😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quarta-feira

Publicado 12.06.2024, 08:07
© Reuters.
US500
-
EWZ
-
AAPL
-
LCO
-
CL
-
1YMU24
-
NQU24
-
CME
-
IXIC
-
IBOV
-
US500
-

Por Scott Kanowsky e Jessica Bahia Melo

Investing.com – Os futuros das ações dos EUA registravam leve alta antes da abertura das Bolsas em Nova York nesta quarta-feira, 12, com os investidores atentos a dados de inflação e decisão de juros nos EUA.

O Federal Reserve está se preparando para revelar sua mais recente previsão para as taxas de juros até o final de 2024 e além. No entanto, essas previsões podem ser influenciadas pelo resultado de uma leitura importante da inflação de maio antes do final da última reunião de política de dois dias do banco central.

No Brasil, governo deve ter que encontrar outra solução para compensação fiscal, apesar de afirmar que não há “plano B”.

Leia agora mais detalhes sobre os assuntos mais importantes desta manhã!

Como saber onde investir para continuar ganhando dinheiro em mercados voláteis? Experimente o InvestingPro e descubra! Clique AQUI, escolha o plano que deseja por 1 ou 2 anos e aproveite seus DESCONTOS. Obtenha até cerca de 50% aplicando o código OFERTAPRO. Não espere mais!

1. Decisão de juros nos EUA

Os futuros das ações dos EUA foram subiam na quarta-feira, com os investidores se preparando para uma decisão bastante aguardada sobre a taxa de juros do Federal Reserve e para a divulgação de novos dados de inflação da maior economia do mundo.

Às 8h (de Brasília), o contrato Dow futuros havia ganhado 0,13%, enquanto S&P 500 futuros e Nasdaq 100 futuros subiam em magnitudes semelhantes.

O índice de referência S&P 500 e o índice de alta tecnologia Nasdaq Composto registraram níveis recordes de fechamento por uma segunda sessão consecutiva na terça-feira, impulsionados em parte por um salto nas ações da Apple (NASDAQ:AAPL). A gigante da tecnologia lançou novos recursos aprimorados de inteligência artificial em sua conferência anual de desenvolvedores no início desta semana, em uma tentativa de aumentar a demanda por seus dispositivos.

Os mercados agora estão voltando sua atenção para a conclusão de uma reunião de política do Fed de dois dias, que será precedida pela publicação do índice de preços ao consumidor de maio - um indicador crucial do crescimento dos preços nos EUA - antes do sino de abertura em Wall Street.

As autoridades do Fed estão amplamente inclinadas a deixar as taxas de juros estáveis na máxima de mais de duas décadas de 5,25% a 5,5% na quarta-feira, o que significa que a perspectiva do banco central para os futuros custos de empréstimos estará em destaque.

Os membros do Comitê Federal de Mercado Aberto, responsável pela política monetária americana, devem revelar seu mais recente "gráfico de pontos", um conjunto de previsões sobre a trajetória das taxas do Fed durante o restante de 2024 e no longo prazo. O presidente do Fed, Jerome Powell, também deve fazer uma declaração.

Em março, o gráfico de pontos mostrou que a maioria das autoridades estava prevendo dois ou três cortes este ano. Porém, nas últimas semanas, vários membros do Fed indicaram que não têm pressa em reduzir as taxas, dizendo que, em vez disso, gostariam de ver mais provas de que a inflação está diminuindo de forma sustentável para sua meta declarada de 2%.

De acordo com a Ferramenta FedWatch do CME Group (NASDAQ:CME), monitorada de perto, a probabilidade de um corte em setembro caiu desde uma semana atrás, já que os traders reagiram a um relatório de empregos mais forte do que o esperado na última sexta-feira, que aumentou a perspectiva de preços rígidos.

ACOMPANHE: Monitor de juros do Fed

2. Inflação nos EUA em foco

O mais recente índice de preços ao consumidor do Departamento do Trabalho, que deve ser divulgado cerca de trinta minutos antes de o Fed se reunir novamente para o segundo dia de sua mais recente reunião de política, pode apresentar uma mudança de última hora nas projeções de política do banco central.

Os economistas preveem que o crescimento anualizado da manchete de preços em maio igualou o ritmo do mês anterior, mas desacelerou em uma base mensal. A leitura do chamado "núcleo", que exclui itens mais voláteis, como alimentos e combustíveis, é vista como tendo uma ligeira desaceleração em relação ao ano anterior e permanecendo em linha com a taxa mensal de abril.

