Garanta 40% de desconto
⚠ Alerta de Balanço! Quais ações estão prontas para disparar?
Veja as ações no nosso radar ProPicks. Essas estratégias subiram 19,7% desde o início do ano.
Não perca a lista completa

O que esperar da decisão de juros do BCE? Especialistas comentam

Publicado 25.01.2024, 08:39
Atualizado 25.01.2024, 08:39
© Reuters

Investing.com - A reunião do Banco Central Europeu (BCE) na quinta-feira, 25, gera expectativa no mercado. A tendência é que as taxas de juros na região se mantenham inalteradas, mas o tom da declaração da presidente da instituição, Christine Lagarde, será acompanhado com atenção. A questão continua sendo: quando o banco central europeu vai afrouxar sua política monetária? Para tentar antecipar o que pode acontecer, o Investing.com reuniu as opiniões de analistas sobre a próxima reunião do BCE e as perspectivas de política monetária.

PROMOÇÃO DO INVESTINGPRO: Tenha 10% de desconto adicional na promoção de Ano-Novo, que já possui preços até 50% OFF. Use o cupom "INVESTIR" para o plano Pro+ anual ou “investirmelhor1” para o plano Pro+ 2 anos. Apenas até 31 de janeiro!

Peter Goves, diretor-chefe de pesquisa de mercados desenvolvidos da MFS IM

Não esperamos nenhuma mudança na política do BCE em relação às taxas ou ao aperto monetário nesta semana; é provável que o tom da coletiva de imprensa seja de manter as taxas estáveis pelo tempo necessário para garantir que a inflação volte ao alvo de forma sustentável.

As perspectivas de crescimento seguem moderadas e os dados recentes sugerem que o PIB do quarto trimestre pode ter sido negativo, com queda na produção industrial, nos gastos com construção e nas vendas no varejo em dezembro. Portanto, é provável que Lagarde diga que os riscos para as perspectivas de crescimento são baixos.

Em relação à inflação, apesar de um leve aumento para 2,9% no IPCA em dezembro e de outras pressões de alta em janeiro, o cenário geral é de uma inflação em baixa em um contexto em que a política monetária está sendo transmitida de forma eficaz. Até defensores da política restritiva, como Schnabel, reconhecem isso. A queda dos preços da energia também vai contribuir para a redução da inflação geral nos próximos meses.

A nosso ver, o fraco crescimento esperado (com atividade abaixo do potencial por vários trimestres) e a baixa inflação significam que os cortes podem ocorrer mais cedo do que tarde. Diante das condições financeiras mais apertadas e do enfraquecimento do mercado de trabalho, um aumento nas taxas reais aumenta o risco de um aperto excessivo. O momento exato dos cortes dependerá, claro, dos dados, que até agora parecem consistentes com essa tese.

Embora muito já tenha sido precificado e possa haver alguma resistência por parte de Lagarde, permanecemos positivos sobre a duração da área do euro central com uma tendência de alta. A política de QT foi implementada de forma previsível e transparente e, apesar da forte oferta, os spreads dos EGBs efetivamente diminuíram. Não houve um "choque de QT" e, considerando isso, temos dificuldade em ver um catalisador que favoreça a expansão dos spreads no curto prazo.

AS MELHORES AÇÕES DE 2024: Inscreva-se no workshop e saiba encontrar verdadeiras joias na bolsa brasileira com Cristiane Fensterseifer

Franck Dixmier, CIO global de renda fixa da Allianz (ETR:ALVG) Global Investors

A expectativa de um corte iminente das taxas de juros pelos bancos centrais dos EUA e da Europa impulsionou o mercado de títulos no final de 2023, depois que o Federal Reserve e o BCE encerraram o ciclo de aumento das taxas. No final de dezembro, o mercado estimava que o banco europeu faria mais de sete cortes, de 25 pontos-base (pb) cada, em 2024, com 72% de chance de um primeiro corte em março.

Desde então, vários membros do BCE sinalizaram que preferem um cronograma de cortes mais longo do que o esperado pelos investidores.

Esses membros vão desde os mais ortodoxos do Conselho, como Robert Holzmann e Joachim Nagel, até o economista-chefe mais moderado, Philip Lane. Esses alertas repetidos ajudaram a moderar as expectativas do mercado. Mas elas ainda são altas: em 19 de janeiro, o mercado previa quase seis cortes, com 80% de chance de um primeiro corte em abril.

Esperamos que a reunião de política monetária de quinta-feira confirme a abordagem cautelosa do BCE. O BCE deve reiterar que só iniciará um ciclo de cortes de taxas quando estiver totalmente seguro de que a inflação voltará de forma sustentável ao seu objetivo de 2%.

Mas ainda não estamos nesse ponto:

  • Depois de atingir um mínimo de +2,4% ao ano no final de novembro, os preços ao consumidor subiram +2,9% em dezembro.

  • A inflação subjacente também subiu 3,4% ao ano em dezembro.

E os riscos de alta permanecem:

  • Aumentos salariais ainda são esperados para este ano, após uma alta de mais de 5% em 2023 na zona do euro.

  • Tensões geopolíticas, especialmente no Mar Vermelho, e custos adicionais devido a obstáculos ao tráfego marítimo.

A consciência de que o BCE está adotando uma abordagem muito cautelosa deve alimentar a correção em curso nos rendimentos dos títulos, embora o potencial de alta dos rendimentos de longo prazo permaneça limitado em um contexto de forte apetite dos investidores por títulos. O interesse dos investidores por títulos é evidenciado pela forte demanda por emissões primárias no início do ano.

Depois de reduzir nossa exposição à duração durante o rali de dezembro para voltar a uma posição neutra nas taxas de euro, estamos aproveitando qualquer fraqueza do mercado para adicionar duração.

Steven Bell, economista-chefe EMEA da Columbia Threadneedle Investments

A inflação dos preços na Europa despencou no final de 2023, ficando bem abaixo das previsões do BCE. Já a inflação salarial segue incerta. A rodada salarial acaba de começar e, embora haja motivos para esperar uma forte desaceleração no crescimento dos salários, o BCE vai querer ver os resultados antes de agir. Embora um corte de taxas em abril ainda seja possível, não se pode descartar que seja preciso esperar até junho para ver um primeiro corte efetivo.

Laurent Denize e Jan Viebig, codiretores globais da ODDO BHF Asset Management

O começo do ano costuma ser o momento favorito, embora arbitrário, para balanços e previsões. Mas os investidores de ações parecem ter mudado de ideia neste novo ano, depois do rali impressionante de fim de 2023. Por isso, os primeiros dias de negociação foram marcados por realizações de lucro e perdas nos papéis vencedores do ano passado. No entanto, como muitas dietas, é improvável que essa dure o ano todo. Mas os mercados de capitais começaram com um tom mais baixo. As expectativas de cortes nas taxas de juros que impulsionaram o rali precisam se concretizar antes que a festa possa continuar de fato.

A questão não é se haverá cortes nas taxas, mas sim quando e quanto. Com um crescimento sólido e melhores condições de financiamento, o Fed pode esperar uma queda acentuada na inflação e agir com cautela. A situação é mais complexa para o BCE. Uma recessão ronda a Europa; os empréstimos bancários estão parados e o Conselho Diretivo está longe de um consenso sobre o que fazer. Por isso, aconselha-se aos investidores que revisem suas expectativas de clareza rápida e continuação ininterrupta do rali das ações.

Richard Flax, CIO da Moneyfarm

A inflação segue no centro das atenções do mercado financeiro: os números de dezembro, divulgados na semana passada, apontaram um leve avanço anual em relação a novembro, ficando um pouco acima do que os economistas previam.

