Últimas Notícias
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Mais detalhes

Dólar cai 1,11% com apetite externo ao risco e atuação do Banco Central

Moedas15.10.2021 18:10
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Dólar cai 1,11% com apetite externo ao risco e atuação do Banco Central

O ambiente externo de apetite ao risco, com alta das Bolsas em Nova York, e o efeito cumulativo das intervenções do Banco Central minaram o fôlego do dólar no mercado doméstico de câmbio nesta sexta-feira, 15. No fim da manhã, sob efeito de leilões de swaps (extra e de rolagem) e de declarações do diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, a moeda à vista chegou a ser negociada abaixo do patamar de R$ 5,44, ao registrar a mínima de 5,4346 (-1,48%). Com uma redução do ritmo de perdas ao longo da tarde, o dólar voltou a rodar na casa de R$ 5,45, mas ainda assim fechou em queda firme, de 1,11%, cotado a R$ 5,4547. Com o tombo hoje, a divisa americana fechou a semana em queda 0,77% e avança de apenas 0,16% em setembro.

Operadores destacam que o real voltou a andar em sintonia com seus principais pares entre as divisas emergentes, já que o rand sul-africano e o peso mexicano também apresentaram ganhos de cerca de 1% em relação à moeda americana hoje. O índice DXY - que mede a variação do dólar frente a seis divisas fortes - operava perto da estabilidade, abaixo da linha dos 94 pontos.

Em evento virtual pela manhã, o diretor de Política Monetária do BC admitiu que pode haver uma "dinâmica perversa" no câmbio, mas reforçou que a instituição tem uma "capacidade robusta" de intervenção no mercado - no que foi interpretado, nas mesas de operação, como um recado de que não vai deixar a taxa de câmbio à deriva. Serra disse também que o mercado teve "claramente dificuldade em digerir" parte do risco cambial desde fins de setembro, fruto da saída concentrada de recursos, o que acabou levando o BC a atuar para garantir a liquidez. "É sempre melhor quando o mercado funciona sozinho, mas os volumes vendidos pelo BC nos últimos dias mostram que estamos atentos", afirmou Serra, acrescentando que "se a política econômica ficar de pé", o dólar vai perder força, "voltando a responder ao diferencial de juros".

"A postura do BC mudou claramente nesta semana com os leilões extras de swap, que já somaram US$ 3 bilhões. Isso revela que o BC está reticente em dar um aumento de juros ainda maior já que a inflação está vindo de choques de oferta", afirma o economista-chefe da Integral Group, Daniel Miraglia, para quem o dólar, a despeito da presença mais forte do BC, ainda tende a seguir pressionado em razão de um cenário fiscal desafiador, inflação ainda elevada e deterioração das expectativas de crescimento. "Além disso, o Federal Reserve vai reduzir os estímulos no fim do ano, o que terá impacto nas moedas emergentes."

Embora não se descarte a possibilidade de o dólar voltar a ser negociado acima de R$ 5,50 e busque até R$ 5,55 no curto prazo, operadores avaliam que a atuação do BC quebrou a espiral de desvalorização do real. Com a autoridade monetária na ponta vendedora, a montagem de posições compradas (que apostam na alta do dólar) se torna muito mais arriscada, o que inibe a especulação e evita que haja uma antecipação da busca por hedge.

O gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo, afirma que a antecipação da oferta de swaps para overhedge dos bancos, cuja demanda será concentrada no fim do ano, acabou levando parte do mercado a acreditar que o BC estava tentando conter o dólar por causa da inflação.

"Começou um movimento de especulação para chamar o BC ao mercado. Esses leilões extras quebraram essa dinâmica. Agora ficou mais desconfortável ficar comprado, porque o BC pode intervir e dar liquidez para atender à demanda por dólares", diz Galhardo, que vê a taxa de câmbio rodando, no curto prazo, em uma banda entre R$ 5,35 e R$ 5,55, acrescentando que o aumento das remessas típico de fim de ano, aliado ao ruído político e ao cenário externo ainda conturbado, impõem um piso à taxa de câmbio.

No início da tarde, em evento online organizado pelo banco Goldman Sachs, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, reafirmou que o câmbio é flutuante e que a instituição intervém "quando o mercado está disfuncional". Além da demanda adicional de dólares por questões técnicas, como o overhedge dos bancos (US$ 17,4 bilhões), Campos Neto reconheceu que o mercado preficica incertezas no campo fiscal.

Hoje, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, voltou a dizer que a votação da PEC dos Precatórios será na próxima semana, com apreciação pela Comissão especial na terça-feira (19) e no plenário na quarta (20) ou quinta-feira (21). O relator da Medida Provisória do Auxílio Brasil, deputado Marcelo Aro (PP-MG), disse, com exclusividade ao Broadcast, que o programa terá orçamento de R$ 34,7 bilhões sem essa PEC. Caso a proposta seja aprovada, esse valor sobe para R$ 60 bilhões.

Dólar cai 1,11% com apetite externo ao risco e atuação do Banco Central
 

Artigos Relacionados

Dólar à vista fecha em queda de 0,21%, a R$5,6594
Dólar à vista fecha em queda de 0,21%, a R$5,6594 Por Reuters - 02.12.2021 3

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em leve queda nesta quinta-feira, com o real beneficiando de um dia de recuperação das commodities e de um rali de ativos de risco no exterior,...

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (1)
Stefan Stoianov
Stefan Stoianov 16.10.2021 9:39
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Nao vi apetite algum ao risco do exterior e sim o BC atuando fortemente no intraday para baixar o dolar , fora isso a tendencia permaneceu de alta e avante ….
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail