Últimas Notícias
Fecha
0
Versão sem anúncios. Atualize sua experiência no Investing.com. Economize até 40% Atualize já

Espresso Financista: Governo discute medidas em dia negativo no exterior

Ações 19.07.2016 09:50
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
© Reuters. Espresso Financista: Governo discute medidas em dia negativo no exterior

Temer reúne equipe econômica para discutir medidas de crescimento e bloqueio de despesas da União em 2016 nesta manhã (José Cruz/Agência Brasil)

SÃO PAULO - Bom dia! Aqui está a sua dose diária do Espresso Financista™:

Apito inicial

O mercado brasileiro sente a piora de humor no cenário internacional nesta terça-feira (19) enquanto tem a expectativa por iniciativas do governo na área econômica.

Michel Temer se reúne com integrantes da equipe econômica para discutir medidas de estímulo ao ambiente de negócios. De acordo com a Folha de S.Paulo, eles discutirão propostas como a liberação de venda de terras a estrangeiros e de dívidas ativas da União no mercado. Corte de despesas também deve entrar na pauta. Henrique Meirelles quer anunciar um contingenciamento da ordem de R$ 20 bilhões até o fim da semana, segundo a Bloomberg News. O ministro Dyogo Oliveira e Meirelles devem falar com a imprensa após o encontro.

No cenário externo, as bolsas recuam na Europa assim como os índices futuros em Wall Street. Além de resultados corporativos decepcionantes, o mercado reflete as fortes perdas de ações de mineradoras após a Rio Tinto (LON:RIO) divulgar um crescimento da produção de minério de ferro abaixo do esperado.

O poder e a economia

Morgan elege Brasil - O Morgan Stanley (NYSE:MS) elevou a recomendação para títulos de dívida de mercados emergentes notando maior atratividade na comparação com países desenvolvidos. Para o banco americano, a América Latina é a região que oferece a maior oportunidade para aproveitar o alto diferencial de juro em relação e resto do mundo (carry). A equipe do Morgan considera que tanto os títulos quanto as moedas tendem a performar bem na região, com destaque para o Brasil, eleito como o preferido (top pick).

IPO do IRB - A abertura de capital do IRB Brasil Resseguros, que poderia render alguns bilhões ao governo e ajudaria a tapar o buraco nas contas públicas, divide opiniões no conselho da empresa, apurou O Globo. Os insatisfeitos reclamam da pressão em realizar o IPO a qualquer preço ainda neste ano. Empenhado em tocar o processo, o presidente Tarcísio Godoy, ex-número dois do Ministério da Fazenda, está longe de ser unanimidade entre investidores.

Lula inviável - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, cutucou o ex-presidente Lula após o petista aparecer em primeiro na corrida presidencial para 2018 segundo o Datafolha. Ao Estadão, o tucano afirmou que a candidatura de Lula é inviável e disse: “Para ganhar, você precisa ter voto e baixa rejeição. Lula não ganharia no segundo turno."

O plano B de Meirelles - O governo federal prevê uma arrecadação de R$ 120 bilhões com desestatizações. Segundo o Estadão, as concessões, privatizações, vendas de ativos e aberturas de capital fazem parte do “Plano B” de Henrique Meirelles para tapar o buraco das contas públicas brasileiras. O corte de gastos seria o “Plano A” e o “Plano C”, aumento de impostos.

O que acontece no mundo corporativo

Data marcada – A Petrobras (SA:PETR4) quer decidir o rumo da BR Distribuidora ainda neste mês, segundo comunicado. A estatal afirma que as propostas recebidas estão em avaliação pela diretoria e pelo conselho de administração. A ideia é um “compartilhamento de controle”.

Sujo e mal lavado - A Petrobras iniciou ação judicial contra o grupo Astra nos Estados Unidos, com o objetivo de obter indenização por prejuízos decorrentes do que classificou como condutas ilícitas relacionadas à compra da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006.

Revoada - A demanda de passageiros por assentos em voos domésticos da Gol caiu em ritmo mais forte do que a redução da oferta no segundo trimestre: 11,2%, ante 8,9%, respectivamente.

Fios desencapados - A intenção do governo de São Paulo de retomar a venda da Cesp (SA:CESP5) pode esbarrar no grande número de pendências judiciais da maior usina da empresa e na falta de interessados com capacidade financeira para a aquisição no atual cenário do país, afirmaram especialistas à Reuters.

Todos a bordo – O conselho de administração da Marcopolo (SA:POMO4) aprovou a incorporação da L&M, empresa que controla a San Marino Ônibus, mais conhecida como Neobus. A fabricante gaúcha de ônibus já possui 45% da Neobus. Com a incorporação, passa a deter 100%.

Pindaíba 1 - A Light (SA:LIGT3), que atende parte do Rio de Janeiro, pediu à Aneel uma revisão extraordinária de tarifas após sofrer elevadas perdas financeiras por atrasos em pagamentos pelo governo fluminense e em meio a um forte aumento em furtos de energia e inadimplência dos clientes.

Pindaíba 2 – Os acionistas da Paranapanema (SA:PMAM3) aprovaram o adiamento da distribuição de dividendos, anunciada em 29 de abril. A empresa alegou a necessidade de readequar sua estrutura de capital e suas dívidas. O montante anunciado era de R$ 24 milhões e seria pago em 24 de junho. Agora, a produtora de cobre promete pagá-los até 30 de dezembro.

Pindaíba 3 - Uma metáfora perfeita para uma empresa cujos altos e baixos financeiros são de arrepiar os cabelos: o Hopi Hari pode perder, nesta semana, sua montanha-russa por causa de uma dívida de R$ 5,9 milhões. Um de seus credores, o empresário Cesar Federmann, obteve na Justiça o direito de ficar com ela, depois de tentar receber seu dinheiro desde o ano passado.

Mundo novo – A Contax (SA:CTAX3) foi autorizada pela BM&FBovespa (SA:BVMF3) a migrar do Nível 2 para o Novo Mercado, instância máxima de governança do pregão brasileiro. A empresa vai estrear nesse segmento em 21 de julho.

Para comentar mais tarde

Luiz Fernando Figueiredo: sem reformas, nem o Papa salva o Brasil. Se há algo que não se discute em relação ao governo do presidente em exercício Michel Temer, é a qualidade da nova equipe econômica. Mas não adianta nada escalar um time de craques se a política embolar tudo. “Se o governo não aprovar, no Congresso, o que precisa, você pode ter até o Papa na equipe que não resolve nada”, afirma Luiz Fernando Figueiredo, ex-diretor de política monetária do BC e fundador da Mauá Capital, que gerencia uma carteira de investimentos de R$ 2 bilhões. Leia mais na entrevista concedida a Márcio Juliboni, de O Financista.

Espresso Financista: Governo discute medidas em dia negativo no exterior
 

Artigos Relacionados

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (1)
Welbi Maia Brito
Welbi Maia Brito 19.07.2016 11:54
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Concordo com Alckmin, a candidatura de Lula é inviável. A pesquisa neste momento é um recall da última eleição. Por isso Aécio e Marina Silva, que disputaram o último pleito levam vantagem. Alckmin aparece bem, mesmo tendo disputado a eleição presidencial 10 anos atrás. Já o resultado de Lula, mostra que se esgotou a era petista no poder.
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Nossos Aplicativos
DownloadApp store
Investing.com
© 2007-2022 Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
  • Faça seu cadastro GRÁTIS e obtenha:
  • Alertas em tempo real
  • Carteira com recursos avançados
  • Gráficos personalizados
  • Aplicativo totalmente sincronizado
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail