Libere dados premium: até 50% de desconto InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

BHP oferta US$39 bi pela Anglo American em reorganização no setor de mineração

Publicado 25.04.2024, 08:47
© Reuters. Vista da mina de cobre Los Bronces da Anglo American nos Andes. REUTERS/Ivan Alvarado/ File Photo
BHP
-
AAL
-
HG
-

Por Melanie Burton e Scott Murdoch e Anousha Sakoui

MELBOURNE/LONDRES (Reuters) - O grupo BHP fez uma oferta de 38,8 bilhões de dólares pela Anglo American (JO:AGLJ) nesta quinta-feira, oferecendo um acordo para criar a maior mineradora de cobre do mundo e fazendo com que as ações de sua rival subissem 13%.

A BHP disse que oferecerá aos acionistas da Anglo 25,08 libras (31,39 dólares) por ação, um prêmio de 31%, e dividirá os ativos de minério de ferro e platina do grupo listado em Londres na África do Sul, onde a BHP, a maior mineradora listada do mundo, não tem atividades.

A Anglo, que possui minas em países como Chile, África do Sul, Brasil e Austrália, disse que seu conselho estava analisando a proposta não solicitada, não vinculante e altamente condicional da BHP. De acordo com as regras de aquisição do Reino Unido, a BHP tem até 22 de maio para fazer uma oferta firme.

Se houver acordo, a combinação criaria um grupo de mineração de cobre com cerca de 10% da produção global. A operação também poderia desencadear outras transações no setor, que tem visto uma onda de fusões e aquisições à medida que as empresas revisam seus portfólios para aumentar a exposição a metais considerados essenciais para a transição energética global.

"Tudo isso tem a ver com o cobre", disse Ben Cleary, gerente de portfólio da Tribeca Investment Partners.

"É um bom negócio para a BHP. Obviamente, a Anglo está claramente em jogo agora e provavelmente há espaço para que outras empresas se juntem a ela. Isso vai incendiar todo o setor", disse Cleary, cuja empresa detém ações de ambas as companhias.

A oferta vem depois que a Anglo, que tinha um valor de mercado de 37,7 bilhões de dólares no fechamento de quarta-feira, iniciou uma revisão de seus ativos em fevereiro, em resposta a uma queda de 94% no lucro anual e a uma série de baixas contábeis devido a uma queda na demanda pela maioria de seus metais.

A BHP, mais conhecida pela mineração de minério de ferro, cobre, carvão de coque, potássio e níquel, foi avaliada em cerca de 149 bilhões de dólares.

Um acordo com a Anglo seria a segunda grande aquisição da BHP em cerca de um ano, após a compra da mineradora de cobre Oz Minerals em 2023. Sua oferta se soma a um frenesi de atividades globais de fusões e aquisições, incluindo a compra da gigante do ouro Newmont pela Newcrest Mining por 16,8 bilhões de dólares no final do ano passado.

Uma aquisição da Anglo pela BHP provavelmente estaria entre os 10 maiores negócios de mineração de todos os tempos, em termos de valor, e teria o potencial de retirar a Anglo do mercado de Londres, um novo golpe para uma bolsa que está lutando para reter grandes empresas e atrair IPOs.

Mas alguns disseram que a BHP precisaria oferecer mais para conseguir um acordo.

"Em nossa opinião, é quase impossível que o prêmio oferecido pela BHP seja suficiente para atrair a administração da Anglo para a transação", disse Mark Kelly, da empresa de consultoria MKP.

COBRE

A BHP obteria acesso a mais cobre, um dos metais mais procurados para a descarbonização, e potássio, que são suas principais commodities estratégicas, e mais carvão de coque na Austrália.

© Reuters. Vista da mina de cobre Los Bronces da Anglo American nos Andes. REUTERS/Ivan Alvarado/ File Photo

A Anglo tem minas de cobre no Chile e no Peru, onde a BHP também tem operações, e sua produção combinada chegaria a cerca de 2,6 milhões de toneladas por ano, o que a colocaria bem à frente da Freeport-McMoRan (NYSE:FCX), sediada nos EUA, e da mineradora estatal chilena Codelco.

Os preços do cobre na Bolsa de Metais de Londres subiram 15% este ano devido às esperanças de demanda geradas por dados macroeconômicos encorajadores, apostas de cortes nas taxas de juros dos EUA, negociações especulativas e gargalos no fornecimento, impulsionados pela paralisação forçada em dezembro de uma das maiores minas de cobre a céu aberto do mundo.

(Reportagem de Melanie Burton em Melbourne, Scott Murdoch em Sydney e Anousha Sakoui em Londres; reportagem adicional de Clara Denina, Rishav Chatterjee em Bengaluru, Siyi Liu em Pequim e Mai Nguyen em Hanói; redação de Miyoung Kim e Alexander Smith)

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.