nosso maior parceiro comercial. Melhor rever estes conceitos e procurar novos parceiros. Um peidinho lá vira um tsunami aqui...
Beto Magalhães
Beto Magalhães 22.09.2021 8:01
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Existe um fato relevante que deve ser observado. Além dos problemas internos que temos que lidar - economicos e politicos, há de observar com grande preocupação o interesse em manter a China na berlinda como nosso maior parceiro comercial. Melhor rever estes conceitos e procurar novos parceiros. Um peidinho lá vira um tsunami aqui...
Mant Neuman
BombeiroAmigo 22.09.2021 7:52
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Espero que o estagiário do Jegues continue perdido. Depois do desgoverno reduzir o juros a irresponsáveis 2%, vemos os juros triplicar em 6 meses para tentar conter a burrada histórica
João Jansen
João Jansen 22.09.2021 7:47
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Tudo já esperado , e estabelecido pelo Copom.
Tiago Fontana
Tiago Fontana 22.09.2021 7:46
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
vai subir a selic, mas não vai adiantar. rendimento real ainda serah negativo e o dolar ainda continuará alto se nao corrigirem os gastos públicos. conclusão: juro alto, inflação alta, dolar alto.
Coraline Staker
Coraline Staker 22.09.2021 7:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Bom dia acho que o JB é o único Presidente da história que nunca tem responsabilidade por nada a culpa é da Globo OMS ONU imprensa Governadores Prefeitos STF ambientalistas esquerdas China etc etc etc
Elisio Pedro
Elisio Pedro 22.09.2021 7:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
isso quando a culpa não é do próprio governo, como quando a anvisa "briga" com o ministério da saúde, ou o GSI com a PF, ou o presidento com algum ministro/secretário...o que gera situações absurdas, onde o governo é oposição de si mesmo...
José Artur Medina
José Artur Medina 22.09.2021 7:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Ele tem responsabilidade na criação de empregos 1 milhão e oitocentos até agora
Elisio Pedro
Elisio Pedro 22.09.2021 7:40
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
José Artur Medina  só falta 12x mais empregos para voltarmos ao pleno emprego que tínhamos em 2014
Alberto Júnior
Alberto Júnior 22.09.2021 7:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
O que espero ? Na verdade um PRESIDENTE DECENTE !! basta isso…
Marcelo Ornellas
Marcelo Ornellas 22.09.2021 7:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Difícil
Lucas Oliveira
Lucas Oliveira 22.09.2021 7:18
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
@Alberto Júnior esquece,na politica em canto nenhum do mundo existe presidentes descente, ai vc pode argumentar "ha mais um inteligente seria bom" sim seria mas a tendência do cara ser um psicopata de verdade é grande, então qual seria a solução?faça que vc e seus investimentos lucrem com cada burrice de um politico e um banqueiro central,e seja independente desses porras fica brigando na internet por eles não vai te lavar a nada,além disso um dia vc vai perceber que politicos no geral so atrapalham e é possível ser independente deles!
welington felix
welington felix 22.09.2021 6:56
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Faz-se necessário parar de assistir a rede grobo..." A culpa é do Bolsonaro ".
roberto gadioli
roberto gadioli 22.09.2021 6:38
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
#governoRUIM de fake news. juros sobem 300% em 12 meses. CORRUPÇÃO: #ConSinoGATE e #COVAXINGATE, mansões de $ 3,2 a $ 14 milhões no BSB. parte do povo foi trouxado por acreditar no #d0id0dob0z0 (vulgo bolsonaro)
Walber Gonçalves
Walber Gonçalves 22.09.2021 6:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Essas " subidinhas" de 1% não fazem nem cócegas na inflação, que Campos-Guedes criaram.
Henrique Oliveira
Henrique Oliveira 22.09.2021 6:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Disse o especialista em Economia...
Lucas Oliveira
Lucas Oliveira 22.09.2021 6:35
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
o problema que subir o juros de uma vez acaba piorando a situação o que da o "rebote" e causa o efeito inverso de controlar a inflação, é por isso que seja pra reduzir ou aumentar o juros tem que ser feita de forma lenta,@ walber Gonçalves precisa estudar teoria monetária primeiro amigão ai depois se quiser pode continuar descendo o pau mas faça com embasamento coisa que boa parte dos esquisofrenicos dos comentários não tem!
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail