📖 Guia da Temporada de Balanços: Saiba as melhores ações escolhidas por IA e lucre no pós-balançoLeia mais

Ibovespa sobe pelo 3º dia e retoma os 101 mil pontos, em alta de 1,52%

Publicado 29.03.2023, 05:00
© Reuters Ibovespa sobe pelo 3º dia e retoma os 101 mil pontos, em alta de 1,52%
BAC
-
USD/BRL
-
IBOV
-
BBDC4
-
BRKM5
-
B3SA3
-
CSNA3
-
YDUQ3
-
JBSS3
-
MRVE3
-
PETR3
-
PETR4
-
QUAL3
-
SANB11
-
VALE3
-
HAPV3
-
PETZ3
-
RDOR3
-

O Ibovespa emendou o terceiro dia de ganhos mesmo com o tom "hawkish" da ata do Copom, que contribuiu para apreciar o real frente ao dólar, em dia também de recuo para a moeda americana no exterior. Assim, a referência da B3 (BVMF:B3SA3) conseguiu recuperar a linha dos 101 mil pontos, não vista em fechamento desde o último dia 17, quando vinha dos 103,4 mil no encerramento anterior. Mais uma vez, o giro se manteve restrito, a R$ 21,0 bilhões nesta terça-feira.

Hoje, o Ibovespa oscilou entre 99.488,19 e 101.559,17, saindo de abertura aos 99.672,17 pontos. Na semana, o índice sobe 2,38%, limitando as perdas do mês a 3,57% - no ano, ainda cede 7,79%. Ao fim, a referência da B3 mostrava alta de 1,52%, aos 101.185,09 pontos, nesta terça-feira.

Entre as principais ações, poucas ficaram de fora da recuperação vista na sessão, como Bradesco (BVMF:BBDC4) (ON -0,52%, PN -0,15%) e Santander Brasil (BVMF:SANB11) (Unit -0,19%). Petrobras ON (BVMF:PETR3) (na máxima do dia no fechamento) e PN subiram, respectivamente, 1,73% e 1,77%, enquanto Vale ON (BVMF:VALE3) teve alta de 1,06% na sessão.

Na ponta do Ibovespa, destaque para Hapvida (BVMF:HAPV3) - após anunciar acordo para venda de 10 imóveis por R$ 1,2 bilhão, e um potencial follow on -, cuja ação subiu 18,47% nesta terça-feira, à frente de Qualicorp (BVMF:QUAL3) (+6,35%), Petz (BVMF:PETZ3) (+5,98%) e Braskem (BVMF:BRKM5) (+5,77%). No lado oposto, Rede D'Or (BVMF:RDOR3) (-4,85%), MRV (BVMF:MRVE3) (-2,83%), JBS (BVMF:JBSS3) (-2,02%) e Yduqs (BVMF:YDUQ3) (-1,29%).

Apesar da recuperação parcial nas últimas três sessões, após ter despencado para a faixa dos 97 mil na última quinta-feira, mínima desde julho, ações de primeira linha ainda acumulam perdas substanciais em março, mês que termina na sexta-feira. Mesmo com ganhos acima de 3% no acumulado nas duas primeiras sessões da semana, Petrobras (BVMF:PETR4) ON e PN recuam 7,83% e 6,54% em março. Vale ON, por sua vez, sobe 0,89% na semana e recua 4,93% no mês. Entre os grandes bancos, as perdas de março chegam a 8,30% (Unit do Santander) e na siderurgia, a 13,50% (CSN ON (BVMF:CSNA3), que hoje subiu 4,12%).

Dessa forma, mesmo considerando o afastamento do Ibovespa de mínimas abaixo dos seis dígitos, o atraso e barateamento do índice segue visível, vindo já de mergulho de 7,49% em fevereiro. Evento mais aguardado do dia, a ata do Copom não aliviou a dura perspectiva para a política monetária que havia surpreendido o mercado, na semana passada, no comunicado sobre a manutenção, conforme esperado, da Selic em 13,75% ao ano - sem qualquer sinal de alívio à frente, mesmo com estreitamento de crédito, aqui, e dificuldades no sistema bancário, no exterior. Na ata de hoje, "alguma flexibilização do discurso se deu apenas na discussão do cenário fiscal", aponta em nota Sergio Goldenstein, estrategista-chefe da Warren Rena, especialista em política monetária.

"Além de o Comitê ter reconhecido que a execução do pacote apresentado pelo Ministério da Fazenda atenua os estímulos sobre a demanda (reduzindo o risco de alta sobre a inflação de curto prazo), destacou que a materialização de arcabouço fiscal sólido e crível pode levar a um processo desinflacionário mais benigno, através de seu efeito no canal de expectativas, ao reduzir as expectativas de inflação, a incerteza na economia e o prêmio de risco associado aos ativos domésticos", aponta Goldenstein.

"O que me chamou a atenção foi o grau de explicação, principalmente, em torno da questão das expectativas, metas de inflação e o canal de transmissão entre a política monetária e a economia", observa Gustavo Sung, economista-chefe da Suno Research. "O Copom deixou claro que não alterará o plano de voo da política monetária enquanto não houver uma sinalização clara de ancoragem das expectativas em horizontes mais longos e uma redução do risco fiscal, que passa por um novo arcabouço fiscal crível", acrescenta.

Durante evento com prefeitos nesta tarde em Brasília, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que a reforma tributária é um dos caminhos necessários para que o Brasil recupere tempo na economia, juntamente com a reforma do crédito e a apresentação do novo arcabouço fiscal. "Reforma tributária está no topo das nossas prioridades, talvez entre as 3 ou 5 mais importantes", disse. Segundo ele, o arcabouço fiscal será apresentado ainda nesta semana "para o público e para o Congresso."

Mesmo com a ata do Copom ainda emitindo sinais hawkish, o Bank of America (NYSE:BAC) (BofA) reiterou a expectativa de início do ciclo de cortes da Selic em maio, com risco de postergação. O banco espera redução da Selic a 11,0% no fim de 2023. "O estresse no mercado financeiro global e um 'credit squeeze' mais profundo localmente devem pesar na decisão de política monetária à frente", escrevem os estrategistas do BofA David Beker e Natacha Perez em relatório a clientes, reporta o jornalista Cicero Cotrim, do Broadcast.

Últimos comentários

Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.