🚀 Ações escolhidas por IA em alta. PRFT com alta de +55% em 16 dias. Não perca as ações de junho!Acessar lista completa

Economia, Política e Vergonha Alheia

Publicado 25.08.2022, 09:51

O Brasil é o país com o maior número de especialistas em todas as áreas de  conhecimento. Ciência, política, economia, futebol... É impressionante a naturalidade com que nossos amigos enchem a boca pra manifestar suas opiniões, quase como certezas. Obviamente, os algoritmos das redes sociais são os grandes responsáveis por alimentá-las, promovendo o encontro entre pessoas que pensam da mesma forma. Aí já era... As certezas tornam-se quase axiomas...
 
Juntando essa característica ao fato do brasileiro médio enxergar diversos  aspectos da vida de forma dicotômica (nada existe além do certo e do errado, do bem e do mal), somos cercados por uma legião de “Dunning-Krugers” vociferando seus rasos pontos de vista.
 
Um dos maiores e mais prejudiciais exemplos desse fenômeno está na falta de compreensão da macroeconomia e dos ciclos econômicos. Há um excelente vídeo feito por Ray Dalio que explica muito bem como seus ciclos curtos de 5 a 8 anos (pelo menos em países livres). O link para o vídeo está no fim do texto. Recomendo fortemente que assista.
 
Entender que esses movimentos são criados pela ação humana, independente da orientação ideológica de um governante, é um excelente começo. Claro que, a depender do tipo de política monetária adotada pelo governo (contracionista ou expansionista) e o respeito que o mesmo tem para manter o tripé macroeconômico e a austeridade fiscal, esses ciclos podem ser mais longos para baixo (recessão) ou para cima (crescimento).
 
Há outro aspecto importante: em raras ocasiões, um mandato começa no topo ou no pé de um ciclo. E as decisões tomadas por uma equipe econômica no curto prazo, normalmente demoram anos para se manifestarem nessa senoide ascendente ou descendente.    

A vantagem é que, para entender se a condução econômica é/foi positiva ou negativa, temos os indicadores econômicos históricos. Essa é a grande vantagem: eles são amorais, apolíticos e não dão a mínima para o que você pensa. Simplesmente estão lá para serem consultados e servirem de base para a análise de um determinado período.
 
Vamos exercitar o senso crítico a partir de informações geopolíticas e estatísticas?
 
O primeiro ponto é que viemos passando nos últimos 30 meses por uma pandemia como não se via em quase um século e em 4 meses, por uma guerra inimaginável até alguns anos. Esses dois cisnes negros vêm afetando o crescimento mundial de forma muito significativa, pela quebra da cadeia de suprimentos, diminuição da capacidade produtiva entre outros aspectos.
 
Os governos precisaram injetar dinheiro na economia para que os mais vulneráveis tivessem o que comer e para que as empresas pudessem manter-se funcionando, pois de outra forma, haveria desemprego em massa e as consequências seriam muito piores do que de fatos passamos ou estamos passando.
 
Porém, injetar dinheiro na economia é um dos aspectos que gera inflação de preços. Somado à quebra repentina na cadeia de suprimentos global, temos o aumento no custo de produção e a consequente diminuição na oferta de produtos, o que... também gera inflação:
 
Inflação no Mundo - Fonte: Trading Economics

 
Nesse cenário, os governos devem adotar políticas contracionistas, aumentando a taxa básica de juros para tentar frear o consumo:
 
Taxa de Juros no Mundo - Fonte: Portal Contábeis

Isso, nas situações “normais de temperatura e pressão” costuma funcionar. Mas não trazem o efeito desejado quando o mundo ainda sofre impactos das crises sanitárias e diplomáticas e caso o lado fiscal do país não esteja equilibrado. Por lado fiscal, entenda déficit ou superávit primário e relação endividamento/Produto Interno Bruto:

   Relação Dívida Pública/PIB - Fonte: CNN Brasil


Enquanto o mundo luta contra a inflação, o Brasil vivencia um cenário de deflação como demonstrou o indicador IPCA15 (-0,73% em agosto, menor índice da série histórica). Além do mais, no último boletim FOCUS tivemos queda em todos os indicadores de inflação por 8 a 13 semanas consecutivas:

Boletim FOCUS - Fonte: Banco Central do Brasil



O que essas informações podem dizer sobre o atual momento do Brasil?

 
A queda no gasto público, a tendência de queda inflacionária e outros aspectos não citados como a apreciação cambial e recorde na exportação de commodities, podem sinalizar que saímos da parte baixa do ciclo em direção à alta. Isso enquanto os países que possuem relações comerciais conosco, estão no início do ciclo contracionista, aumentando suas taxas de juros sem sinais de parada.
 
Ou seja, a depender de como o próximo governo conduzir a economia, bons ventos podem estar por vir.
 
Vejam que essa análise é simples mas não simplista. Basta um pouco mais de pragmatismo e menos de paixão. Ou, pensar com a cabeça ao invés do fígado, como dizia meu avô.
 
Por fim, recomendo que tente entender o básico da Economia. Assim não passará vergonha quando explicar o mundo com base numa notícia ou idolatrando seu político de estimação.

Últimos comentários

Carregando o próximo artigo...
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.