📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Ibovespa quebra série de altas e recua com BC sinalizando juro estável

Publicado 25.06.2024, 17:10
© Reuters. Edifício da B3 em São Paulon6/7/2023 REUTERS/Amanda Perobelli/Arquivo
IBOV
-
VALE3
-
BVSPUSD
-
BVSPEUR
-

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou com um declínio modesto nesta terça-feira, encerrando uma sequência de cinco pregões no azul, em movimento determinado principalmente pela queda das ações da Vale e da B3, enquanto o Banco Central endossou o cenário de Selic estável nos próximos meses.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,25%, a 122.331,39 pontos, após acumular um ganho de quase 3% nas cinco sessões anteriores. Na máxima do dia, chegou a 122.849,07 pontos. Na mínima, a 121.997,14 pontos. O volume financeiro na bolsa somou 15,9 bilhões de reais.

Na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana passada, quando a Selic foi mantida de forma unânime em 10,5% ao ano, o BC defendeu a atuação firme para reancoragem das expectativas de inflação e elevou a hipótese de juro neutro.

O diretor de Política Monetária do BC, Gabriel Galípolo, acrescentou ao participar de uma videoconferência que, mesmo com a taxa de juros mais alta, "com expectativas desancorando você tem que ser mais cauteloso". Ele citou incômodo do BC com nível do dólar, mas reforçou que a instituição não tem meta cambial.

Na visão do estrategista-chefe da Warren Rena, Sérgio Goldenstein, a ata referenda o cenário em que os juros ficarão estáveis ao longo dos próximos meses, com o BC buscando reverter a piora das expectativas de inflação. Mas ele avalia que a porta não está fechada para uma futura retomada do ciclo de cortes.

Ele destacou essa possibilidade particularmente se o ambiente externo ficar mais benigno, confirmando o início do processo de corte de juros nos Estados Unidos, se a postura mais dura do Copom conter o processo de deterioração das expectativas e se a percepção sobre os riscos fiscais ficar menos negativa.

Para um aumento dos juros, Goldenstein avalia que a barra é bem alta, tendo em vista que a política monetária está em patamar contracionista, o real tende a se valorizar com o início do ciclo de cortes nos EUA e as projeções com Selic constante mostram inflação em torno da meta.

"Por ora, o nosso 'call' é de uma Selic terminal de 9,5% em 2025, com retomada do processo de queda dos juros no final de 2024, mas o risco é de a pausa ocorrer por um período mais longo caso persistam os temores relativos à credibilidade do BC e/ou a política fiscal", afirmou.

A sessão ainda teve na pauta números mostrando que a arrecadação do governo federal teve alta real de 10,46% em maio sobre o mesmo mês do ano anterior, somando 202,979 bilhões de reais, maior arrecadação para o mês desde o início da série, em 1995 e um pouco acima do esperado no mercado.

Em Wall Street, a terça-feira teve um fechamento misto, com o Nasdaq e o S&P 500 em alta, mas o Dow Jones em queda, contrabalançando o desempenho de ações do setor de tecnologia com dados sobre confiança do consumidor e declarações de autoridades do Federal Reserve.

DESTAQUES

- VALE ON (BVMF:VALE3) caiu 0,41%, mesmo tendo como pano de fundo alguma recuperação do futuros do minério de ferro durante a sessão na China, com o contrato mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian terminando em 801 iuanes por tonelada, após marcar 791 iuanes. A mineradora também lançou emissão de 1 bilhão de dólares em dívida, com prazo de 30 anos, voltada para uma oferta de recompra simultânea, pagamento de notas de 2026 e propósitos corporativos gerais.

- B3 ON (BVMF:B3SA3) encerrou com declínio de 1,81%, também pesando negativamente, conforme segue pressionada por perspectivas de aumento de competição no setor, bem como pelo cenário com taxas de juros mais elevadas. Em 2024, a ação cai mais de 27%.

- PETROBRAS PN (BVMF:PETR4) recuou apenas 0,08%, após seis altas consecutivas, tendo como pano de fundo a fraqueza dos preços do petróleo no exterior, onde o barril de Brent fechou negociado em baixa de 1,2%.

- ITAÚ UNIBANCO PN (BVMF:ITUB4) avançou 0,31%, assim como BANCO DO BRASIL ON (BVMF:BBAS3), que subiu 0,3%. Na contramão, BRADESCO PN (BVMF:BBDC4) perdeu 0,8% e SANTANDER BRASIL UNIT (BVMF:SANB11) caiu 0,5%.

© Reuters. Edifício da B3 em São Paulo
6/7/2023 REUTERS/Amanda Perobelli/Arquivo

- MAGAZINE LUIZA ON (BVMF:MGLU3) recuou 2,96%, em dia de ajustes, após disparar mais de 12% na véspera na esteira de acordo com o grupo chinês Alibaba (NYSE:BABA), pelo qual venderá produtos de seu estoque próprio na plataforma do AliExpress, que também passa a atuar como seller do marketplace do Magazine Luiza (3P).

- WEG ON (BVMF:WEGE3) avançou 1,71%, retomando a trajetória de alta após titubear na véspera, renovando máxima intradia desde 2021. No ano, os papéis acumulam uma valorização de quase 14%.

- FRASLE MOBILITY ON, que não faz parte do Ibovespa, subiu 6,57%, um dia após anunciar a aquisição de ativos do Grupo Kuo, do México, por 2,1 bilhões de reais, na maior transação da história da empresa. RANDONCORP PN, controladora da Frasle, fechou em alta de 2,64%.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.