Últimas Notícias
Investing Pro 0
PROMOÇÃO prorrogada Cyber Monday: Até -60% no InvestingPro+ GARANTA A OFERTA

Últimas Notícias

Presidente do STF libera para pauta julgamento sobre orçamento secreto

Dois Vencedores e o Grande Perdedor Após a Prorrogação dos Cortes de Petróleo

Por Investing.com (Jesse Cohen/Investing.com)Commodities05.12.2017 06:37
br.investing.com/analysis/dois-vencedores-e-o-grande-perdedor-apos-o-acordo-de-extensao-dos-cortes-de-petrol-200218754
Dois Vencedores e o Grande Perdedor Após a Prorrogação dos Cortes de Petróleo
Por Investing.com (Jesse Cohen/Investing.com)   |  05.12.2017 06:37
Salvo. Ver Itens salvos.
Este artigo já foi salvo nos seus Itens salvos
 
 
XOM
-0,49%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar a uma lista de Favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
MRO
-1,76%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar a uma lista de Favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
GE
-0,83%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar a uma lista de Favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CHK
0,00%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar a uma lista de Favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
CL
-0,09%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar a uma lista de Favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 
LKOHyq
0,00%
Adicionar/Remover de uma Carteira
Adicionar a uma lista de Favoritos
Adicionar posição

Posição adicionada com êxito a:

Dê um nome à sua carteira de investimento
 

por Jesse Cohen

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), juntamente com alguns produtores não-Opep liderados pela Rússia, acordou na semana passada, na reunião da Opep em Viena, em ampliar os cortes de produção de petróleo em mais nove meses, até o final de 2018, como era esperado.

"Foi um bom e longo dia... na verdade, foi um ótimo dia", disse o ministro saudita do petróleo, Khalid Al-Falih, em uma coletiva de imprensa que aconteceu após a reunião de 30 de novembro. “Tenho o prazer de anunciar que a decisão foi unânime".

No entanto, os maiores produtores de petróleo do mundo também sinalizaram uma possível saída antecipada do acordo se o mercado superaquecer e os preços subirem o suficiente para que os principais rivais da Opep, os produtores no shale dos EUA, começarem a aumentar a produção. O acordo para reduzir a produção de petróleo em 1,8 milhão de barris por dia (bpd) foi inicialmente adotado em novembro de 2016 pela Opep, Rússia e outros nove produtores mundiais, em um esforço para reequilibrar a oferta e demanda do mercado. O acordo terminou em março de 2018 e já havia sido prorrogado uma vez, em maio de 2017.

Aqui estão os dois maiores vencedores da reunião da semana passada, e o principal produtor que acabou, como parece, sendo o perdedor do acordo.

Vencedor N° 1: Produtores no Shale dos EUA

O maior vencedor dos cortes de produção liderados pela Opep foram os produtores no shale dos EUA, incluindo a Exxon Mobil (NYSE:XOM), a Marathon Oil (NYSE:MRO) e a Chesapeake Energy (NYSE:CHK). Mais importante ainda, eles se beneficiaram dos preços mais altos do petróleo, com os futuros do petróleo West Texas Intermediate retornando para US$ 60,00 por barril, de baixas como os US$ 27,00 em janeiro de 2016.

Preços do Petróleo
Preços do Petróleo

O impressionante aumento dos preços ao longo do último ano levou a uma aceleração da indústria do shale dos Estados Unidos. A produção doméstica recuperou quase 15% desde a baixa mais recente em meados de 2016. De acordo com a US Energy Information Administration (EIA), a produção doméstica de petróleo atingiu 9,68 milhões de bpd na semana passada, e o aumento da atividade de perfuração para produção nova significa que a produção deverá crescer ainda mais, à medida que os produtores são atraídos pela alta dos preços.

As empresas de energia dos EUA somaram duas plataformas de petróleo na semana de 1º de dezembro, chegando a um total de 749, o mais alto desde setembro, informou Baker Huges da General Electric (NYSE: GE), empresa de serviços de energia, em seu relatório semanal de contagem de plataformas. A Rystad Energy, uma empresa de serviços de consultoria de petróleo com sede nos Estados Unidos, previu recentemente que a produção dos EUA atingirá 9,9 milhões de bpd até o final de 2017, levando a produção dos EUA perto dos níveis dos principais produtores da Rússia e da Arábia Saudita.

Produção dos EUA volta a subir
Produção dos EUA volta a subir

Outra frente em que os produtores de shale dos EUA estão batendo a Opep, como resultado do acordo de redução de produção: abocanhar uma crescente participação de mercado, especialmente na Ásia. Em um relatório intitulado "O Natal chegou mais cedo", o Barclays disse na sexta-feira:

As exportações de petróleo bruto dos Estados Unidos para a China poderiam facilmente duplicar no próximo ano, à medida que a produção e a capacidade de exportação dos Estados Unidos aumenta ... (e) os países da Opep verão sua participação no mercado da Ásia diminuir ainda mais ".

Transferência de market share no mercado de petróleo
Transferência de market share no mercado de petróleo

Se continuar seu rápido ritmo de produção nos próximos meses, a indústria de shale dos EUA continuará a ser uma pedra no sapato da Opep, potencialmente prejudicando os esforços do grupo de acabar com excesso de fornecimento no mercado.

Vencedor N° 2: Empresas de Petróleo Russas

Dirigindo-se à reunião de 30 de novembro, a Rússia enviou sinais contraditórios sobre se iria endossar o movimento para estender os cortes atuais de produção. As queixas do ministro russo do petróleo, Alexander Novak, e também dos executivos das principais companhias de petróleo do país, estão crescendo nos últimos meses, porque os preços mais altos de petróleo ajudaram a indústria de shale dos EUA a aumentar a produção e a abocanhar a participação no mercado global, de modo que o fato de que o acordo da semana passada também incluiu uma revisão dos limites de produção na próxima reunião da Opep em junho provou ser uma grande vitória para eles.

Um executivo sênior da Gazprom Neft (OTC:GZPFY) disse no início do mês passado que a empresa estava "tentando ignorar" o acordo de corte de produção porque tinha feito a empresa diminuir suas metas de crescimento da produção. Outras companhias de petróleo russas expressaram as mesmas preocupações que levaram à reunião, argumentando que suas restrições de produção estavam prejudicando seu lucro.

Os cortes de produção estendidos também adiarão ainda mais o aumento significativo da capacidade de produção russa, especialmente para a influente Rosneft (OTC:OJSCY).

Petroleiras russas sob pressão
Petroleiras russas sob pressão

Essas preocupações levaram a delegação Russa da Opep a pressionar por uma mensagem clara sobre como sair dos cortes, a fim de evitar um cenário em que os mercados de energia voltem a um déficit muito cedo, um rali de preços muito rápido e que as empresas de shale do rival EUA aumentem a produção ainda mais.

O presidente-executivo do principal produtor privado da Rússia, Lukoil (OTC:LUKOY), disse na sequência da reunião da Opep que gostaria de ver o preço do petróleo estável nos níveis atuais, negociando na faixa de US$ 60,00-65,00 por barril. Enquanto Novak afirmou que todas as companhias de petróleo russas estavam de acordo com os últimos limites de produção, os barões de petróleo da Rússia poderiam renunciar ao acordo no primeiro sinal de superaquecimento do mercado.

Em resposta a essas preocupações, Al-Falih, da Arábia Saudita, disse que o grupo estará "ágil" e "alerta", pronto para responder se as condições do mercado mudarem significativamente, um aceno para autoridades russas que expressaram preocupação de que a extensão dos cortes de produção incentivaria o setor de shale dos EUA a bombear mais petróleo bruto.

No final do dia, Moscou vê mais vantagens nos preços mais baixos do petróleo, então acrescentar uma opção para rever o negócio em junho foi uma grande vitória para as companhias de petróleo russas, que já estão tendo dúvidas sobre a extensão de nove meses.

O Perdedor: Arábia Saudita

A Arábia Saudita tem sido o principal impulsionador do movimento para reequilibrar o mercado e os preços de sustentação, com a redução dos níveis de produção de Riad muito maior se comparada ao resto dos países que participam do acordo de redução de produção.

Cortes de produção por país até março de 2018
Cortes de produção por país até março de 2018

Falando após a reunião da semana passada, o ministro saudita do Petróleo, Khalid Al-Falih, se vangloriou de que o acordo de produção já controlou o excesso oferta, mas são necessários mais cortes para levar os estoques globais de petróleo de volta à média de cinco anos.

Falih disse que era prematuro falar sobre acabar com os cortes, pelo menos por alguns trimestres, já que o mundo estava entrando em uma estação de baixa demanda de inverno, minimizando a possibilidade que uma mudança de política poderia vir na próxima reunião da Opep em junho.

"Quando decidirmos parar com os cortes, faremos isso muito gradualmente ... para não impactar o mercado", disse ele.

A postura de Riad representou uma mudança no seu recente papel de exortar a restrição e tentar convencer os colegas de que os preços que aumentaram rapidamente beneficiaram os fornecedores de energia alternativa. "A Arábia Saudita é agora o principal gavião dos preços", disse uma fonte de alto nível da Opep.

O que levou os sauditas a repensar suas políticas na Opep é a próximo IPO da Aramco, a joia da coroa. A IPO, prevista para o segundo semestre de 2018, foi considerada a maior oferta pública já feita, com autoridades sauditas se gabando de que a Aramco vale cerca de US$ 2 trilhões. Como tal, há um desejo de aumentar os preços do petróleo para maximizar a avaliação da Aramco antes do registro.

Os altos preços do petróleo também são necessários para as reformas econômicas O príncipe herdeiro de 31 anos, Mohammed bin Salman, tem como parte de seu plano "Visão 2030".

Uma vez líderes de fato da Opep, os sauditas viram um pouco da sua influência diminuir no interior do grupo, motivo de preocupação entre os funcionários de Riade. Na verdade, a Rússia parece ter substituído a Arábia Saudita como o fiel da balança, juntamente com o shale dos Estados Unidos. Uma fonte da Opep que pediu anonimato disse que o presidente russo Vladimir Putin está "está ditando as regras" nos mercados de energia.

