Garanta 40% de desconto
🚀 6 ações que subiram +25% no 1º tri selecionadas pela nossa IA. Quais ações vão subir no 2º tri?Não perca a lista completa

O canário de mina e o "novo paradigma"

Publicado 19.02.2024, 13:26
Atualizado 09.07.2023, 07:32

Lá em meados de 1910, quando a exploração de carvão em minas subterrâneas era intensa no Reino Unido, operários passaram a levar consigo para o interior das galerias um canário preso em uma gaiola.

Não se tratava de superstição ou coisa do gênero: era uma prescrição do fisiologista inglês John Haldane. O racional era simples: o acúmulo de monóxido de carbono no interior das minas era um risco relevante à vida dos operários.

O sistema respiratório do canário era muito mais sensível do que os dos operários. Mediante níveis relativamente baixos de monóxido de carbono, o canário da mina morria - e sua morte servia de indicativo de que os trabalhadores deveriam agir rápido para preservar a própria vida.

Seja revisitando a história, seja testemunhando-a em primeira pessoa ao longo das últimas duas décadas, alguns padrões parecem emergir de tempos em tempos. E um dos quais me chama particular atenção é a ideia do "novo paradigma".

Ele ocorre tipicamente após um período de bom desempenho do mercado. Mais especificamente, após um período relativamente prolongado ao longo do qual preços se mantêm persistentemente em patamares "difíceis de explicar" a partir da ótica das abordagens de análise comumente aceitas.

Em outras palavras, o fenômeno do "novo paradigma" costuma surgir em momentos de otimismo de mercado.

A bolha das "pontocom" foi um excelente exemplo. Em meio a valuations irrazoáveis por qualquer métrica, surgiu e disseminou-se com bastante força a ideia de que as abordagens tradicionais estavam ultrapassadas; não serviam mais como parâmetro de valor.

No período que sucedeu à crise do subprime, no qual juros foram a patamares extraordinariamente baixos mundo afora, o mesmo fenômeno se repetiu. Ali teve início, em especial, o ciclo das startups que tinham em gerar resultado a última das suas prioridades, pois era extraordinariamente fácil conseguir um novo cheque quando o caixa se aproximava do final.

Mesmo após a emergência sanitária de 2020-2021, vivemos um microciclo de "novo paradigma" em setores específicos - como, por exemplo, o varejo -, alimentado pela ideia de que tais negócios deveriam ser avaliados primariamente por métricas de crescimento de receita, mesmo que essa receita viesse às custas de pesada queima de caixa. Aí estão Americanas (BVMF:AMER3), Casas Bahia, Magazine Luiza (BVMF:MGLU3), Mobly (BVMF:MBLY3), Westwing (BVMF:WEST3),  e tantas outras.

Diante disso tudo, passei a acreditar piamente que a emergência de discursos de "novos normais" é um poderoso indicador de que algo não vai bem nos mercados. Este é o meu canário de mina particular.

Recentemente, David Einhorn, fundador da Greenlight Capital e um dos mais respeitados gestores de recursos dos Estados Unidos, participou de um podcast produzido pela Bloomberg. Em meio às suas colocações, destacou ter formado convicção de que a ascensão dos ETFs passivos e dos fundos quantitativos havia mudado estruturalmente o funcionamento dos mercados.

Nas palavras de Einhorn, valor não é mais algo levado em conta para a maior parte do dinheiro investido. A alusão é aos fundos quantitativos cujas estratégias, agnósticas a qualquer noção de valor, realizam estratégias de investimento tão somente guiados por ferramentas que tentam prever os movimentos futuros de preços - façam esses preços sentido ou não.

Os ETFs de gestão passiva, por sua vez, estariam contribuindo para um ciclo vicioso: dinheiro sai de fundos ativos, fazendo com que seus gestores precisem se desfazer de posições baratas, e migra para fundos passivos, que investem sem considerações quanto a valor e, por conta de fluxo, tornam ainda mais caras teses já sobrevalorizadas. Nessa dinâmica, enquanto houver fluxo, a tendência passa a ser que o caro fique ainda mais caro e o barato, ainda mais barato.

A descrição que Einhorn faz da atual situação de mercado me parece bastante fidedigna. Minhas dúvidas dizem respeito à sustentabilidade dessa tendência.

Na esmagadora maioria das vezes em que preços descolaram de fundamentos, eventualmente houve uma correção. Não necessariamente em curto espaço de tempo (ou seja, preços podem permanecer "irracionais" por mais tempo do que gostaríamos), mas sempre ocorreu.

Entre acreditar que vivemos um "novo normal" onde preços têm vida própria ou pressupor que, tal qual todas as outras vezes, desta vez também não é diferente e, eventualmente, veremos uma normalização... eu, sinceramente, fico com a segunda hipótese, mais conservadora.

Mas, sobretudo, o fato de estar sendo aventada a hipótese de divórcio entre preço e valor, com a inauguração de um "novo paradigma", só me faz pensar nos canários de mina.

Os fundos quant e a indústria de fundos passivos são gigantes nos Estados Unidos. Nem tanto por aqui - de forma que, a princípio, me parece que essas distorções se manifestam em intensidade muito maior lá do que aqui.

Mas, como frequentemente digo, é o cachorro quem abana o rabo e não o contrário: é muito difícil, para não dizer impossível, imaginar um cenário em que o mercado brasileiro vai bem em meio a problemas nos EUA.

Se o diagnóstico de Einhorn se mostrar correto; se o mercado americano estiver se tornando disfuncional; e se minha crença de que isto não é indefinidamente sustentável se mostrar verdadeira... convém ficarmos atentos às dinâmicas por lá em função das repercussões por aqui.

Últimos comentários

ou seja, uma evolução para qual ainda não sabemos quais as variáveis envolvidas ( bots )
Não sei se não, entendi ou se é desconhecido a existência de fundos passivos e quantitativos focados em valor e tamanho , ou seja empresas baratas e pequenas.
Sinceramente, eu ando acompanhando e entendendo essa tese do *Novo normal, mas para mim isso é Um Baita metaGame , para Mais uma vez Ser criado uma grande euforia no mercado e Vir uma grande onda de realização , derrubando os preços e enchendo os bolsos dos vendedores, pra mim é apenas uma MAIS DO MESMO. . E é claro que eu Já estou avaliando minhas Puts.
Que ótima análise. Sempre tive um lado meio contrarianista, agora pode ser a chance de ganhar dinheiro com ele...
É muita expectativa pra pouco crescimento real mundial. O capitalismo está excluindo as pessoas pouco a pouco e concentrando renda, principalmente via automatização crescente a produção. Tem negócios que estão indo bem baseados em crescimento de doenças nas pessoas… Mas pra mim o que mais temo são as “grandes ameaças” de que Roubini sempre alerta.
Como SEMPRE foi !
Novo normal vai acabar No velho normal.
Bom
Vide o volume hoje…é impressionante a modinha Nvidia.
O Raciocínio de Einhorn,endossado pelo articulista Schweitzer,tem a lógica de que a produção de dinheiro, seja em que fantasia esteja,se auto sustenta pela necessidade de seus detentores de expandir seu patrimônio. Moto contínuo que depende de energia. Essa energia é o próprio dinheiro. E vamos que vamos!!!
Novas tecnologias e descobertas científicas espantosas surgem sempre mas não surgem novos conceitos para descrever o risco associado a empresas.
O mercado financeiro age muitas vezes como um novato em um leilão judicial, que não conhece a mercadoria e apenas se guia pelos outros concorrentes e pela ambição de ganhar dinheiro fácil. Ocorre que uma hora a realidade bate a porta e o verdadeiro valor do bem arrematado é revelado e vem o arrependimento tardio. A correção de ativos em sobrevalorização é constante e sempre irá ocorrer por conta destes movimentos impensados do mercado.
Excelente artigo, parabéns.
Instale nossos aplicativos
Divulgação de riscos: Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos nesse site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas nesse site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos nesse site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos nesse site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.
© 2007-2024 - Fusion Media Limited. Todos os direitos reservados.