Um relatório mais quente do que o esperado pode levar as autoridades do Fed a moderar suas previsões de redução das taxas em 2024, enquanto uma leitura mais branda pode convencer mais deles a estimar até dois cortes.

Analistas citados pelo Wall Street Journal sugeriram que uma média mediana de pelo menos dois cortes seria necessária para sustentar as esperanças de uma redução até setembro, enquanto uma mediana de apenas um sinalizaria que um corte não ocorreria até o final deste ano.

VEJA: Cotações das ações americanas

3. Inflação na China fica abaixo do esperado

Os preços ao consumidor na China cresceram menos do que o esperado em maio, já que o consumo permaneceu em grande parte fraco diante de uma recuperação econômica incerta.

Enquanto isso, os preços ao produtor encolheram em um ritmo mais lento do que o esperado, marcando sua menor contração desde fevereiro de 2023, em meio a sinais de uma possível recuperação no setor industrial.

O índice de preços ao consumidor (IPC) do país aumentou 0,3% em relação ao ano anterior em maio, mostraram dados do National Bureau of Statistics na quarta-feira. A leitura foi mais fraca do que as expectativas de um aumento de 0,4% e ficou inalterada em relação ao mês anterior. A variação mensal do IPC diminuiu 0,1%.

O índice de preços ao produtor encolheu 1,4% na comparação anual em maio, em comparação com as projeções de queda de 1,5% e de queda de 2,5% em abril.

CONFIRA: Calendário Econômico do Investing.com

4. Preços do petróleo sobem

Os preços do petróleo subiram na quarta-feira, impulsionados por uma série de opiniões otimistas sobre a demanda global.

Às 8h, os futuros do petróleo dos EUA (WTI) foram negociados 1,19% mais altos, a US$ 78,83 por barril, enquanto o contrato Brent subiu 0,99%, para US$ 82,73 por barril.

Dados do American Petroleum Institute, divulgados na terça-feira, mostraram que os estoques de petróleo dos EUA encolheram mais do que o esperado na semana passada, aumentando as esperanças de que o consumo de combustível dos EUA estivesse aumentando com o início da temporada de verão, que é muito movimentada.

O otimismo foi reforçado pela notícia de que a Administração de Informações sobre Energia dos EUA elevou sua previsão de crescimento da demanda mundial de petróleo em 2024 para 1,10 milhão de barris por dia, em comparação com uma estimativa anterior de 900.000 bpd.

Em outro lugar, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo manteve sua previsão de crescimento relativamente forte da demanda global de petróleo em 2024 em seu relatório mensal, citando as expectativas de viagens e turismo no segundo semestre.

Um relatório mensal da Agência Internacional de Energia também está previsto para o final desta semana, enquanto a EIA também divulgará seu relatório semanal oficial sobre os estoques dos EUA.

5. Presidente do Senado derruba MP da compensação ao governo

O presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco, informou ontem que derrubou trecho da medida provisória que contempla restrição ao uso de benefícios fiscais por empresas.

O governo havia editado a MP na semana passada, limitando o uso de créditos de PIS/Cofins, com o objetivo de elevar a arrecadação de tributos para compensar desoneração da folha de pagamentos. A parte impugnada perde a validade de forma retroativa desde a data, 4 de junho.

Assim, Pacheco deve devolver ao executivo somente essa parte da MP. O restante da matéria segue em vigor e será apreciado no Congresso. Ao justificar a derrubada, Pacheco alegou que mudanças tributárias desta magnitude não podem ter validade imediata, somente após 90 dias.

Às 8h (de Brasília), o ETF EWZ (NYSE:EWZ) apresentava estabilidade.

ACOMPANHE: Cotações das commodities

*

Precisa de ajuda para navegar nos mercados? InvestingPro é para você!

Seja você busca conquistar orientações sobre investimentos ou procura por ferramentas que permitam escolher as ações corretas do Ibovespa ou dos mercados globais por conta própria, o InvestingPro tem algo a oferecer.

Você encontrará estratégias de IA, indicadores exclusivos, dados financeiros históricos, notícias profissionais e muitos outros serviços para sempre manter uma vantagem nos mercados e saber quais ações comprar e quais evitar.

E os leitores de nossos artigos têm por tempo limitado um desconto especial nas assinaturas. Inscreva-se agora! E não esqueça o código promocional "OFERTAPRO", válido para assinaturas Pro e Pro+ de 1 e 2 anos!

Recursos do InvestingPro - Use o cupom INVESTIR para um desconto adicional







1 ano de InvestingPro

1 ano de InvestingPro+

2 anos de InvestingPro

2 anos de InvestingPro+


Veja como aplicar o cupom no vídeo abaixo:

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.