Até agora, os interesses dos sauditas e da Rússia parecem estar alinhados, mas isso poderia mudar mais cedo do que os mercados esperam. Se o acordo de produção for bem-sucedido na remoção de 1,8 milhão de bpd do mercado até o final do próximo ano, não há dúvida de que os estoques globais voltarão a equilibrar-se e potencialmente ultrapassarão e ganharão ainda mais impulso.

Os preços do WTI podem saltar acima de US$ 60,00 e até alcançar o nível de US$ 70,00, o que provocaria uma exploração ainda mais intensa do shale dos EUA, prejudicando ainda mais o objetivo dos sauditas.

Sauditas vs Shale dos EUA
Sauditas vs Shale dos EUA

Dois Vencedores e o Grande Perdedor Após a Prorrogação dos Cortes de Petróleo
 

Artigos Relacionados

Cepea
Boi: Preço médio mensal é o menor desde out/19 Por Cepea - 01.12.2022

Os preços médios do boi gordo recuaram ao longo de novembro na maior parte das praças acompanhadas pelo Cepea, pressionados sobretudo pela maior oferta de animais para abate....

Scot Consultoria
Escassez eleva a cotação da arroba de boi gordo   Por Scot Consultoria - 01.12.2022

Por Pedro Gonçalves e Maria Eduarda Garibaldi Depois de um começo de semana estável, a ponta compradora ofertou R$5,00 a mais pela arroba de boi gordo devido ao enxugamento da...

Alexandre Ragozzino
Ouro (XAU/USD): Flâmula de alta Por Alexandre Ragozzino - 29.11.2022 1

O gráfico diário do ouro mostra a formação do significativo padrão de continuação de tendência de alta chamado Flâmula De Alta, verificado após o efetivo rompimento da importante...

Dois Vencedores e o Grande Perdedor Após a Prorrogação dos Cortes de Petróleo

Adicionar comentário

Diretrizes para Comentários

Nós o incentivamos a usar os comentários para se engajar com os usuários, compartilhar a sua perspectiva e fazer perguntas a autores e entre si. No entanto, a fim de manter o alto nível do discurso que todos nós valorizamos e esperamos, por favor, mantenha os seguintes critérios em mente:

  • Enriqueça a conversa
  • Mantenha-se focado e na linha. Só poste material relevante ao tema a ser discutido.
  • Seja respeitoso. Mesmo opiniões negativas podem ser enquadradas de forma positiva e diplomática.
  • Use estilo de escrita padrão. Incluir pontuação e letras maiúsculas e minúsculas.
  • NOTA: Spam e/ou mensagens promocionais ou links dentro de um comentário serão removidos.
  • Evite palavrões, calúnias, ataques pessoais ou discriminatórios dirigidos a um autor ou outro usuário.
  • Somente serão permitidos comentários em Português.

Os autores de spam ou abuso serão excluídos do site e proibidos de comentar no futuro, a critério do Investing.com

Escreva o que você pensa aqui
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
Postar também no :
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Obrigado pelo seu comentário. Por favor, note que todos os comentários estão automaticamente pendentes, em nosso sistema, até que aprovados por nossos moderadores. Por este motivo, pode demorar algum tempo antes que o mesmo apareça em nosso site.
Comentários (1)
Lucio Malta
Lucio Malta 05.12.2017 15:07
Salvo. Ver Itens salvos.
Este comentário já foi salvo nos seus Itens salvos
ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES NÃO AVALIADOS NA MATÉRIA.. . O chale gas não substitui integralmente o petróleo.. A economia americana e mundial estão crescendo a um rítimo que não foi acompanhado pela produção de energia petrolífera, razão pela qual os estoques mundiais estão reduzindo, em expecial nos EUA.. A produção do chale gas é prejudicial ambientalmente, contamina o lençol freático e o solo.. Os poços de produção declinam  rapidamente tornando-se em poucos anos (3) economicamente inviaveis.. Os produtores de chale na minha opinião apenas tentam recuperar os investimentos  levados quase a bancarrota em 2015.. Novos investimentos em chale só seriam viáveis com o Brent cotado acima dos 75 D/b
 
Tem certeza que deseja excluir este gráfico?
 
Postar
 
Substituir o gráfico anexado por um novo gráfico?
1000
A sua permissão para inserir comentários está atualmente suspensa devido a denúncias feitas por usuários. O seu status será analisado por nossos moderadores.
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anexar um gráfico a um comentário
Confirmar bloqueio

Tem certeza de que deseja bloquear %USER_NAME%?

Ao confirmar o bloqueio, você e %USER_NAME% não poderão ver o que cada um de vocês posta no Investing.com.

%USER_NAME% foi adicionado com êxito à sua Lista de bloqueios

Já que acabou de desbloquear esta pessoa, você deve aguardar 48 horas antes de bloqueá-la novamente.

Denunciar este comentário

Diga-nos o que achou deste comentário

Comentário denunciado

Obrigado!

Seu comentário foi enviado aos moderadores para revisão
Cadastre-se com Google
ou
Cadastre-se com o e-mail