Últimas Notícias
Investing Pro 0
❤️ Ajude as vítimas do terremoto na Síria e na Turquia Doar

Crise no Reino Unido: por que a terra do Rei virou o reinado dos memes?

Por Rachel de SáResumo do Mercado26.10.2022 10:24
br.investing.com/analysis/crise-no-reino-unido-por-que-a-terra-do-rei-virou-o-reinado-dos-memes-200452955
Crise no Reino Unido: por que a terra do Rei virou o reinado dos memes?
Por Rachel de Sá   |  26.10.2022 10:24
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
GBP/USD
-0,00%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
NG
+0,41%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
ABNB
-2,78%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
AIRB34
-3,44%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar aos favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

A alface x A líder

Uma câmera dedicada a filmar a evolução de uma alface trajando óculos, sapatos e peruca. Uma foto da famosa porta no número 10, na rua Downing, Londres, Reino Unido – como anúncio do Airbnb (NASDAQ:ABNB) (BVMF:AIRB34) “para curtos períodos”. Um vídeo com cenas envolvendo o maior cargo político britânico, ao som de Taylor Swift.

Se me mostrassem tudo isso há três meses, não entenderia absolutamente nada. Imaginaria se tratar de uma nova trend do Tiktok, que não tenho nenhuma paciência para acompanhar.

Mas a verdade é que esses e muitos outros memes carregados do melhor do humor britânico figuraram entre os conteúdos mais acessados dos últimos dias nas redes sociais ao redor do mundo.

O motivo para tanta criatividade? A renúncia da primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss.

Um passo atrás: um divórcio malsucedido

Para quem não tem acompanhado de perto a situação da economia na terra do agora Rei Charles III, os últimos meses foram marcados por fortes turbulências políticas, econômicas e sociais.

Esses incluíram a morte da Rainha Elizabeth II, a queda da libra esterlina ao menor patamar dos últimos 40 anos, o vai e vem de um orçamento bilionário, uma intervenção emergencial do Banco Central no mercado de títulos públicos e – então – a conclusão do menor mandato de primeiro-ministro da história do Reino Unido.

Tudo isso pode parecer esquisito. Afinal, estamos falando de um dos principais centros financeiros do mundo, e um país com passado econômico e institucional robusto.

Porém, podemos remontar o começo da virada da maré econômica britânica ao referendo que aprovou a saída do país da União Europeia. Após um resultado que surpreendeu a todos, o país se voltou completamente aos arranjos do “divórcio” com os europeus, que durou mais de dois anos e cujos impactos negativos serão sentidos por anos.

Para se ter uma ideia, o Departamento de Responsabilidade Fiscal britânico (Office for Budget Responsibility) estima que a saída da União Europeia deve reduzir o potencial de crescimento do Reino Unido em 4% no longo prazo – um impacto maior do que o estimado para a pandemia da covid-19.

Em bom português: a separação não parece ter sido uma boa ideia, ao menos em termos econômicos.

A pandemia, a guerra e a inflação

Mal se concluíam as negociações com a União Europeia, e a pandemia da covid-19 derrubou o PIB do país em 9,3% - a pior performance entre seus “colegas” do G7. O ano de 2021, porém, foi marcado pela recuperação da economia do país (que cresceu 7,4%). E, embora não tenham conseguido recuperar o nível de PIB observado no pré-pandemia, a liderança nas vacinas contra a covid-19 fortaleceu a imagem e reputação do país no cenário global.

Foi então que a eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia e a verdadeira “estilingada” nos preços de commodities energéticas, em especial o gás natural, cravou outro profundo prego na economia britânica. Com quase 30% de sua matriz energética ligada ao gás, e 80% das famílias dependentes da commodity para o aquecimento de suas casas, a inflação atingiu o patamar de 10,1% - impulsionada, como o esperado, pelo preço de energia.

Com a inflação, veio a insatisfação popular, que se uniu a uma crise política que derrubou a administração do então primeiro-ministro Boris Johnson, do Partido Conservador.

Thatcher às avessas

A escolhida pelo partido para suceder a Johnson como líder do partido, e então Primeira-Ministra, foi Liz Truss – em um movimento que surpreendeu a muitos diante de sua subida relativamente rápida dos degraus políticos britânicos.

Sua campanha? “Fazer o Reino Unido grande novamente” (slogan fictício da autora). Comparada por muitos à Margareth Thatcher (ex primeira-ministra conhecida por suas políticas de livre mercado e austeridade fiscal), Truss logo determinou sua principal estratégia para lidar com a inflação alta: o congelamento dos preços de energia.

Poucos dias depois, Truss foi além, e anunciou um pacote agressivo de cortes de impostos, incluindo a redução do imposto de renda para os mais ricos. Juntos, os pacotes tiveram o custo estimado de mais de 150 bilhões de libras (aproximadamente R$ 870 bilhões).

Com a inflação já em níveis historicamente altos, o estímulo adicional à demanda por bens e serviços pressionaria ainda mais a inflação, eventualmente levando o Banco Central do país a subir ainda mais os juros. A alta de juros, por sua vez, tenderia a colocar mais lenha na fogueira da desaceleração econômica já em curso no país. Afinal, quanto mais altos os juros, maior o freio imposto à economia.

Menos Thatcher impossível, pensei eu.

A renúncia e os impactos no Brasil

Como era de se esperar, investidores anteciparam a alta probabilidade desses movimentos, e o resultado foi a forte elevação da volatilidade nos mercados britânicos no último mês.

Após o anúncio, vimos a libra esterlina despencar ao seu menor valor da história, a bolsa cair e títulos públicos dispararem – esses últimos em tamanha magnitude, que apenas a intervenção do Banco Central impediu maiores estragos à importante indústria de fundos de pensão do país.

Foi então que, dias após ver seu novo ministro das finanças (que seguiu a demissão vapt vupt do primeiro) recuar de praticamente todas as medidas anunciadas no pacote fiscal bilionário, Truss anunciou sua renúncia ao cargo de primeira-ministra - consolidando seu papel como líder menos longeva da história do Reino Unido.

O impacto para nós, aqui no Brasil? A aversão ao risco reforçada por mais incertezas no cenário global não é positiva, muito menos a desaceleração de uma das principais economias do mundo.

Dito isso, o Reino Unido não representa um parceiro comercial de tamanha relevância para nós, e nossas empresas e ativos financeiros têm pequena exposição relativa ao país, de maneira geral.

Por outro lado, nossos ativos financeiros acabam ganhando um “brilho a mais” em meio à tanta incerteza - unindo-se aos juros já bastante altos, a composição da nossa bolsa em setores como commodities e bancos e o desconto em nossos ativos.

Resumo da ópera: Perderam a libra, a credibilidade das instituições britânicas e muitos investidores. Venceu a alface, que durou mais que os dias de Truss no cargo, e quem sabe nós aqui, descolando uma “folhinha” do novo Reino Unido emergente.

Crise no Reino Unido: por que a terra do Rei virou o reinado dos memes?
 

Artigos Relacionados

Crise no Reino Unido: por que a terra do Rei virou o reinado dos memes?

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (1)
Athanase Patsea
Athanase Patsea 26.10.2022 12:38
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
Uma das coisas mais ridículas é sacanas pois eles são historicamente, é a realeza britanica e a europeia.....
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail