😎 Promoção de meio de ano - Até 50% de desconto em ações selecionadas por IA no InvestingProGARANTA JÁ SUA OFERTA

Açúcar: Navegando em mares revoltos

Publicado 22.04.2024, 10:19
USD/BRL
-
KC
-
CL
-
CT
-
SB
-
CC
-
ITUB4
-

Em mais uma semana de queda acentuada, o mercado futuro de açúcar em NY encerrou a sexta-feira cotado a 19.79 centavos de dólar por libra-peso no vencimento maio/24, que expira no final desse mês. O contexto macroeconômico global, exacerbado pelos conflitos geopolíticos atuais, introduziu uma alta dose de incerteza, levando os operadores de mercado a reduzirem suas exposições a riscos direcionais ou a buscarem estratégias para mitigar tais riscos.

Nas últimas duas semanas, as negociações no mercado de açúcar oscilaram entre a máxima de 22.23 centavos (em 8 de abril) e a mínima de 19.17 centavos (em 17 de abril) por libra-peso. A desvalorização do real frente ao dólar, impulsionada pelo agravamento do cenário geopolítico, pressionou os preços do açúcar. Esta condição tornou as fixações de preços em reais por tonelada mais atraentes, incentivando as usinas a aumentarem o volume de vendas fixadas ao longo da curva futura, que se estende além da safra de 25/26. Resumindo as duas semanas: uma oscilação de 303 pontos.

Uma sustentação significativa ao mercado, durante sua recente tendência de queda, veio dos consumidores industriais, que fixaram os preços da matéria-prima em centavos de dólar por libra-peso. Esse comportamento ocorreu em um contexto onde a média de cotações abaixo dos 20 centavos, observada nas últimas duas semanas, representava uma raridade.

Em períodos de turbulência como o atual, a estratégia mais prudente é manter-se firme e explorar as oportunidades oferecidas pelo mercado. Diversas usinas optaram por vender câmbio esta semana, aproveitando a cotação do dólar acima de R$ 5,2700. Considerando uma taxa de juros interna de 10,75% ao ano, essa operação cambial poderia resultar em R$ 5,6600 até o final do ano. Essa projeção, comparada com a estimativa do Boletim Focus, que aponta para um dólar a R$ 5,0000 no término do ano, sugere um risco calculado e potencialmente vantajoso.

Em São Paulo, em um evento fechado para as principais empresas do setor promovido pelo Itau (BVMF:ITUB4) BBA durante a semana que passou, o economista do banco, Fernando Gonçalves, alertou que o atual momento geopolítico talvez seja “o mais conturbado dos últimos 30 anos”. No entanto, observa que também vivemos “um mercado de exagero, com os investidores zerando posições”. Apesar das nuvens pesadas, o banco prevê um dólar a R$ 5,0000 para o final de 2024 e de R$ 5,2000 para o final de 2025. Gonçalves também acha difícil que o petróleo possa a vir quebrar a barreira de 100 dólares por barril dada as alternativas que são disponíveis, bem como o real se enfraquecer com a previsão de enorme fluxo de moeda via saldo da balança de pagamentos.

Falamos aqui na semana passada que 18.75 centavos de dólar por libra-peso é um suporte de longo prazo. Arriscaria dizer que 18 centavos é o novo 14 de alguns anos atrás. Muito embora esse seja um nível de preço que remunera as usinas, a permanência eventual do mercado ao redor desse nível vai desestimular a participação de Índia e Tailândia.

A notícia mais baixista foi a posição dos fundos publicada pelo CFTC (Commodity Futures Trading Commission), agência independente do governo dos Estados Unidos, que regula os mercados de futuros e opções das commodities, com base na posição da terça-feira passada: estão vendidos 23,076 lotes e, pelo movimento do mercado de terça para cá, tudo leva a crer que a posição short deve ser maior.

Entendo que a virada de mão por parte dos especuladores (de long para short) deveu-se parcialmente a uma migração de posições dentro do grupo das soft commodities. Cacau e café explodiram na semana enquanto açúcar e algodão caíram. Operações long/short servem como delimitadores de risco e, portanto, não é raro quando um fundo fica comprado em um ativo e vendido em outro. Acredito que isso pode ter ocorrido e ajudado a derrubar o mercado de açúcar.

O fato incontestável é que com a presença dos fundos acrescentando mais vendas no mercado uma boa dose de vulnerabilidade é acrescida a esse mercado. Os gestores de risco das empresas irão precisar apurar o foco e ter muita paciência na gestão.

Segundo o analista Marcelo Moreira, após negociar na última quarta-feira nas mínimas do ano no maio/julho/out-24 respectivamente a 19.17 / 19.08 / 19.16 centavos de dólar por libra-peso abaixo do piso da banda de Bollinger dos 50 dias o mercado reagiu, mas ainda fechou a semana ligeiramente abaixo dessa importante média. Agora o contrato maio/24 encontra suporte a 18.97 e resistências a 19.90 / 20.30 / 21.20 / 22.00 centavos de dólar por libra peso. Já o julho/24 encontra suporte relevante a 18.12 centavos de dólar por libra-peso e o outubro/24 a 17.90 centavos de dólar por libra-peso. Já as resistências para ambos vencimentos praticamente nos mesmos níveis a 19.70 / 20.10 / 20.90 e 21.60 centavos de dólar por libra-peso!

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.