Ao mesmo tempo, autoridades monetárias nos EUA e na Europa sinalizaram que o mercado pode estar se antecipando: é bem provável que os juros caiam neste ano, mas talvez não no ritmo que alguns investidores projetam. Isso provocou uma alta nos rendimentos dos títulos soberanos desde o começo do ano.

Isso nos lembra que, embora a inflação deva continuar a recuar em direção à meta de 2%, provavelmente não será um processo tranquilo e o último trecho até a meta pode reservar algumas surpresas. As expectativas do mercado sobre os juros podem mudar muito rapidamente e acertar o timing desses movimentos é muito difícil.

No que diz respeito à inflação, as notícias da semana passada foram positivas: a inflação dos preços de produção no Reino Unido e nos EUA veio abaixo do esperado e uma tendência similar deve levar gradualmente a uma menor inflação dos preços ao consumidor.

A diferença entre a inflação anual dos preços ao consumidor e dos preços de produção pode ser volátil, mas atualmente ainda está bem abaixo da média dos últimos dez anos.

Por isso, continuamos a prever uma queda na inflação, considerando as taxas mais altas que afetarão a demanda do consumidor. Um efeito que já é evidente no Reino Unido, onde as vendas no varejo do mês passado foram muito mais fracas do que o esperado. No entanto, será preciso tempo e os bancos centrais provavelmente preferirão agir com cautela. No momento, acreditamos que os primeiros cortes nos juros ocorrerão em meados do ano, mas as projeções precisarão ser confirmadas com base no desempenho da economia.

Felix Feather, economista da abrdn

É um paradoxo constante da política monetária: quanto mais uma mudança nos juros é esperada, menos ela se torna necessária.

As avaliações de mercado sugerem que os investidores adotaram nossas projeções de um ciclo significativo de cortes em 2024, resultando no relaxamento das condições financeiras.

Esse relaxamento pode aumentar o risco de um ressurgimento da inflação, logo após um período de avanço significativo feito pelo Banco Central Europeu na luta contra a inflação. E com a interrupção das cadeias de abastecimento devido ao conflito no Oriente Médio, os formuladores de políticas estão cada vez mais preocupados que o ciclo altamente desinflacionista de bens possa estar prestes a reverter.

Como desta vez o BCE deverá manter os juros inalterados, todos os olhos estarão voltados para a orientação futura. Esperamos que, embora não seja vinculativa, seja favorável às expectativas do mercado de um corte iminente na taxa de política. Mas não devemos esperar uma confirmação total das expectativas do mercado: quase certamente o BCE indicará que as expectativas do mercado de pelo menos cinco cortes nos juros este ano são excessivas.

Tomasz Wieladek, economista-Chefe para a Europa da T. Rowe Price

Nesta próxima quinta-feira, o Banco Central Europeu (BCE) se reunirá para definir sua política monetária. Minha expectativa é que o BCE mantenha inalteradas as atuais diretrizes de política monetária.

No entanto, em relação à comunicação, é provável que o BCE faça uma declaração enfática de que a trajetória dos juros, conforme precificada pelos mercados, está sendo demasiadamente agressiva.

Os mercados monetários estão projetando um relaxamento excessivo na política monetária. Durante o fórum de Davos, representantes do BCE já buscaram esclarecer aos mercados financeiros e ao público em geral que os cortes nas taxas de juros deverão ocorrer mais tarde do que as previsões atuais indicam. Esta posição foi comunicada de maneira uniforme. Até mesmo os membros mais “dovish” (flexíveis) do BCE ressaltaram que as informações cruciais para decidir sobre reduções nas taxas não estarão disponíveis até a reunião de junho.

As atas da reunião de dezembro do BCE, divulgadas recentemente, confirmam que o Conselho decidiu coletivamente contrariar as expectativas de mercado.

Assim, a expectativa é que o BCE, mantendo sua abordagem baseada em dados, sublinhe com ênfase que os dados necessários para avaliar a possibilidade de iniciar cortes nas taxas só estarão acessíveis a partir de junho.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.